Tráfego pago: a estratégia indispensável para multiplicar seus resultados

Tráfego pago: a estratégia indispensável para multiplicar seus resultados

Essa situação não é difícil de acontecer: o cara quer um negócio digital de sucesso, mas se retorce todo quando escuta falar em tráfego pago.

Papo reto aqui. Eu sei que ninguém quer pagar para ter resultados. Porque dá medo de estar jogando dinheiro no lixo. Dá medo de não dar certo.

Você fica inseguro de investir em uma coisa e não ter retorno depois.

E ver seu negócio descendo pelo ralo.

Eu entendo tudo isso. Porque faz sentido.

E eu sei que gerar tráfego e leads são os principais desafios de 65% dos profissionais de marketing.

Mas deixa eu te contar uma coisa. É mais simples de resolver do que você talvez pense.

Porque abrir a carteira agora pode multiplicar o resultado que você tem sobre o investimento que você fez.

Ou seja, investir em tráfego pago pode levar seu ROI às alturas. E mais rápido do que você imagina.  

Eu sou exemplo vivo disso. Eu lidero os investimentos em tráfego das minhas empresas Ignição Digital e Klickpages.

Em 12 meses meu ROI já passou de 300%. Isso não teria acontecido se eu não investisse em tráfego pago.

Então, acredita em mim que dá certo.

Se ficou interessado, vem ver como essa estratégia funciona.

Ao final desse artigo, você vai ter todas as ferramentas na mão para atravessar mais rápido esse o oceano que é a internet e chegar até quem interessa: seus clientes.

Vou te mostrar como funciona o tráfego pago e como usar as plataformas mais importantes.

Você também vai ver o passo-a-passo para começar a colocar essa estratégia em prática e multiplicar seus resultados quase que em um piscar de olhos.

E mais: vou te falar a diferença entre tráfego pago e tráfego orgânico e te ajudar a escolher o melhor para fazer do seu negócio um sucesso.

Vem comigo.

O que é tráfego?

Tráfego pago O que é tráfego?

A situação é essa: você é um grande especialista (na área que quiser).

Você vai fazer uma palestra em uma Universidade bastante respeitada e passar seu conhecimento para muita gente.

Você sabe que as pessoas vão ficar impressionadas com o que você tem a oferecer.

Então você se prepara.

Chega o grande dia.

Você se arruma, checa todos os materiais que vai usar, sai mais cedo por causa do trânsito e chega no local.

Quando entra no auditório, na hora marcada, você fica sem palavras.

Não porque está nervoso. Não é isso. Você se preparou muito para aquele momento.

Também não é porque tem muita gente ali e você está intimidado com isso.

Não.

O que te deixa sem palavras é que ninguém, absolutamente ninguém, foi ver sua palestra.

Não tem uma única pessoa sentada no auditório.

Você olha para um lado, olha para o outro, e nada.

Você está sozinho.

É mais ou menos a mesma coisa que acontece quando sua página não tem tráfego. Porque tráfego é o público que acessa sua página.

É quem tem interesse pelo que você está falando ou oferecendo.

Seja para consumir um conteúdo, se inscrever em um curso, ou até comprar seu produto ou serviço.

Sem o tráfego, você é invisível na internet. É como se você não existisse. Porque ninguém te vê.

O que não é visto, não é lembrado.

Você pode ser o top de linha daquela área. Se não tem ninguém para te ouvir, não adianta de nada.

Se o seu site não tem visitantes, ele não converte. Aí sua estratégia de marketing digital desce pelo ralo.

Tráfego é o sangue nas veias de quem tem um negócio digital. Sem ele, seu negócio morre.

Mas assim como no nosso corpo existem tipos diferentes de veias, também tem tipos diferentes de tráfego.

E o que eu vou te mostrar agora é um dos mais importantes: o tráfego pago.

O que é o tráfego pago?

O que é o tráfego pago?

Enquanto eu escrevo esse artigo, existe quase um bilhão e novecentas páginas na internet.

É muita coisa.

Imagine que cada página é igual a um quilômetro. Se você colocasse todas lado a lado, a distância final seria maior que a da Terra para Saturno.

Claro que o seu negócio não compete diretamente com todas elas, porque tudo depende do seu segmento, seu nicho, subnicho, enfim.

