Vale do Silício: o que você deveria aprender com os faixas-preta da tecnologia

Vale do Silício: o que você deveria aprender com os faixas-preta da tecnologia

O Vale do Silício é a casa dos maiores faixas-preta do mercado e isso não é novidade para ninguém.

Só que tem uma parada que você deveria aprender com essa galera, mas que pode estar passando despercebido por você. Porque parece uma coisa tão óbvia, mas definitivamente não é.

O fato é que lá não se trata de um lugar mágico, onde as coisas simplesmente acontecem.

Não foi do nada que o Vale do Silício se tornou uma vizinhança de quase 3 trilhões de dólares.

Nem mesmo da noite para o dia.

Esse é o tipo de coisa que depende muito mais da postura das pessoas que estão lá, dispostas a fazerem a parada acontecer.

E a boa notícia é que você não precisa ser um gigante do mercado ou mesmo estar no Vale do Silício para saber o que faz essa galera ter tanto sucesso no empreendedorismo.

Porque é exatamente isso que quero conversar aqui com você.

É o seguinte:

Quem é faixa-preta, não nasceu faixa-preta. Só se torna faixa-preta quem segue em frente e vai até o fim.

O faixa-preta é o faixa-branca que não desistiu.

O perfil das empresas mais valiosas do mundo atualmente, que hoje têm sede no Vale do Silício, é de quem não desiste.

É de quem tem mindset de crescimento.

Pensa comigo.

Eles tiveram e ainda têm muitos motivos para desistir. Muitas desculpas poderiam ser usadas para deixar o sonho de lado.

O alto custo de vida é apenas uma delas.

Além do fato de que fazer uma startup virar uma empresa milionária não é bem uma coisa que se pode chamar de simples.

Quem tem uma pequena empresa ou começou um lançamento do zero sabe do que eu estou falando, porque alguns perrengues são bem parecidos.

Mas a lição que você deveria aprender com os faixas-preta do Vale do Silício é justamente essa: você vai encontrar todas as desculpas do mundo pra desistir, mas só se torna faixa-preta quem opta por continuar.

É o não desistir que permitiu que muitas empresas fundo de garagem se tornassem o que são hoje: gigantes da tecnologia.

Que atualmente vivem no local considerado o paraíso dos profissionais de tecnologia, empreendedorismo e marketing.

E para que você entenda mais sobre a mentalidade dessa galera, eu vou te mostrar nas próximas linhas:

  • o que é o Vale do Silício;

  • como surgiu;

  • 6 curiosidades sobre o local;

  • e ainda as quais são as grandes empresas presentes na região.

Vamos lá?

O que é o Vale do Silício?

O que é o Vale do Silício?

Vale do Silício é simplesmente o berço das maiores empresas de tecnologia do mundo.

Também conhecido como Silicon Valley (nome original em inglês), essa região é um verdadeiro pólo industrial situado na Califórnia, nos Estados Unidos, e tem como objetivo gerar e incentivar inovações científicas e tecnológicas.

Grande parte do desenvolvimento de softwares, hardwares, aplicativos e outros serviços tecnológicos e acadêmicos acontecem em um pequeno grupamento de cidades da Califórnia que, juntas, formam o Vale do Silício.

Essas cidades são: Palo Alto, Newark, Menlo Park, Campbell, Union City, Milpitas, Sunnyvale, Cupertino, Los Gatos, Santa Clara, Fremont, Redwood City, Saratoga, Los Altos, Mountain View e San Jose.

E uma das especialidades deste local é a viabilização de novas ideias, principalmente em questão de investimentos financeiros.

Funciona assim: pequenos projetos de tecnologia (as chamadas Startups) que exigem bastante conhecimento e dinheiro para ser colocados em prática encontram no Vale do Silício os padrinhos (aceleradores) que ajudam a parada acontecer.

Os profissionais desta região são focados em crescimento e, para isso, eles não poupam esforços quando se trata de inovação e desenvolvimento de coisas novas.

Qualquer pequena nova ideia pode fazer toda a diferença para um aparelho, um aplicativo, uma mídia social ou qualquer outra tecnologia que esteja envolvida no processo.

A região foi batizada com esse nome devido à geografia do local (vale) e em homenagem ao Silício (Si), elemento químico encontrado em abundância na região…

E que serve de matéria-prima básica para a produção de muitos circuitos e chips eletrônicos desenvolvidos por lá.

Coisas essenciais para a produção de microprocessadores, computadores, entre outras tecnologias.

Inclusive, a maioria das empresas que atualmente têm o Vale do Silício como sede são do ramo da tecnologia da informação, informática e produtos eletrônicos, como Apple, Facebook, Google, HP, Intel e Microsoft.

