O que é resiliência: 12 características de empreendedores imparáveis

O que é resiliência: 12 características de pessoas imparáveis

Quando penso sobre o que é resiliência, só uma coisa martela na minha cabeça: ser resiliente é igual a se tornar antifrágil.

Faz pouco tempo que eu conheci o termo antifrágil, mas ele faz todo o sentido. Funciona assim…

Existem três tipos de pessoas.

O primeiro tipo é a pessoa frágil que quebra por qualquer motivo.

O segundo tipo é a pessoa robusta, que recebe uma crítica e se mantém a mesma. Ela não fica melhor com as críticas, só permanece igual.

E o terceiro tipo é a pessoa antifrágil, que quanto mais críticas recebe e quanto mais desafios enfrenta, mais forte se torna.

Se tornar uma pessoa antifrágil é tipo treinar para ganhar músculos. Para o músculo crescer, você precisa machucá-lo.

Você simplesmente não vai ficar forte se fizer um treino leve ou for para a academia de vez em nunca só para correr na esteira.

Quanto mais você pegar peso e machucar o músculo, mais força ele vai ganhar.

É exatamente a mesma coisa que acontece com pessoas resilientes. Por isso, a meu ver, elas se encaixam no tipo antifrágil.

O mais interessante de tudo é que todas as pessoas são naturalmente antifrágeis, embora muitas vezes escolham os outros dois caminhos que eu acabei de falar (o da fragilidade e da robustez).

No final das contas, se tornar resiliente e antifrágil é uma decisão. E, se me permite dizer, uma decisão fundamental para empreendedores que estão no campo de batalha, tomando "porrada" do mercado, da burocracia e dos imprevistos o tempo inteiro.

Porque quanto mais forte você se tornar, mais longe você tende a chegar.

Então, se você quer saber o que é resiliência em detalhes, é só continuar lendo.

Eu também vou te mostrar por que ela é importante e as 12 características de empreendedores altamente resilientes.

Bora!

O que é resiliência

O que é resiliência

Resiliência é a capacidade de se adaptar bem em situações de adversidade, de ser flexível e enxergar os erros como oportunidades de crescimento.

Essa é a definição que a Psicologia dá para o termo.

Mas o primeiro uso dele vem da Física, onde resiliência é a propriedade que alguns materiais têm de sofrer grandes pressões e depois voltar ao seu estado natural sem que ocorram alterações na sua forma original.

Ou seja, uma pessoa resiliente é aquela que sabe lidar com a pressão sem que isso a prejudique, sem que isso a quebre.

Eu não sei se você já assistiu o clássico Rocky Balboa, mas tem uma frase em um dos filmes que ilustra bem o que é resiliência: "Não é sobre o quanto você bate. É sobre o quanto você consegue apanhar e seguir em frente".

No caso do filme que fala sobre a luta como um esporte, apanhar tem o sentido literal.

Mas também pode ser interpretado como as dificuldades que você passa na vida, as falhas que você comete, todos os motivos que você tem para desistir, mas não desiste por causa da força que vem de dentro e te faz continuar.

Ou seja, uma pessoa resiliente é imparável.

Por exemplo, imagine que apareceu uma aranha na sua frente (digo aranha porque eu tenho pavor, mas pode ser qualquer animal que você considere uma ameaça para sua segurança).

Existem basicamente três reações possíveis: fugir, paralisar ou atacar.

Se você fugir ou paralisar, não vai se livrar da ameaça por completo. É provável que apenas a afaste por um tempo. Agora, se atacar, terá mais chances de aniquilar a ameaça.

O fato é que as três reações são aplicáveis a qualquer coisa na sua vida.

Às vezes a aranha é aquele "não" que você recebeu e foi o suficiente para te quebrar, te fazer fugir da situação ou travar diante dela, o que mostra falta de resiliência.

Só que, quanto mais resiliente, mais propenso você fica a atacar, isto é, encarar a situação de peito aberto.

Isso não acontece de uma hora para outra, é um processo. É o resultado de uma série de crenças que você precisa trabalhar na sua mente para se tornar flexível.

Outra coisa, a resiliência não é um apagador de incêndio, não é para ser usada apenas quando houver uma situação de conflito. É para ser constantemente exercitada.

E se você acha que ser resiliente é privilégio para poucos, fica ligado: qualquer pessoa pode se tornar resiliente, é uma habilidade treinável.

Agora, por que investir nesse treinamento?  

Por que é importante ser resiliente?

Por que é importante ser resiliente?

O que te trouxe até aqui não é o que vai te levar para o próximo nível.

Pessoas resilientes entendem isso. Inclusive, é o que as torna imparáveis.

Veja que eu disse imparável e não resistente.