Mas o fato é que tem muita gente aqui nesse oceano que é a internet.

Chegar até seu público-alvo só nadando vai demorar demais. E não tem como garantir que você não vai cansar, desistir, ou morrer de fome no meio do caminho.

Você precisa de um barco ou uma lancha. Alguma coisa com motor que te faça chegar mais rápido.

Esse barco ou lancha é o tráfego pago, a estratégia de marketing digital para fazer as pessoas verem que sua marca existe por meio de investimento em campanhas/anúncios.

Ou seja, você paga para seu anúncio aparecer para quem interessa: seu público-alvo.

As duas plataformas mais conhecidas para fazer uma estratégia de tráfego pago de sucesso são o Google AdWords e o Facebook Ads.

Daqui a pouco eu vou te explicar melhor sobre cada uma delas.

Por enquanto, é importante saber que suas campanhas podem ser:

  • Com foco em palavras-chave relevantes para seu negócio, em links patrocinados no Google;

  • Com foco no perfil do público-alvo, em posts patrocinados nas redes sociais como Facebook, Instagram e Youtube;

  • Em banners em outras páginas.  

Agora vou te mostrar como essa estratégia funciona. 

Como funciona o tráfego pago

Como funciona o tráfego pago

Você viu como o tráfego pago é poderoso.

Mas antes de abrir a carteira e começar a impulsionar suas campanhas, você precisa saber como isso funciona.

E não é nenhum bicho de sete cabeças. Olha só.

No tráfego pago você só paga se alguém clicar no seu anúncio, o que a galera do marketing chama de CPC – Custo Por Clique.

E isso é muito bom para o seu negócio. Porque não é igual a um outdoor ou uma propaganda na televisão que você gasta sem ter certeza que alguém viu.

Aqui você só paga quando alguém vê, se interessa e clica no seu anúncio.

E mais, como vou te explicar com mais detalhes daqui a pouco, quem determina quanto vai pagar por cada campanha é você.

Se você fosse lançar um comercial na TV, além dos custos com a produção, ainda teria que pagar o valor que a emissora determinasse para colocar a campanha no ar.

No tráfego pago não. Você define quanto paga por dia ou por mês, por exemplo.

É uma forma mais segura de investir nos anúncios e não jogar dinheiro fora. E você se sente muito mais no controle da situação.

Mas, saca só isso: assim como na TV, sua campanha só fica no ar enquanto você está pagando.

Se você parar de investir em campanhas, elas simplesmente deixam de existir. Diferente de outro tipo de tráfego, o orgânico, que eu vou explicar mais para a frente.

Para começar a colocar grana no tráfego pago do seu negócio, você precisa de ferramentas.

E chegou a hora de ver entender melhor sobre as plataformas mais importantes.  

Na prática: como usar as plataformas de anúncios

Tráfego pago como usar as plataformas de anúncios

Agora que você já sabe como é indispensável investir em tráfego pago, precisa saber como fazer isso.

E é simples: você precisa de uma plataforma de anúncios.

Existem muitas no mercado, mas para te poupar tempo, vou te mostrar as duas mais importantes: Google AdWords e Facebook Ads

Para que você comece agora mesmo a bolar sua estratégia.

Google AdWords

Como o Google é o site mais acessado do mundo, não é novidade que a sua própria plataforma de anúncios é uma das mais usadas e confiáveis.

Inclusive, o Google AdWords (ou GA) é a principal fonte de dinheiro do Google.

No GA, você sobe os anúncios com base em palavras-chave que são relevantes para o seu negócio.

Aí suas campanhas aparecem no topo das páginas de buscas do Google ou em sites parceiros, na forma de links patrocinados, vídeos ou banners.

Tipo assim:

Tráfego Pago Anúncios Google Adwords

Eu joguei a palavra-chave tênis de corrida e os dois primeiros resultados (em vermelho) são campanhas pagas.

Se você vende esse produto, por exemplo, usa a palavra-chave para subir sua campanha.

Você pode ver do lado esquerdo que os anúncios estão identificados como links patrocinados.

Por que anunciar no Google AdWords:

  • Você pode fazer testes A/B para ver qual chamada, texto ou CTA converte mais;

  • O Google tem 96% do market share de buscas online no Brasil;

  • Alto poder de segmentação para atingir quem é interessante para você;

  • Quem anuncia no GA tem, em média, um retorno de 50% para cada dólar investido.