Mas também várias gigantes especialistas em marketing e empreendedorismo. Muitas delas sendo, inclusive, líderes no mercado em que estão inseridas.

Como o Vale do Silício se desenvolveu bastante ao longo do tempo, o cenário é muito parecido com outras grandes cidades: alta competitividade, alto custo de vida, imóveis hiper valorizados e trânsito intenso.

Bem como preocupações quanto a um crescimento sustentável da região.

E eu vou te mostrar agora como tudo isso começou.

Como surgiu o Vale do Silício?

Como surgiu o Vale do Silício?

Esse pólo industrial nasceu da experimentação nas áreas de rádio, televisão e produtos eletrônicos militares.

Alguns historiadores defendem que a origem do Vale do Silício se deu no ano de 1906 e a associam à origem do rádio especificamente.

A região abrigava alguns engenheiros e seus laboratórios que, na época, iniciavam os testes deste meio de comunicação.

Logo vieram outras empresas do ramo da tecnologia, a fim de fazer experimentos com outros produtos eletrônicos, já que se tratava de um local propício para isso, principalmente em relação à facilidade de matéria-prima e de baixo custo.

Mas acontece que o verdadeiro “boom” de desenvolvimento se deu com a participação dos EUA na Segunda Guerra Mundial e nas corridas armamentista e espacial da Guerra Fria, nos anos 1950.

Porque, justamente devido aos acontecimentos dessa época, empresas do campo científico e tecnológico migraram para lá, com apoio do governo, já que havia a necessidade de produção de armas e construção de aviões de caça.

E as indústrias eletrônicas instaladas no Vale do Silício, claro, foram as principais fornecedoras de todo material necessário.

A Universidade de Stanford, suas afiliadas, e os graduados também desempenharam um papel importante nos primeiros anos de desenvolvimento desta área.

Durante os anos 1940 e 1950, Frederick Terman, professor de engenharia da universidade, decidiu criar mais oportunidades de trabalho para seus alunos.

Ele encorajou dois deles, William Hewlett e David Packard, a iniciarem seu próprio negócio.

E ainda conseguiu facilidades para que eles pudessem criar a empresa de alta tecnologia que leva seus nomes: a Hewlett-Packard (mais conhecida hoje como HP).

Além disso, Terman usou alguns contatos que tinha em Washington para conseguir doações federais para pesquisas.

Nesse período, a Universidade de Stanford também chegou a alugar terrenos para a Varian Associates, a Eastman Kodak, a General Electric, a Lockheed e outras empresas de alta tecnologia…

Até que o Vale do Silício cresceu em torno do campus de Stanford.

A interferência de Terman, no fim das contas, ajudou o local a se consolidar como um dos maiores centros de pesquisa e desenvolvimento do mundo.

Por isso, muitas vezes ele é chamado de "pai do Vale do Silício".

Esse termo específico, porém, só foi usado pela primeira vez em 1971, quando o jornalista Don Hoefler nomeou a série de artigos publicados na Eletronic News como “Silicon Valley U.S.A”.

Bom, se fosse para resumir, eu diria que o surgimento do Vale do Silício foi basicamente resultado da união de:  

  • novos conhecimentos tecnológicos;

  • um grupo com engenheiros e cientistas qualificados;

  • um bom financiamento;

  • rede de empresas de capital de risco;

  • a liderança institucional da Universidade de Stanford (pelo menos no início).

Qual a importância do Vale do Silício para o mundo?

Qual a importância do Vale do Silício para o mundo?

É bem provável que hoje você use pelo menos uma tecnologia que foi "importada" do Vale do Silício.

As inovações que saem a todo instante vêm de lá. Vêm dos investimentos feitos pelas empresas da região.

Essa é uma das várias contribuições da região para o mundo: como eu disse no tópico anterior, lá continua sendo um dos maiores centro de inovação que existem.

Além disso, o Vale do Silício representa muito economicamente falando.

Primeiro que se você for parar para pensar no que é produzido lá, só os produtos da Apple, por exemplo, rendem múltiplos bilhões de reais todo ano.

Esses produtos e inovações tecnológicas fazem a economia girar.

O lucro total do Vale do Silício é de cerca de 250 bilhões de dólares, no total (no mesmo período), para você ter uma ideia.

E, por isso, eles têm um papel enorme no poder econômico dos EUA, que são a maior potência mundial atualmente.

Com o crescimento da relevância do Vale do Silício, foi aumentando também o número de convenções, workshops, palestras, congressos e evento na região, que se torna atrativa para um grande número de empreendimentos.

Não é à toa que muitas startups promissoras acabam migrando para lá.

Algumas delas, inclusive, se tornaram grandes empresas, como você verá mais adiante neste artigo.

