O que é CTA (Call to Action), porque é importante e exemplos

O que é CTA (Call to Action), porque é importante e exemplos

Você talvez já domine vários termos no marketing digital, mas CTA o que é?

Tenha em mente que essa pequena sigla faz uma grande diferença na sua estratégia, seja ela qual for.

Como você vai ver neste artigo, entender o que é CTA no marketing é decisivo para conduzir o usuário de seu site, blog ou redes sociais a interagir da forma desejada.

Se ele não clica em um link ou banner, talvez seja por uma chamada ruim.

Caso não faça o download do material rico que disponibiliza, pode ser culpa de um CTA mal feito.

E se ele não curte a página ou não a compartilha, quem sabe não seja pela ausência de um convite que o incentive a fazê-lo?

Mas, afinal, quando falamos nesse tal CTA, o que é preciso saber?

Está curioso para descobrir?

Então, siga a leitura, veja exemplos de CTA, entenda a importância dele e use esse artifício a seu favor.

Você pode e deve explorar seu conteúdo para atrair clientes, vender produtos ou serviços e agregar valor à sua marca.

O que é CTA?

O que é CTA?

CTA é Call to Action, uma expressão em inglês que indica uma “chamada à ação”. Sua função é convidar o usuário que consome seu conteúdo a dar um próximo passo, que vai desde uma interação simples até realizar uma compra.

Esse é um recurso indispensável no marketing digital, pois faz parte da estratégia de monetização de qualquer projeto. Ou seja, de ganhar dinheiro com ele.

Há vários tipos de CTAs, que se adaptam conforme o objetivo da ação desejada e o público-alvo dela, entre outros fatores.

Sempre que você quiser fazer um convite ao leitor do seu blog, ao visitante do seu site ou ao usuário de suas redes sociais, você o fará por meio de um Call to Action.

É por meio do CTA que você conduz o público a realizar o movimento que dele espera.

Mas por que você deve se preocupar com isso?

Vamos explicar.

Por que ele é importante?

Por que ele é importante?

Um CTA cumpre função fundamental na sua estratégia de marketing para gerar conversões. Em outras palavras, ele é importante porque é desse recurso que depende a tomada de ação do usuário.

Para entender melhor, exemplos sempre ajudam.

Imagine, então, que você queira lançar um e-book como isca digital para captar o e-mail do visitante de seu site ou blog.

Agora, compare a chance de sucesso das seguintes alternativas:

  1. Colocar um link para o material sobre uma palavra qualquer em meio ao texto

  2. Criar um texto convidativo, curto e objetivo, instigando o usuário a clicar em determinado link

  3. Inserir uma imagem ilustrativa em meio ao texto, com um link sobre ela, indicando o download do material ali.

Descartou a opção 1 e ficou em dúvida entre as alternativas 2 e 3?

Muito bem! Você já sabe reconhecer e valorizar um CTA.

As duas últimas opções se referem a formas diferentes de elaborar um Call to Action, mas com um mesmo objetivo.

Em ambas, o CTA é posicionado de forma a convidar o usuário à ação.

Se esse convite não estiver claro, como no caso de um link “escondido” em meio ao texto, você perde a oportunidade de conduzir o usuário a realizar o movimento que tanto deseja.

Agora, se você se pergunta como escolher qual deve ser o CTA a utilizar, saiba que isso depende de algumas variáveis.

A primeira e mais importante delas é o objetivo, mas não sem considerar ainda características do seu público, é claro.

Mais à frente, falaremos com detalhes e apresentaremos dicas para definir o Call to Action ideal.

Por enquanto, precisamos entender quais são os tipos de CTAs com o quais você pode trabalhar na sua estratégia digital.

Vamos lá?

Tipos de Call to Action

Há quem defina um Call to Action como um link.

Não está de todo errado, mas é uma visão simplista e incompleta sobre o que é CTA.

É verdade que o link aparece na imensa maioria dos casos de convite à ação do usuário, mas ao conhecer os tipos de CTAs, você vai perceber que eles vão muito além disso.

Botões

Tipos de Call to Action

Os botões costumam estar presentes na home de um site, ou seja, na sua página inicial.

Eles são utilizados geralmente para direcionar o usuário a uma área específica, de acordo com o seu interesse.

Se você acessa um portal de saúde, por exemplo, pode se deparar com dois botões do tipo “sou médico” e “sou paciente”.

