Marketing viral: o que é, vantagens, desvantagens e exemplos

Marketing viral: o que é, vantagens e exemplos

Que tal impactar um público de milhões sem precisar comprar espaço na mídia?

Parece uma ótima forma de alavancar seus negócios e expor a sua marcar, certo?

Você pode conseguir esse feito com o marketing viral.

A estratégia é bastante conhecida. Provavelmente você já deve ter visto e compartilhado algum conteúdo viral pelas redes sociais.

Mas saberia dizer exatamente o que ele é?

Não se preocupe, ao longo deste artigo você vai poder entender tudo sobre o que é marketing viral, as vantagens de investir nessa estratégia e exemplos que fizeram sucesso.

Boa leitura!

O que é marketing viral?

O que é marketing viral?

Marketing viral é uma estratégia focada na criação de uma peça ou campanha com alto grau de compartilhamento, ou seja, viral.

Apesar de vírus normalmente não significar algo bom, o termo viral faz referência a forma com que acontece a propagação de um vírus.

A ideia é criar um conteúdo criativo e impactante, e atingir a maior audiência possível de forma rápida, por meio do compartilhamento espontâneo da mensagem, assim como o efeito epidêmico de um vírus

A estratégia passou a ser mais utilizada com o surgimento das redes sociais. Mas a primeira ação de marketing viral é atribuída ao Hotmail.

O serviço de e-mail incluía uma mensagem obrigatória no fim de cada e-mail enviado por seus usuários que dizia:

“Hotmail: Powerful Free email with security by Microsoft. Get it now”.

A tradução seria algo como “Hotmail: e-mail poderoso e gratuito com a segurança da Microsoft. Faça um agora”.

Vamos imaginar que uma pessoa envie e-mails para 10 outras pessoas. Estas 10, por sua vez a retransmitem a mais 10, e assim sucessivamente

No fim do dia, a Microsoft conseguia, sem custo e com pouco esforço, alcançar e “infectar” um grande número de pessoas com a sua mensagem.

E essa é a ideia do marketing viral: fazer com que as pessoas compartilhem um conteúdo de forma espontânea, sem exigir um grande esforço por parte do público ou da empresa.

Com essa simples mensagem e oferecendo um produto gratuito, o Hotmail se tornou um dos serviços de e-mail mais usados no mundo.

Marketing viral x buzz marketing

Marketing viral e buzz marketing

Quando se fala de marketing viral também é comum ouvir sobre o buzz marketing.

Apesar de muitos acharem que são a mesma coisa, as estratégias são levemente diferentes.

Buzz significa burburinho. Então, o objetivo do buzz marketing é gerar impacto nas pessoas, deixá-las animadas com a ação de um produto ou serviço e fazer com que elas falem sobre isso. A ideia é criar o buzz.

E a principal diferença do buzz para o marketing viral está na mensagem.

O marketing viral está mais preocupado em contar uma história e passar uma mensagem com maior significado que vai além do produto ou serviço da empresa.

Já o buzz marketing quer criar uma espécie de caos, chamar a atenção imediata nas pessoas, sem a intenção de passar uma mensagem específica.

O importante para a estratégia do buzz é provocar reações no público, boas ou ruins, assumindo até o risco de gerar reações controversas.

Agora você já pode planejar sua estratégia sem confusões.

Estrutura da estratégia de marketing viral

Estrutura da estratégia de marketing viral

Uma peça ou campanha de marketing viral, assim como qualquer outro tipo de publicidade, não se resume apenas ao conteúdo.

Existe um conjunto de decisões e ações que vão dar suporte ao conteúdo e ajudá-lo a se tornar viral.

Isso é, a estratégia precisa de um estrutura para ajudar a peça a ter grande sucesso. youtube

Vamos ver quais são os elementos fazem parte desta estrutura!

A peça viral

Esse é, claro, o elemento básico do marketing viral.

É a peça elaborada com a intenção de gerar a viralização. Ela é a essência da estratégia, é o que carrega a mensagem.

O formato da peça vai variar de acordo com o objetivo do planejamento e do público que se deseja alcançar.

Pode ser uma imagem, game, aplicativo ou até um site, por exemplo. Hoje, é muito comum os virais serem feitos em vídeo.

Um exemplo muito bom de peça viral é o Take This Lollipop, filme interativo e aplicativo do Facebook.

A ação, criada por um cineasta norte-americano, nasceu com a intenção de alertar as pessoas sobre o compartilhamento excessivo de informações pessoais nas redes sociais.