Deu para perceber o poder dessa ferramenta. Se você quer investir em tráfego pago, precisa conhecer o GA.

Existe uma outra ferramenta tão importante para o seu negócio quanto o Google AdWords.

E eu vou te falar agora sobre ela.

Facebook Ads

Essa é a plataforma de anúncios da maior rede social do mundo: o Facebook, que ultrapassou os 2 bilhões de usuários no ano passado.

A característica do Facebook Ads é que ele foca no perfil dos usuários e a plataforma oferece várias opções de segmentação como dados demográficos, localização, interesses e comportamentos.

Ou seja, você tem muita chance de chegar até quem interessa: seu público-alvo.

Você já deve ter visto alguma coisa parecida com essa no seu feed de notícias do Facebook:

Tráfego Pago Anúncios Facebook Ads

Dá para ver que, assim como no Google AdWords, o post é indicado como patrocinado.

Você pode colocar textos, fotos ou vídeos no anúncio. Aí, quando a pessoa clica, é direcionada para seu site ou sua fanpage.

Por que anunciar no Facebook Ads:

  • O Facebook fornece o melhor ROI de todas as plataformas sociais. É o que 95,8% dos anunciantes de redes sociais em todo o mundo dizem.

  • Essa plataforma é a principal estratégia de campanhas pagas para 73,2% das empresas.

  • Alto poder de segmentação de acordo com o perfil do usuário

Se quiser todos os detalhes de Facebook Ads, vem ler esse post que eu fiz aqui no blog.

Por onde começar a fazer tráfego pago?

Por onde começar a fazer tráfego pago?

Agora você já sabe o que é tráfego pago. Nesse ponto, você pode me perguntar:

Ok Hugo, mas por onde eu começo?

Essa foi a mesma pergunta que eu me fiz quando comecei a pesquisar sobre tráfego pago. E eu queria que alguém tivesse me falado o passo a passo, como eu vou te falar agora.

São 3 passos importantes e que fazem toda a diferença. Porque, ao seguir esses passos, você planeja a sua estratégia.

E com planejamento tudo fica mais simples.

Olha só.

Defina sua verba de guerra

Ou seja, defina quanto quer gastar com anúncios no primeiro momento. Pode ser 10, 100, 1000 reais. Quem escolhe é você.

O importante é que esse valor não comprometa seu negócio.

É como investimento: você não pode colocar todo o seu dinheiro em uma coisa só. Você vai usar esse dinheiro para testar os anúncios, ver o que funciona melhor.

Defina sua meta

Ou seja, quanto você quer pagar por cada pessoa que converteu em lead. Por exemplo, 1 real por lead. 

Daqui a pouco, na analogia das maçãs, eu vou te explicar melhor sobre essa questão das metas. 

Crie mais de um anúncio

Investir em mais de um anúncio é bom para você por dois motivos:

  1. Você pode ter diferentes anúncios direcionados para cada uma das suas personas (caso você tenha mais de uma, o que é muito provável);

  2. Você consegue comparar todos os anúncios e ver qual funcionou melhor para o seu negócio, qual anúncio foi bom. Ou seja, qual teve o maior número de conversões, com maior qualidade e menor preço.

As maçãs de ouro

Tráfego pago As maçãs de ouro

Você pode estar se perguntando como é esse negócio de anúncio bom na prática. Vou explicar.

Imagine que você tem uma macieira carregada de maçãs. Algumas estão boas, outras nem tanto.

Se eu te pedir para pegar 5 maçãs, é provável que você me entregue as melhores. Porque teve como escolher as que queria no meio de todas.

Agora, se eu te falar para pegar o maior número de maçãs possível, tenho certeza que você vai voltar com maçãs boas e ruins.

A qualidade das maçãs varia de macieira para macieira. Porque uma macieira é diferente da outra.

Para o Google Adwords ou o Facebook Ads, as macieiras são as segmentações de mercado e as maçãs são os leads.

Você diz para essas plataformas qual macieira quer (com base em perfil ou palavras-chave) e essas plataformas pegam as maçãs e te entregam.

Elas vão sempre tentar te entregar as melhores maçãs, ou seja, vão tentar mostrar seu anúncio para quem tem mais a ver com ele.