Além do direcionamento, um Call to Action por botões pode cumprir outras funções.

O download de um material rico, como um guia ou infográfico, é um bom exemplo.

Como característica, o botão é sempre bastante objetivo, com texto curto e direto.

Banner

Banner

Um banner pode aparecer em seu site, blog ou mesmo em redes sociais.

Ele é ligeiramente mais denso que um botão, pois traz mais conteúdo, geralmente atrelado a imagens.

Um fato interessante do banner é que ele não possui posição e nem formato fixos. Pode estar na forma de anúncio na área lateral do site, por exemplo.

Também pode ser inserido em meio ao texto de um post, mesmo que seu conteúdo não seja exatamente relacionado ao que está sendo abordado no artigo.

Por essa característica, um banner utilizado como CTA sempre traz a sua própria contextualização. Em geral, isso se dá através de uma frase convidativa.

Ao clicar em qualquer área do banner, o usuário é direcionado à área que o Call to Action apresenta, que pode ser uma página de compra, um formulário a preencher ou um material rico a baixar, entre outras possibilidades.

Texto

Texto

Não é segredo para ninguém que, dentro de uma estratégia de marketing de conteúdo, o texto cumpre função chave para convidar o leitor a realizar uma ação.

Não seria um erro, portanto, considerar determinado artigo como um grande Call to Action.

Conceitualmente, no entanto, o CTA textual costuma aparecer no fechamento de um post, quando o convite à ação do usuário aparece de forma mais clara.

Os exemplos mais comuns são aqueles nos quais se estimula o leitor a deixar um comentário sobre o artigo ou mesmo compartilhar o material em suas redes sociais.

Repare que, para isso, você usa apenas as palavras como poder de convencimento.

Não há link algum, mas nem por isso a estratégia deixa de valer como um Call to Action.

Links em texto

Links em texto

Já quando o texto sobre o qual acabamos de falar apresenta links, aí estamos nos referindo a este outro tipo de CTA.

Basicamente, ele é construído da mesma forma que o anterior, com uma linguagem persuasiva, instigando o público de acordo com as suas características e interesses.

Mas a ação propriamente dita nesses casos se dá a partir da inserção de links.

Pode ser algo no sentido de “clique aqui” para baixar um determinado material, para conhecer uma seção do site, para assinar uma newsletter, para solicitar orçamento, entre outras ações.

Um aspecto interessante sobre essa estratégia é que ela pode ser utilizada em qualquer ponto do artigo, e não apenas no fechamento dele.

Sempre que surgiu a oportunidade de convidar o leitor à ação, lá pode estar um CTA materializado por um link.

Como escolher o Call to Action certo?

Texto, links, botões, banners… As opções estão aí, são variadas e se aplicam de diferentes formas a estratégias variadas.

Se você não sabe bem como definir o CTA ideal para cada situação, não se preocupe.

Embora dependa dessa resposta para o sucesso de suas ações no marketing digital, encontrá-la é muito menos difícil do que imagina.

Basicamente, isso depende de seguir os três passos a seguir.

1. Considere o estágio do funil de vendas

Considere o estágio do funil de vendas

Caso não conheça o termo funil de vendas, visualize a imagem de um funil.

No topo dele, está o seu público-alvo.

Abaixo, vêm os leads, que correspondem a parte do público que já o conhece e tem algum interesse em seus produtos ou serviços.

Depois, aparecem os leads qualificados, que estão em estágio avançado para concretizar o processo de compra e precisam, geralmente, apenas de um “empurrão” ou da oportunidade perfeita para isso.

Por fim, na base do funil, estão aqueles que já fazem parte da sua carteira de clientes e cuja necessidade é de manutenção e fidelização.

Pronto: você identificou os quatro estágios básicos do funil de venda.

Parece claro que cada um deles exige um Call to Action diferente, concorda?

Não dá para usar um CTA no estilo “conheça nossa empresa” para quem já comprou de você.

Cada etapa do funil pede um tratamento específico. Eis o desafio.

2. Saiba quem é seu público

Saiba quem é seu público

Quem é sua persona?

Se não sabe responder, precisa descobrir com urgência.

Esse é o termo utilizado no marketing digital para identificar um perfil (ou perfis) de clientes, conforme suas características.

Entre elas, estão gênero, idade, escolaridade, faixa de renda, hábitos e interesses.