Quem é resistente aguenta a porrada, segura a onda, mas para por aí. Quem é resiliente dá um passo além: usa as dificuldades para ficar mais forte.

Pessoas resilientes não travam frente aos obstáculos e não têm medo de errar. Até porque, para elas, cometer erros é positivo, já que é com eles que você identifica os ajustes que precisa fazer para alcançar o sucesso.

Quem é resiliente aprende com os próprios erros e se beneficia deles, não desiste do sucesso e, por isso, cresce a cada falha.

Por ser imparável, praticar a resiliência pode te tornar uma pessoa mais produtiva, criativa e confiante.

Como eu disse no início dessa conversa… quanto mais resiliente, mais antifrágil você se torna.

Então qual a maior consequência disso, a grande importância da resiliência? Simples: a pessoa não desiste.

E o faixa preta é o faixa branca que não desistiu.  

Nesse ponto, talvez você esteja se perguntando…

Como se tornar resiliente: 12 características do empreendedor altamente resiliente

Como se tornar resiliente: 12 características do empreendedor altamente resiliente

Eu não sei se você tem filhos, sobrinhos ou conviveu com alguma criança.

O fato é que todas passam por um processo muito parecido quando aprendem a falar. As primeiras palavras são, na verdade, sons aleatórios. Quando começam a fazer algum sentido, ainda saem erradas ou engraçadas.

Meu sobrinho, por exemplo, quando aprendeu que eu sou a Dinda, nas primeiras tentativas falou algo como "iiiinda" (com muito esforço para sair o “i”). Hoje já masteriza o Dinda e sabe que a Dinda também é a tia Nathalia, casada com o tio Lucas.

A cada dia ele domina um pouco mais o processo da fala.

O que isso tem a ver com resiliência? Tudo.

O desenvolvimento de uma criança mostra a alta capacidade de adaptação que ela tem, além da vontade constante de aprender e crescer em situações desafiadoras.

Esses são os primeiros passos no processo de se tornar resiliente. Os próximos eu explico a seguir.

#1 Focar no mindset de crescimento

Eu acredito fortemente que atletas de alto nível só chegam ao topo porque, além do preparo físico, dedicam tempo e energia para cuidar da mente. Afinal, é a cabeça que controla todo o resto.

Por isso, ser resiliente está intimamente ligado ao mindset que você tem.

Na prática, isso significa que o importante não é o que acontece, mas como você enxerga cada situação.

Tem um livro muito massa que fala do assunto, o Mindset da autora Carol Dweck.

Ela explica que existem basicamente dois tipos de mindset: o fixo e o de crescimento.

O fixo consiste na crença de que a inteligência é resultado de talentos inatos que limitam a capacidade de realizar alguma coisa.

Nesse contexto, pessoas com dificuldade em Matemática, por exemplo, tendem a achar que não há nada a ser feito, que elas são ruins e pronto.

Já quem tem mindset de crescimento encara os desafios como oportunidade para crescer. Quando há dificuldade em alguma coisa, tudo bem.

Pelo que você já deve ter sacado, pessoas resilientes têm o mindset de crescimento, já que não temem os erros e os desafios.

#2 Trabalhar a inteligência emocional

Há quem pense que os resilientes são aqueles que nunca ficam tristes ou têm problemas. Que engano.

A diferença é a inteligência emocional. Não tem nada a ver com não ter emoções, mas sim com reconhecer e entender os seus sentimentos e não deixar que eles dominem e controlem suas ações.

Já ouviu aquela frase "tudo bem não estar bem"? Pois é.

Uma pessoa com alta resiliência se conhece profundamente a ponto de analisar as próprias emoções e trabalhar em cima delas para avançar degrau por degrau.

#3 Não ter medo de sair da zona de conforto

Sabe por que dá tanto medo sair da zona de conforto? Porque ela é previsível, e previsibilidade permite que você se sinta seguro.

Mas lembre-se do que eu já falei: o que te trouxe até aqui não é o que vai te levar para o próximo nível.

Se você continuar fazendo as mesmas coisas do mesmo jeito, terá os mesmos resultados.

Claro, sair da rotina dói, mas é a dor da dificuldade que te ajudará no amadurecimento para que você se torne mais forte.

#4 Parar de enxergar o copo meio vazio

Pessimismo é a chave para estagnação. Porque se você acha que vai dar tudo errado, nem se move para evitar a fadiga.

E sempre que uma dificuldade aparece, você já pensa em todos os piores cenários.

O problema é que você se torna tóxico para si mesmo e para as outras pessoas.

Sabe aquela pessoa que está sempre reclamando, tudo é sempre ruim, nada dá certo, oh céus, oh vida?