Mas nada é de graça nessa vida.

E você vai ter que pagar por cada uma das maçãs.

Um exemplo prático: imagine que você está determinado a pagar 1 real por maçã de 3 macieiras diferentes.

Ou seja, você fez 3 anúncios para segmentações de mercado diferentes por 1 real por lead.

Você pode ter um desses resultados:

  1. Preço por leads menor que a meta

Você soltou o anúncio com a expectativa de pagar 1 real por cada maçã. No final das contas, cada uma só custou 50 centavos.

Parece muito bom pagar menos do que você queria. E você ainda pode usar o dinheiro que sobrou para pegar mais maçãs.

Mas, calma lá. Não é tão bom assim.

Porque isso significa que tinha tanta maçã disponível que a plataforma de anúncio saiu pegando tudo quanto é maçã pela frente.

As boas e as ruins. Ou seja, leads bons e leads ruins.

E eu acredito que você não queira leads ruins.

A solução: aumentar aos poucos o investimento até que o anúncio retorne retorne 1 lead pelo valor que você definiu na meta (no meu exemplo, 1 real por lead).

  1. Preço por lead igual a meta

Nesse caso, você conseguiu que cada maçã saísse a 1 real.

Aqui você não precisa aumentar nem diminuir o investimento, é só deixar como está e monitorar.

Monitore sempre, porque como eu já falei aqui no blog, as suas personas mudam o tempo todo.

Não dá para fazer igual a academia, que você faz o plano anual e fica pagando sem nunca ter pisado lá.

Ou seja, não tem como soltar um anúncio e deixá-lo de lado só porque deu certo.

Só porque funcionou hoje não quer dizer que vai funcionar amanhã.

Por exemplo, seu público tem que necessariamente comer carne. De um dia para o outro, alguns podem virar vegetarianos.

E se você não percebe essas mudanças, vai jogar tempo e dinheiro fora porque seu anúncio deixa de fazer sentido e converter. Porque ele vai chegar até quem não se interessa mais pelo seu produto ou serviço. 

  1. Preço por lead maior que a meta

Você esperava pagar 1 real por maçã, mas quando o Google AdWords ou o Facebook Ads voltaram com a “encomenda”, te disseram que na verdade que o preço de cada maçã é 2 reais.

Eles dizem que o problema é que está dando muito trabalho para encontrar boas maçãs nessa macieira e por isso ficou mais caro.

Isso não significa que você tem que parar a busca por boas maçãs.

Significa apenas que você precisa ir diminuindo o investimento inicial aos poucos, até que ele retorne a 1 lead por 1 real, como o que você queria.

Tráfego pago ou orgânico?

Tráfego pago ou orgânico?

Agora você já está por dentro da estratégia de marketing digital que me trouxe um ROI de 300%: o tráfego pago.

Mas você pode estar se perguntando:

Existe uma forma de gerar tráfego para o meu negócio sem ter que abrir minha carteira para anúncios?

A resposta é sim, existe. É o tráfego orgânico.

É muito simples de entender.

Se você está agora nessa página, significa que minha estratégia de tráfego orgânico está funcionando.

Porque eu não paguei um centavo para nenhuma plataforma para você estar aqui.

Você provavelmente chegou até esse artigo porque viu nas redes sociais ou porque você pesquisou sobre tráfego e caiu aqui.

Tudo de maneira orgânica. Sem que eu tivesse que investir grana diretamente.

Já deu para sacar que tráfego orgânico é quando o público chega no seu conteúdo sem que você precise subir campanhas ou pagar para isso.

Você investe de outras formas:

Ou seja, com criação de conteúdo como artigos para blog, vídeos, posts em redes sociais (sem impulsionar).

Eu não vou mentir. Tráfego orgânico não sai de graça.

Porque, como empreendedor, você não dá conta de fazer tudo sozinho. Você precisa de uma equipe.

Ou seja, você tem gastos indiretos com o tráfego orgânico.

Então essa é a principal diferença entre os dois:

  • No tráfego pago você tem gastos diretos com as campanhas

  • No tráfego orgânico você tem gastos indiretos (como para contratar uma equipe, por exemplo).

Ok, mas qual é a melhor para o seu negócio?

Vou explorar um pouco essa questão agora.