O grande fluxo de informações e negócios permite e facilita o início de parcerias entre desenvolvedores, investidores, aceleradoras e colaboradores.

6 curiosidades sobre o Vale do Silício

6 curiosidades sobre o Vale do Silício

Como você deve ter percebido, o Vale do Silício não é um ambiente como outro qualquer. Inclusive, algumas coisas são tão próprias de lá que realmente parecem coisa de outro mundo.

Eu separei para você alguns dos fatos mais curiosos sobre essa região que é um dos mais importantes centros de atração do mundo.

#1 – Já foi apelidado de “Vale da Morte”

Antes do surgimento da Internet, lá por volta de 1985, o Vale do Silício recebeu o apelido de “Vale da Morte” por causa do pânico gerado pelo pensamento de que o computador substituiria os empregos existentes.

Com o tempo, foi-se acostumando com a ideia de integrar a tecnologia à rotina diária.

E ficou cada vez mais claro que, embora os computadores possam automatizar os serviços, eles ainda exigem que alguém os opere, para que possam ser usados com mais eficiência.

Lendo isso hoje pode parecer até besteira, mas até então, as pessoas realmente se desesperavam com a ideia de que as máquinas substituíssem a interação humana por completo.

#2 – Forte rede de mentores

No Vale do Silício não tem essa de esconder o ouro. Eles estão ligados que quando a maré sobre todos os barcos sobem junto.

Por isso mesmo, lá existe uma cultura muito forte de suporte às startups e aos novos empreendimentos.

Os mais experientes ajudam e orientam aqueles que estão com seus projetos engatinhando.

Especialmente por lá existem muitos especialistas tanto em gestão, quanto em crescimento, em processos tecnológicos, em estratégias financeiras e etc.

#3 – “Fórmula do sucesso”

Quando perguntados sobre a tal “fórmula do sucesso”, muitos empreendedores da região afirmam que se fosse para definir uma, seria o espírito de cooperação.

Muitos fundadores de empresas locais estudaram juntos, por exemplo, o que os torna mais voltados a promover e ajudar uns aos outros, independentemente competição corporativa.

Os empreendedores se ligaram que a colaboração entre eles aumenta suas chances de se tornarem mais bem-sucedidos.

#4 – Série da HBO

Série da HBO

A HBO produziu uma série chamada “Silicon Valley”, que conta a história de uma empresa de ficção tecnológica, Pied Piper.

O enredo conta com o drama que um engenheiro de software vive para manter sua própria empresa. E conta com é a vida no Vale do Silício de uma forma muito realista e divertida.

Ela é inclusive indicada pelo Bill Gates. 😉

#5 – Moradia alternativa

Como já foi dito aqui, o setor imobiliário é extremamente claro por lá.

E, exatamente por isso, muitos profissionais que até ganham muito bem, como os engenheiros das grandes empresas, acabam optando por moradias alternativas por não dar conta de pagar o aluguel de um lugar comum.

Alguns desses trabalhadores encontraram uma solução criativa e barata:

Esqueça de arrumar um apartamento e simplesmente mude para uma van no estacionamento do trabalho.

Já outros decidiram se mudar para um contêiner de transporte, que oferece quatro paredes, um telhado e um piso, prontos para serem construídos.

O lance é só encontrar um local adequado para colocá-lo.

#6 – Robôs circulando pela cidade

Se você é daquelas pessoas que, ao pensar no Vale do Silício, já imagina um bocado de robôs perambulando pelas ruas… Saiba que você não está totalmente errado.

Não é estranho, por exemplo, ter sua água entregue no seu quarto de hotel por um robô ao visitar a região.

Existem também alguns robôs de segurança que usam sensores e câmeras para coletar dados, processar e notificar policiais humanos se houver algum problema.

Sabendo esse tipo de coisa, aquela história do “Vale da Morte” não parece tão loucura mais, não é? Hahaha.

Mas tem quem curta viver por lá, como você vai ver agora.

Principais empresas situadas no Vale do Silício

Principais empresas situadas no Vale do Silício

Você já sabe que os maiores faixas-preta do mercado, principalmente das áreas de tecnologia, redes sociais, design, e marketing estão todos morando no mesmo lugar: o Vale do Silício.

Algumas nasceram lá mesmo, outras instalaram seus escritórios ou migraram totalmente seus negócios.

Agora, quando eu falo dos gigantes do mercado, de quais empresas estou falando exatamente?

Dá só uma olhada na lista de algumas das principais empresas “peso pesado” que estão por lá:

Todas essas grandes empresas encontraram no Vale o que não seria possível em outras localidades: a cultura de aceleração do crescimento de negócios, além de parcerias de sucesso.

Vale do Silício Brasileiro: isso existe?

Vale do Silício Brasileiro: isso existe?