Tudo isso ajuda a entender não só quem é o seu público e no qual deve focar, mas também o que ele deseja.

Essa é uma definição imprescindível para o sucesso de qualquer empresa.

E na hora de elaborar um CTA, não é diferente.

Ao estudar seu público, você pode descobrir, por exemplo, que um Call to Action no formato de banner simplesmente não gera conversões.

Se for o caso, por que insistir nele?

3. Escolha o formato do CTA

Escolha o formato do CTA

Aqui, temos a etapa derradeira da definição do CTA a utilizar.

Conhecendo seu público e inserindo a persona no estágio adequado do funil de vendas, resta apenas identificar o formato de Call to Action que melhor se aplica às duas características.

Pense, por exemplo, em um CTA estritamente textual.

Se a sua persona é uma mulher, pós-graduada, classe A ou B, que valoriza a qualidade, você não irá oferecer a ela um e-book sobre como comprar roupas baratas, tampouco investir em um CTA com essa abordagem, concorda?

Seja metódico nessa definição.

Não tenha receio de dedicar tempo para construir a estratégia ideal.

Assim, você não estará perdendo minutos preciosos, mas poupando-os para que, mais à frente, não seja preciso corrigir o rumo e refazer por completo sua estratégia.

Defina o objetivo do Call to Action

Defina o objetivo do Call to Action

Ao considerar tudo o que já aprendeu até aqui sobre o que é CTA, tipos de Call to Action e fatores a considerar na sua escolha, resta saber de que forma utilizar o recurso.

Como você vai ver, são várias as possibilidades de aplicação de um CTA na sua estratégia de marketing digital.

A construção dele vai considerar tudo o que sabe sobre o seu público, mas não pode fugir de um objetivo pré-determinado.

Afinal, se Call to Action significa chamada à ação, você precisa definir antecipadamente qual ação será essa.

Responda: o que você deseja que o usuário faça?

Vamos conhecer algumas possibilidades.

Gerar tráfego

No marketing de conteúdo, uma estratégia importante é o uso de links internos. O convite à leitura de outro artigo do blog ou de outra seção do site é um tipo de CTA voltado à gerar tráfego.

Inscrições em uma newsletter

Uma boa maneira de nutrir leads é mantê-los informados sobre novidades a respeito da sua marca ou empresa. Para isso, convidá-los a assinar uma newsletter é opção interessante.

Fazer um download

Fazer um download

A oferta de conteúdo grátis é uma das mais poderosas armas para manter um lead e qualificá-lo no funil de vendas. Use CTAs para que ele possa baixar materiais ricos, como infográficos, guias e e-books.

Direcionar para uma landing page

A landing page é utilizada quando o usuário “morde” a sua isca digital. Você disponibilizou um e-book, por exemplo, e, ao clicar no link, ele é direcionado a essa página, onde registra os seus dados de contato.

Compartilhamentos, curtidas e comentários nas redes sociais

Compartilhamentos, curtidas e comentários nas redes sociais

Toda forma de interação é válida, especialmente quando positiva para a sua empresa. Sempre que o usuário demonstra engajamento, ele “anuncia” a pessoas da sua rede o valor da sua marca. Não deixe de convidá-lo a fazer isso a partir de um bom CTA.

Assistir um vídeo

Assistir um vídeo

Pode ser para sedimentar o aprendizado, complementar um conteúdo, fazer um lançamento, uma apresentação ou demonstração. Seja qual for o objetivo, o Call to Action é que pode garantir que ele seja alcançado.

Participar de um evento

Um evento não necessariamente significa um seminário ou palestra, por exemplo. Pode ser um webinar, uma espécie de videoconferência que reforça a sua autoridade em determinado assunto. Nesses casos, use o CTA para atrair o público.

Responder uma pesquisa

Responder uma pesquisa

É muito importante conhecer o seu público e seguir monitorando seus hábitos e interesses. Você precisa saber o que gera satisfação e o que causa descontentamento nele. Então, que tal convidá-lo a responder uma pesquisa? Capriche no CTA.

Exemplos de CTA

Vamos conferir agora como importantes marcas e empresas vêm trabalhando as diferentes formas de construir um Call to Action

Fórmula de Lançamento

Veja na imagem abaixo que o site Fórmula de Lançamento apresenta já na sua página inicial um convite à ação para participar de um workshop online e gratuito.