Para assistir ao vídeo, era preciso permitir o acesso a sua conta do Facebook.

Depois, o filme usava as informações do perfil do usuário para trazê-lo para dentro do filme de terror.

O filme/aplicativo foi primeiramente postado no YouTube e com apenas 24h alcançou mais de 400.000 visualizações. Já no Facebook, recebeu cerca de 30.000 curtidas.

Mas a peça viral não precisa ser única, pode ser também um conjunto de peças, como uma sequência de vídeos ou imagens.

A rede de distribuição

Estrutura da estratégia de marketing viral: rede de distribuição

O meio pelo qual a peça viral será transmitida se chama rede de distribuição, ou propagação.

É o suporte físico da peça e também por onde as pessoas vão transmitir e compartilhar a mensagem.

O ideal é que o meio em que a peça será distribuída seja gratuito, de fácil acesso e que não exija um grande esforço por parte do público para fazer o compartilhamento.

Como a mensagem deve ser repassada de internauta para internauta, as redes sociais são as melhores plataformas de propagação.

Você pode escolher mais de um meio para distribuir a mensagem, é claro, principalmente se for um conjunto de peças.

Semeadura

Com a peça pronta, é hora de implantá-la nos pontos chaves da rede de propagação.

Na semeadura você vai escolher como e onde começar a distribuir a peça, se em apenas um meio ou mais de um, por exemplo.

Essa decisão, sobre como e onde começar, é muito importante para o sucesso da campanha de marketing viral.

Não adianta implantar a peça em um meio que a sua empresa consegue atingir poucas empresas, por exemplo.

Porque, quanto maior o público inicial, maior a chance de números de compartilhamento.

Escolher uma rede com número alto de seguidores evita, também, a rápida saturação do público-alvo.

Mas, vale lembrar, que a semeadura também não é uma garantia de que a peça viral vai se propagar.

Complemento

Para dar uma maior continuação a vida do seu viral, você precisa de complementos.

São outros conteúdos que vão continuar a prender a atenção do público.

Pode ser um vídeo making off da campanha ou uma playlist com músicas que tenham a ver com o tema da peça, por exemplo. Existe uma infinidade de possibilidades.

A marca de produtos de higiene Dove, por exemplo, é famosa por campanhas virais.

Há alguns anos a empresa passou a adotar uma posição de marca voltada para o empoderamento feminino.

Além de criar vários vídeos virais com o tema, atingindo a marca de mais de um milhão de visualizações em alguns, a marca também mantém uma área no seu site chamada Dove Self-Esteem Project.

Lá eles oferecem conteúdos complementares, como artigos direcionados a mulheres de diferentes idades, além de todas as campanhas já criadas com o projeto.

Assim eles continuam alimentando o “vírus”. Então, tente pensar em formas manter o conteúdo vivo.

Como fazer marketing viral

É fato que alguns virais dão mais certo do que outros.

Mas não existe uma fórmula que vai garantir o sucesso da sua campanha de marketing viral.

Fórmula é algo exato e que dá um resultado preciso toda vez, e você não tem como prever se o seu plano vai dar certo.

Entretanto, existem alguns elementos que ajudam a formar um grande viral.

Não necessariamente todo plano de marketing viral tem esses seis elementos.

Mas quanto mais deles você conseguir usar no seu plano, mais poderoso ele será.

1. Distribua de maneira gratuita e não restrinja acesso

Como tornar um conteúdo viral: distribua de graça

Não existe conteúdo viral que não seja gratuito.

Seja uma grande campanha, que exige alto investimento, ou um simples vídeo gravado com o celular, o produto viral tem que ser entregue de graça para o público.

Fazer o público pagar para ver seu conteúdo dificulta a viralização da mesma forma que pagar por um espaço de mídia.

Oferecer um conteúdo por preço muito baixo, pode gerar o interesse de muitas pessoas.

Mas oferecer de graça vai gerar um interesse muito maior e mais rápido.

E mais importante do que isso, não restrinja o acesso ao seu conteúdo!

A única coisa que você quer é que o seu viral seja compartilhado pelo público de forma livre e espontânea.

Então não peça nada em troca, como o e-mail da pessoa, ou até mesmo que ela baixe um software especial.

Permita também que qualquer pessoa possa modificar, traduzir ou transformar o conteúdo. Deixe ele livre para que o público contribuir para a sua criação.