Sim. Existem alguns lugares aqui no Brasil que recebem o apelido de "Vale do Silício Brasileiro" graças ao seu alto potencial de investimento em inovações tecnológicas.

Entre as principais regiões brasileiras que se destacam por isso, estão:

  • Porto Digital, no Recife (PE)

  • San Pedro Valley, em Belo Horizonte (MG)

  • Vale da Eletrônica ,em Santa Rita do Sapucaí (MG)

  • Parque Tecnológico do Rio, no Rio de Janeiro (RJ)

  • Tecnopuc, em Porto Alegre (RS)

  • Parque Tecnológico de São José dos Campos (SP)

  • Sapiens Parque, em Florianópolis (SC)

  • Polo tecnológico de Campinas (SP)

Outro lugar fora dos Estados Unidos que também se destaca quando o assunto é fomentar a geração de novas ideias nesse ramo é o Silicon Wadi, em Israel.

Essa, no caso, é a segunda maior aglomeração de indústrias de tecnologia de ponta, atrás apenas do Vale do Silício tradicional, da Califórnia.

A ferramenta que os faixas-preta não ignoram

A ferramenta que os faixas-preta não ignoram

Se você chegou até aqui e está inspirado, com sangue no olho para fazer a parada do seu negócio acontecer, se liga no que eu vou falar agora.

Existe uma ferramenta que os faixas-preta não deixam de lado: uma boa plataforma para divulgar o seu negócio.

Pode ser site oficial, um blog ou mesmo páginas nas redes sociais.

Até aí, tudo bem. Mas eu preciso te dar ainda mais uma dica: invista e capriche muito em um bom conteúdo para a sua audiência.

Entenda o que o seu público-alvo procura e entregue a ele no formato que ele consome normalmente, seja por texto, vídeo ou podcasts.

E peça em troca apenas uma forma de contato, como o email.

Assim, você consegue leads qualificados para a sua empresa e pode promover abordagens mais direcionadas, educá-las e nutri-las até que elas estejam prontas para se tornarem clientes de fato.

O ideal é que você faça isso através de uma landing page de alta conversão. E, para isso, você pode contar com a ajuda do Klickpages.

E não precisa se preocupar porque é muito fácil criar uma landing page personalizada e de alta conversão. Olha só:

  • Escolha seu modelo: veja opções de alta conversão comprovada através de testes.

  • Customize a página: edite os textos, as cores e as imagens, além de ocultar elementos que pouco agregam.

  • Publique: por fim, é só publicar no seu próprio domínio, sem custos adicionais de hospedagem.

Conclusão

Conclusão Vale do Silício

Neste artigo você viu o que faz das empresas do Vale do Silício tão bem-sucedidas. Você viu que ninguém nasce faixa-preta, que o lance é não desistir no meio do caminho.

Eu te mostrei que esse é um lugar que respira crescimento. Um lugar no qual a palavra desistir não está presente no vocabulário

Você viu que o Vale do Silício é o berço das maiores empresas de tecnologia do mundo.

Que ele surgiu a partir da experimentação nas áreas de rádio, TV e principalmente produtos militares.

E que o nome “Vale do Silício” é uma homenagem ao elemento serve de matéria-prima básica para a produção de muitos circuitos e chips eletrônicos desenvolvidos por lá.

Eu ainda te contei 6 curiosidades sobre a região, como o fato de muitos profissionais de sucesso morarem em vans e containers nos estacionamentos e os robôs que circulam e trabalham pela cidade.

Além da série produzida pela HBO que é indicada pelo próprio Bill Gates.

Você viu também que as empresas mais valiosas do mundo atualmente têm suas sedes por lá, entre elas a Google, a Amazon, o Facebook e a Apple.

E aí? Você já conhecia essas curiosidades sobre o Vale do Silício? Tem alguma coisa que você acrescentaria à lista? Não deixa de me contar aqui nos comentários!

Abraços e até mais! 😉

COMPARTILHE NAS REDES SOCIAIS!

Sobre o Autor

Susanne Melo

Meu nome é Susanne, mas pode me chamar de Suse. Faço parte do time de conteúdo do Klickpages e amo aprender coisas novas, principalmente relacionadas a tecnologia e marketing. Sou brasiliense, mãe de gato, curto muito cultura pop, ler nas horas vagas e gosto de escrever ouvindo rock ou música clássica ou funk (ou...), enfim, sou bem eclética. Tudo depende do meu humor no dia. Me comunico basicamente usando gifs e memes, e gosto de conversar com pessoas que entendem as referências (pelo menos as principais, né? QUEM É QUE AINDA NÃO VIU FRIENDS?!). Ah, também sou uma pessoa muito intensa, como podem perceber. :D

Se você quiser ler outros conteúdos meus é só clicar aqui ;)