Não seja essa pessoa. Porque, além de ser chato, coloca toda a vontade de fazer alguma coisa lá no chão.

Não estou dizendo para ver o mundo como um conto de fadas com arco íris de algodão doce. Não é isso.

Esqueça a pessoa que acorda dando bom dia até para o sol.

Ser otimista não é sobre estar de bom humor o tempo inteiro, mas sim sobre colocar seus esforços para que o resultado positivo aconteça.

É sobre ser proativo e tomar a responsabilidade das coisas para si, é saber que as situações ruins acontecem e são degraus para o crescimento.

#5 Cultivar a autoestima

A chave para encarar desafios como oportunidades é acreditar em si mesmo, na sua capacidade para resolver problemas.

Quem tem uma boa autoestima não aceita se submeter a situações degradantes – como trabalhar com o que não brilha os olhos, não acreditar no seu negócio, ou permanecer em um relacionamento ruim por medo de ficar sozinho.

A dica aqui é valorizar os seus pontos altos e trabalhar nos pontos baixos.

Por exemplo, se a gestão de equipes é uma dificuldade sua, entenda que esse é um ponto de atenção e busque soluções, ao mesmo tempo em que usa suas habilidades em vendas para crescer o número de clientes.

Além disso, no seu negócio, ter uma boa autoestima significa tomar decisões com segurança de que vai atingir seus objetivos e metas.

E também delegar com segurança, passar uma tarefa adiante com a tranquilidade de que ela será cumprida.

#6 Aceitar críticas

Aceitar críticas

Eu não sei se você gosta de cozinhar.

Eu me aventuro na cozinha de vez em quando, primeiro porque se eu não fizer a comida ninguém vai fazer por mim, e segundo porque eu gosto de testar novidades.

Mas, se quiser me ver murchar, é só dizer que minha comida não ficou boa, ou está sem sal, ou pesada na pimenta.

Por isso, acredite em mim quando eu digo que sei como é horrível receber críticas (ainda mais se for de alguém que você gosta).

Só que, por mais desconfortável que seja às vezes, não posso negar que se ninguém me falasse que eu pesei a mão no sal, eu continuaria cometendo o mesmo erro.

Isso vale para você também, em qualquer área que seja – especialmente no seu negócio.

Se você deixar que cada comentário ruim nas redes sociais ou cada pequena falha na campanha seja motivo para estresse, você não anda para a frente.

Para ser resiliente, use as críticas (tanto construtivas quanto negativas) como motivação para crescer, não como justificativa para ficar de cara amarrada. 😉

#7 Prezar por relacionamentos saudáveis

Talvez você já tenha ouvido aquele negócio de que nós somos a média das 5 pessoas com as quais mais convivemos. Isso significa que o seu ambiente interfere diretamente na sua visão do mundo, quiçá nas suas atitudes.

Se você está no início do processo de se tornar resiliente, ter pessoas negativas e tóxicas ao seu redor não ajuda.

Prezar por relacionamentos saudáveis significa construir uma rede de apoio mútuo: você apoia as pessoas e elas te apoiam em troca, um ajuda o outro a levantar.

E o Erico fala muito de como controlar o seu ambiente torna os seus objetivos muito mais fáceis de alcançar.

Por exemplo, se você está de dieta, ficar perto de quem quer comer pizza ou hambúrguer todos os dias tem altas chances de te fazer perder o foco.

Por outro lado, fazer dieta ou cumprir um cronograma de exercícios com um amigo do lado é muito mais fácil.

Esse é o poder da comunidade: conversar, botar para fora, ter um ombro amigo te ajuda a lidar com as situações difíceis e encará-las de uma forma positiva.

#8 Deixar a criatividade fluir

A grande sacada é que, como a pessoa resiliente não se trava diante das dificuldades, a sua mente fica livre para ser criativa.

Isso é cientificamente comprovado.

No livro Rápido e Devagar: duas formas de pensar, Daniel Kahneman explica que, quanto mais estressada a sua mente fica, menos criativo você é.

Além de que, deixar a mente fluir aumenta a produtividade e faz com que você pense em soluções criativas no melhor estilo fora-da-caixinha.

#9 Ter persistência e força de vontade

Durante esse texto, eu citei uma frase do filme do Rocky Balboa e aquela parada de apanhar e continuar indo em frente.

Em outras palavras, o obstáculo é o caminho.

Esse é o pulo do gato. Pessoas resilientes lutam em prol de um objetivo, independente dos obstáculos.

Mas que fique claro: não é persistir por persistir, pela teimosia do ato. É persistir em busca de aprendizado e crescimento, ok?