2. Escolha um meio que não exige esforço

Como tornar um conteúdo viral: escolha um meio que não exige esforço

Vírus só se espalham se eles são fáceis de transmitir.

Por isso o meio que você escolhe para soltar o seu vírus precisa ser fácil para transferir ou replicar o conteúdo.

Comunidades e fóruns de discussão, redes sociais e e-mail são alguns desses meios.

Essas plataformas são perfeitas porque foram pensadas exatamente para o compartilhamento de conteúdo e informações.

Logo, o usuário não precisa fazer um grande esforço para repassar seu viral. Bastar clicar em um botão, por exemplo.

A outra vantagem desses meios é que eles são gratuitos. Você não precisa pagar para distribuir o seu conteúdo

Nem você deveria ter que pagar por espaço de mídia. Marketing viral não é uma propaganda convencional.

Meios pagos restringem a possibilidade de um conteúdo se tornar viral, já que o público não consegue compartilhar com outras pessoas.

Por isso o marketing viral funciona tão bem na internet, porque comunicação instantânea é simples, barata e não exige um grande esforço.

3. Explore emoções e produza algo surpreendente

As motivações e os comportamentos pessoais de cada um são a chave para uma boa peça viral.

Isso porque pessoas são movidas por emoções e vontades e, para que a sua estratégia de marketing viral dê certo, o público precisa sentir algo.

Medo, felicidade, espanto, amor, ou qualquer outra emoção.

Então não tente ficar em cima do muro, ou passar uma mensagem neutra. O objetivo é despertar a reação do público e surpreender.

E isso não é fácil, é preciso entender o seu público e pensar fora da caixa para se esquivar das estratégias e ideias que geralmente orientam suas campanhas de marketing.

Em 2014, a Heineken lançou uma campanha chamada “The Odyssey”. A ideia era mostrar que todo consumidor possui um talento real.

Entre malabarismos e danças, é possível perceber que tem algo diferente no vídeo. Mas só no fim a surpresa é revelada.

Esse é um ótimo exemplo de como fazer diferente.

4. Não faça propaganda, conte uma história

Como tornar um conteúdo viral: conte uma história

Lá no começo deste artigo falei que o marketing viral está preocupado com a mensagem que vai passar.

Isto é, ele não quer vender um produto ou serviço, quer contar uma história.

Histórias bem narradas são a melhor forma de envolver o público na mensagem que você quer passar.

Segundo pesquisas, nossos cérebros se tornam mais ativos quando ouvimos uma história.

Além da parte da linguagem, o cérebro ativa áreas que seriam usadas caso nós estivéssemos vivendo a situação contada.

Isso quer dizer que histórias mexem com as nossas memórias e emoções.

Outra vantagem é que contar uma história é uma das melhores formas de reter informação.

E você quer ser lembrado no momento em que seu público estiver pronto para tomar a ação, certo?

5. Aproveite o marketing viral para fazer posicionamento de marca

É muito comum ver empresas que se utilizam do conteúdo viral para fazer um posicionamento de marca.

A Red Bull, por exemplo, é uma empresa que tem um forte posicionamento e já produziu uma série de conteúdos virais com esse objetivo.

A marca queria ser associada a pessoas, radicais, aventureiras e destemidas. E para dar esse salto, eles passaram a patrocinar Felix Baumgartner, um paraquedista que estava treinando com cientistas para pular do espaço.

Em 2012, Felix conseguiu realizar este pulo em queda livre e a Redbull registrou todo o processo e transformou em um conteúdo viral.

Hoje o vídeo tem mais de 3 milhões de visualizações no YouTube.

Em nenhum momento a marca tentou vender os seus energéticos. Apenas contou a história de preparação e realização do sonho de um paraquedista.

6. Não esqueça do ciclo de vendas do seu produto ou serviço

Esse tópico pode parecer estranho, uma vez que expliquei como o marketing viral não é sobre o seu produto.

Porém, isso não impede que o seu produto esteja presente na estratégia e no conteúdo.

Se esse for o caso, é preciso estar preparado para não ficar em falta com a necessidade do consumidor e acabar oferecendo algo que ele não pode ter, algo que só existe no viral.

Vai mostrar algum dos seus produtos ou serviços no conteúdo? Tenha certeza que ele estará disponível para o público adquirir.

Não adianta propor uma venda, mesmo que de forma sutil, e não conseguir atender à demanda.