A estratégia utilizada nesse caso é a de um botão, acompanhado da frase “Quero participar desse workshop”.

Ao clicar nele, o usuário é remetido a uma tela onde registra o seu e-mail. Ao fazê-lo, se torna mais um lead para o site.

Fórmula de Lançamento

Erico Rocha

O site do empreendedor digital Erico Rocha também possui um CTA em forma de botão logo na home, utilizado para convidar o usuário a baixar um e-book.

Já em seu blog Inginição Digital, ele recorre tanto ao formato de banner quanto ao de link no texto, como podemos ver na imagem abaixo.

No link do exemplo, ele usa o CTA para gerar tráfego. Já no banner, mais uma vez, convida a um download.

CTA Erico Rocha

Spotify

A página na web do aplicativo de streaming de áudio Spotify é mais um clássico exemplo de uso do CTA através de botões.

Logo de cara, o usuário é convidado a decidir se quer usar o app em sua versão grátis ou premium, com recursos adicionais. É o que vemos na imagem abaixo.

Se rolar a página, ele chegará novamente a dois botões com a mesma função.

O interessante aqui é que o CTA através do botão direciona o usuário para uma área de cadastro. Ou seja, o Spotify não coleta apenas o seu e-mail, mas pede vários outros dados pessoais para criar uma conta.

Spotify

Netflix

Outro serviço de streaming, o Netflix é outro adepto do botão de CTA em sua página inicial. A estratégia é clara: convidar o leitor a assinar o serviço por um mês, sem nada pagar por isso.

Em uma só frase, com apenas quatro palavras, esse Call to Action consegue instigar o leitor a experimentar o serviço e seus recursos completos (não uma versão limitada).

Netflix

Trello

Por fim, vamos falar do Trello, que apresenta em sua home uma relação de diferentes botões com CTAs de objetivos variados.

Tem o botão para cadastro grátis, outro para fazer um tour por suas funcionalidades e mais um para conferir os aplicativos disponíveis para uso da ferramenta em plataformas diversas.

Além disso, em seu blog, além dos botões de CTA, o Trello recorre também a banners, como o da imagem abaixo, onde convida o usuário a participar de um webinar.

Trello

Como saber se o CTA deu resultado?

Como saber se o CTA deu resultado?

Agora que já sabe o que é CTA e suas formas de utilização, você está quase pronto para começar a convidar o usuário a agir em seus projetos.

No entanto, não se esqueça que no marketing digital medir é uma exigência.

A métrica mais comum aplicada ao CTA é o chamado CTR, que em inglês significa Click-through Rate, uma Taxa de Cliques sobre a ação.

Basicamente, ela responde quantas pessoas clicaram no CTA entre todas aquelas que tiveram contato com ela.

Mas como consigo essa informação?

A maneira mais prática é através do Google Analytics. Se ainda não conhece a ferramenta, vale experimentar.

Ela traz todos os dados que você precisa.

Em seguida, basta a você elaborar a sua estratégia em cima dos resultados.

Uma boa prática é realizar testes A/B, que consistem em comparar o desempenho de dois CTAs diferentes, criados para o mesmo objetivo.

Dessa forma, você sabe onde acertou e por que errou. Assim, consegue ajustar sua construção até atingir a solução mais próxima do ideal.

Conclusão

Conclusão CTA

Falamos neste artigo sobre o Call to Action, explicando a importância do CTA, o que é possível obter a partir dele em termos de resultados e os aspectos a considerar na sua construção.

Agora que tem informações suficientes para enriquecer a sua estratégia de marketing digital, não deixe de refletir sobre o seu público-alvo e os objetivos de cada ação.

Quanto mais direcionado for o CTA, mais preciso ele será para conversar com suas personas e, assim, melhores tendem a ser seus resultados.

Só não esqueça de monitorá-los. Afinal, aquilo que não pode ser medido não pode ser melhorado.

COMPARTILHE NAS REDES SOCIAIS!

Sobre o Autor

Hugo Rocha é co-fundador da Ignição Digital e do Klickpages. Já atuou diretamente nos bastidores dos maiores lançamentos digitais do Brasil. Atualmente está a frente da equipe de tráfego e crescimento da Ignição Digital e Klickpages liderando pessoalmente mais de R$ 4 milhões de reais em investimento em tráfego nos últimos 12 meses com ROI acima de 300%.