#10 Empatia sempre

Se tem uma coisa totalmente contrária à postura de uma pessoa resiliente, essa coisa é o egoísmo, ou seja, olhar apenas para o próprio umbigo, achar que o mundo gira em torno de você.

Gente com alto nível de resiliência é capaz de se colocar no lugar das outras pessoas para entender o contexto pelos olhos dela, compreender suas dores.

Isso é especialmente valioso para empreendedores por dois motivos:

  1. Te ajuda a ter uma equipe mais unida e confortável em trabalhar para você, porque você será um chefe preocupado com o bem estar dos colaboradores;

  2. Te ajuda a entender profundamente o seu avatar, suas dores e desejos, o que aumenta as chances de saber como se comunicar com ele.

Só vejo vantagens!

#11 Altíssima flexibilidade

Você tem medo de novidades? Se busca a resiliência, não deveria.

Pessoas resilientes são altamente adaptáveis às mudanças, situações e cenários diferentes. Lidam bem com imprevistos e diferentes tipos de pessoas.

Principalmente para empreendedores digitais, onde tudo muda o tempo todo, ser flexível permite que você acompanhe e se adapte às transformações do mercado.

Com isso, aumenta consideravelmente as chances do seu negócio crescer.

#12 Focar no que é importante

Por fim, mas não menos importante: você pode se tornar uma pessoa resiliente ao diminuir decisões pouco significativas e se focar em ações que realmente vão fazer a diferença no seu dia.

Apagar incêndios todos os dias, o dia todo, tira o seu foco. Isso consequentemente diminui a produtividade e a autoestima porque você sente que faz, faz, faz e não chega a nenhum resultado real.

Afinal, como diria Seth Godin (um grande especialista em marketing): estar ocupado é diferente de ser produtivo.

Mas como focar no que é importante?

A primeira coisa é definir os seus objetivos, aonde você quer chegar. É como diria o autor Lewis Carroll: "Se você não sabe para onde está indo, qualquer caminho serve".

Por isso, tenha clareza das suas ambições. Isso vai evitar que você se perca com tarefas insignificantes para concretizar seus objetivos.

Junte sua resiliência a isso para conquistar clientes

Junte sua resiliência a isso para conquistar clientes

Se você é um empreendedor, sabe que essa jornada não é um mar de rosas boa parte do tempo. Por isso, a resiliência é tão importante.

Principalmente quando o assunto é superar os obstáculos para conseguir mais clientes e aumentar suas vendas. Ótimo!

Mas existe outra coisa que facilita muito esse processo de conquistar clientes: uma landing page personalizada e de alta conversão.

Assim, você consegue o contato (de preferência o email) dos seus potenciais clientes. A partir daí, você desenvolve um relacionamento duradouro que pode resultar na compra do seu produto ou serviço.

Não sabe como criar uma landing page? O Klickpages é o seu melhor aliado nessa hora.

Veja como é simples, são apenas três passos:

  1. Escolha seu modelo: há opções de alta conversão comprovada através de testes;

  2. Customize a página: depois, edite os textos, as cores e as imagens, além de ocultar elementos que pouco agregam.

  3. Publique: por fim, é só publicar no seu próprio domínio, sem custos adicionais de hospedagem.

Conclusão

Conclusão o que é resiliência

Ser resiliente é o mesmo que se tornar uma pessoa antifrágil, porque esse é o tipo de pessoa que usa os obstáculos e dificuldades como oportunidades para crescer.

São pessoas que a cada “porrada” da vida, se tornam mais fortes e melhores.

Você viu que o grande benefício da resiliência é te tornar imparável: nenhum problema será grande o suficiente para te desviar do seu objetivo.

Eu te mostrei 12 características de empreendedores altamente resilientes, como focar no mindset de crescimento, não ter medo de sair da zona de conforto, cultivar a autoestima, ser persistente e altamente flexível.

Pronto! Agora é botar a mão na massa.

Por fim, eu deixo uma pergunta para você: está prontíssimo para se tornar um empreendedor antifrágil? Me conta aqui nos comentários. wink

COMPARTILHE NAS REDES SOCIAIS!

Sobre o Autor

Nathalia Melo

Na identidade é Nathalia, mas pode me chamar de Nath. Faço parte do time de conteúdo do Klickpages e me amarro em escrever sobre marketing digital e empreendedorismo. Pratiquei circo por três anos, agora me aventuro no levantamento de peso olímpico e adoro assistir jogos de basquete (por isso o tanto de analogia com esporte nos meus artigos). No time de conteúdo, sou a "mãezinha" da galera. No fone de ouvido, sou uma senhorinha de 80 anos. Na vida, converso sobre assuntos aleatórios, desde composição de shampoo até o sentido da existência humana.

Se você quiser ler outros conteúdos meus é só clicar aqui ;)