Marketing viral é sobre potencializar a sua marca, então esteja preparado para um grande retorno do público consumidor.

Vantagens do marketing viral

Vantagens do marketing viral

Até aqui você já entendeu melhor o que é marketing viral. Mas sabe dizer por que investir nessa estratégia?

A resposta é bem simples!

Uma vez que o conteúdo consegue se tornar viral, as chances da sua marca se popularizar e, de quebra, ganhar mais clientes aumenta.

Os compartilhamentos da peça viral também funcionam como uma espécie de recomendação, e isso também é responsável por ajudar a elevar o número de conversões.

Pesquisas dizem que a recomendação de uma marca ou produto por uma pessoa conhecida influencia mais na nossa decisão de compra do que uma propaganda.

E, quando você compartilha um conteúdo viral, você está dizendo aos outros que gostou do que viu e quer que outros também vejam e conheçam.

Por fim, mas não menos importante, essa é uma estratégia que requer pouco investimento, uma vez que não é preciso pagar por espaço na mídia.

O foco é obter compartilhamentos orgânicos.

Desvantagens do marketing viral

Como nada é perfeito, também existem algumas desvantagens na hora de produzir um viral.

Por ser um conteúdo que tem como propósito evocar a reação emocional do público, então é mais complicado controlar o que as pessoas vão sentir.

O que pode ser algo engraçado para alguém, pode não ser para outro, por exemplo.

A divulgação nas redes sociais, espaços em que cada um pode falar e se expressar da forma que quer, dificultando esse controle sobre a opinião do público.

Ainda por esse mesmo motivo, da implementação da peça ser feita nas redes sociais, é difícil interromper a propagação do conteúdo caso algo dê errado.

A internet permite, e facilita, que os usuários baixem e reproduzam a informação independente da fonte original.

Isto é, por mais que você apague o seu viral, é possível que outras pessoas já tenham armazenado o conteúdo e passem a compartilhar usando seus próprios recursos.

Uma outra desvantagem do marketing viral está relacionada a base de usuários (fãs e seguidores).

Quanto menor o número de pessoas que primeiramente receberão o seu conteúdo, mais difícil será conseguir viralizar.

Mas não quer dizer que é impossível. Ter um grande número de seguidores pode apenas facilitar a viralização.

Exemplos de marketing viral

Não é difícil de encontrar peças ou campanhas de marketing viral pela internet.

Aqui estão alguns exemplos:

1. Bebê sem papel – Itau

Com mais de 15 milhões de visualizações no YouTube, o vídeo do Banco Itaú sobre fatura eletrônica é um dos maiores virais do Brasil.

2. Ocupe seu corpo – Natura

Há alguns anos a empresa resolveu abraçar a ideia do empoderamento do corpo feminino, incentivando as mulheres a aceitarem e gostarem dos seus corpos.

Um dos vídeos da campanha #OcupeSeuCorpo, promovida pela marca, atingiu mais de 1,5 milhões de visualizações no Facebook e cerca de 2.000 compartilhamentos na rede.

Você conhece seu corpo? Vista sua pele. #OcupeSeuCorpo

Posted by Natura on Monday, June 19, 2017

3. A felicidade começa com um sorriso – Coca-Cola

A Coca-Cola Company é bastante conhecida por virais. A sua campanha Escolha a Felicidade é responsável por vários vídeos de sucesso, como esse:

Conclusão

marketing-viral-conclusao.jpg

 

Ao terminar de ler este artigo, fica claro como o marketing viral é uma estratégia envolvente e que traz atenção para a sua marca.

Apesar de não ter uma fórmula certa nem a garantia de que o conteúdo conseguirá se tornar viral, você viu que existem algumas regras para dar um empurrãozinho na viralização.

Agora é colocar a cabeça para funcionar, soltar a criatividade e criar uma peça que emociona o público.

E não esqueça de criar complementos para manter o “vírus” vivo e hospedá-los em uma página de fácil acesso.

Mãos à obra!

COMPARTILHE NAS REDES SOCIAIS!

Sobre o Autor

Hugo Rocha é co-fundador da Ignição Digital e do Klickpages. Já atuou diretamente nos bastidores dos maiores lançamentos digitais do Brasil. Atualmente está a frente da equipe de tráfego e crescimento da Ignição Digital e Klickpages liderando pessoalmente mais de R$ 4 milhões de reais em investimento em tráfego nos últimos 12 meses com ROI acima de 300%.