A batalha de tráfegos

Vamos recapitular um pouco.

Pense em uma banda famosa, que lota qualquer estádio sem problema nenhum.

Essa banda vai fazer um show. Mas não anuncia para ninguém.

Não abre a venda de ingressos.

Absolutamente ninguém, além dos membros da banda e da equipe de produção, sabem que esse show vai acontecer.

Não tem mistério: no dia do show não vai ter ninguém lá para ver a banda tocar.

E é a mesma coisa com o seu negócio, se você não investe em estratégias de tráfego.

Mas que direção tomar: o tráfego pago ou o tráfego orgânico?

Antes de responder essa pergunta, te convido para gente avaliar junto os prós e os contras das duas estratégias.

Tráfego orgânico

Vantagens:

  • Desde o momento que você publica o conteúdo, ele vai continuar gerando resultado enquanto estiver no ar. Seu artigo de 5 anos atrás ainda pode gerar tráfego e trazer novos leads para o seu negócio.

  • Você atrai um público mais rico, porque é uma galera mais direcionada para o produto ou serviço que você oferece. Já que esse público que foi atrás do seu conteúdo.

  • Tem uma parcela maior no tráfego total, já que 93% do tráfego vem dos mecanismos de busca.

Desvantagens:

  • Resultados a longo prazo. Uma estratégia para gerar tráfego orgânico demora meses para mostrar se está funcionando ou não. Então você precisa planejar tudo muito bem para evitar surpresas no futuro.

  • Como demora, você pode afogar seu negócio se investir só nisso. Porque a concorrência pode estar passando na frente.

Tráfego pago

Vantagens:

  • Os resultados aparecem quase que num piscar de olhos, quando comparado com o tráfego orgânico. Você tem um retorno imediato sobre sua campanha. Ou seja, acelera seus resultados.

  • Você alcança um número maior de pessoas de uma só vez e multiplica as chances de conversão.

Desvantagens:

  • Quanto você para de investir na campanha, ela deixa de existir e de gerar resultado.

  • Se você não segmentar seu público direito, as campanhas vão atingir uma galera nada a ver. Aí não adianta chegar até 1000 pessoas se 950 não tem nada a ver com você.  

Qual é melhor?

A resposta pode te surpreender.

Mas a verdade é que não existe uma estratégia melhor que a outra. As duas são indispensáveis para o sucesso do seu negócio.

O melhor mesmo é a combinação das duas.

Tráfego pago para ter resultados mais rápido.

Tráfego orgânico para continuar gerando resultado mesmo depois do fim do anúncio.

É tipo fazer dieta. Não adianta de nada emagrecer muito em pouco tempo se você não vai conseguir manter depois.

Por isso, meu conselho para você é: não deixe nenhuma de lado.

Invista nas duas e tenha a carteira cheia.

Conclusão

Tráfego Pago Conclusão

Se você chegou até aqui, está por dentro dos detalhes do tráfego pago.

Você viu o que é tráfego, a definição de tráfego pago e como ele funciona.

Eu te mostrei quais são as duas plataformas de anúncios mais usadas e mais importantes para investir em tráfego pago: o Google Adwords e o Facebook Ads.

Também te dei o passo-a-passo para começar agora mesmo a investir em tráfego pago, como definir quanto quer gastar por lead e qual é a sua meta.

Eu te expliquei como encontrar as maçãs de ouro para o seu negócio: olhando para o preço por lead.

Você ainda viu a diferença entre tráfego orgânico e pago, os prós e contras de cada um e qual é a melhor para aplicar no seu negócio.

Acredito que agora você está muito mais preparado do que quando começou a ler este artigo.

Não saia daqui sem me contar nos comentários se você já tinha ouvido falar nas plataformas de anúncios que eu falei aqui. Se você já usa, qual das duas prefere e por quê?

 

COMPARTILHE NAS REDES SOCIAIS!

Sobre o Autor

Hugo Rocha é co-fundador da Ignição Digital e do Klickpages. Já atuou diretamente nos bastidores dos maiores lançamentos digitais do Brasil. Atualmente está a frente da equipe de tráfego e crescimento da Ignição Digital e Klickpages liderando pessoalmente mais de R$ 4 milhões de reais em investimento em tráfego nos últimos 12 meses com ROI acima de 300%.