Marketing de conteúdo: o que é, como fazer e exemplos

Eu tive muitos medos quando comecei a empreender.

O pior deles era de gastar muito tempo e continuar com um marketing sem graça e ignorado por todo mundo. Até que descobri o marketing de conteúdo.

Esse conselho mudou a vida de muitos empresários.

O marketing de conteúdo gera credibilidade, aumenta suas vendas e cria clientes apaixonados pela sua marca.

Ele encanta porque faz isso contando histórias. Produz conteúdo de valor ao falar do interesses do público, de temas relevantes, que provocam.

Ao contrário daquela empresa que olha para o próprio umbigo e só fala de si e dos seus produtos.

No mundo real, imagine que o marketing tradicional é aquele tipo de homem que mal conhece uma moça e já quer levá-la para casa.

O marketing de conteúdo corteja a moça, conversa sobre assuntos do interesse dela, respeita o tempo da pessoa, se mostra alguém diferente dos outros disponíveis no mercado.

Esse modelo encanta porque ele te conduz para uma compra, em vez de te empurrar.

É natural: você prefere ouvir uma boa história de um produto ou escutar novamente aquele anúncio surrado, que insiste em repetir apenas o quanto o serviço é bom e barato?

Por isso que ninguém aguenta mais o marketing tradicional.

Quem aponta isso são os números.

Apenas em São Paulo, mais de 2 milhões de pessoas acionaram o serviço do Procon que impede as empresas de telemarketing de ligarem oferecendo serviços e produtos.

Meio bilhão – sim, bilhão – de pessoas instalaram em seus computadores o Adblock, ferramenta que bloqueia publicidade online.

Mostras de que o público não aceita mais ser interrompido com propagandas enquanto consome um conteúdo. É invasivo e pouco eficaz.

Imagino a voz na sua cabeça: “Ok, o marketing de conteúdo é uma maravilha. Mas deve custar uma fortuna fazer tudo isso, certo?”

Errado. O marketing de conteúdo é 62% mais barato que o tradicional e gera o triplo de leads, de acordo com o DemandMetric.

Sem o marketing de conteúdo, você não vai se destacar nesse mar de informação da publicidade tradicional.

Por experiência própria, quem faz esse tipo de marketing está à frente da concorrência.

Até o fim deste texto, você vai entender o que é marketing de conteúdo, como fazer, os exemplos e os erros mais comuns do mercado.

Não é difícil de aprender.

Você só precisa saber o caminho.

O que é Marketing de Conteúdo?

Uma das minhas maiores referências neste tema, o Copyblogger define assim:

Marketing de conteúdo significa criar e compartilhar conteúdo valioso e gratuito para atrair e converter consumidores potenciais em clientes, e clientes em repetidos compradores. O tipo de conteúdo que você compartilha está relacionado ao que você vende.

Em outras palavras, você está educando as pessoas para que eles saibam, gostem e confiem o suficiente para fazer negócios com você.

Eu resumiria da seguinte forma.

Marketing de conteúdo é a produção de conteúdo interessante e provocante para conquistar o seu público-alvo.

Com o passar do tempo, esse conteúdo de qualidade reforça o relacionamento com os clientes, fortalecendo a sua marca e gerando vendas.

Perceba a sutileza dessa estratégia.

Aos poucos, você constroi a fama de maior autoridade no seu mercado. Afinal, os melhores conteúdos do tema sempre vêm de você.

Quando o cliente se decidir em comprar, ele vai lembrar primeiro de você, e não do seu concorrente.

Na prática, empresas que adotaram esse planejamento começaram a colher os frutos.

O Marketing de Conteúdo traz 2,2 vezes mais visitas e 3,2 vezes mais leads para as empresas que o adotam, segundo a Rock Content.

O mais importante é entender que o marketing de conteúdo te conduz para uma compra, em vez de te empurrar.

Lembre que essa estratégia é de longo prazo. Pois ninguém vira autoridade da noite para o dia.

Um professor precisa de muitos anos dentro da universidade para ser reconhecido como referência no assunto que estuda.

Com a sua marca ocorre o mesmo processo. Produza conteúdo de qualidade por um longo período para ser lembrado pelo seu público.

Mais à frente falaremos da frequência ideal para as postagens, baseados em estudos e casos de milhares de empresas que passaram por essa mesma sinuca.

Para que serve o marketing de conteúdo?

O marketing de conteúdo é tão forte que é capaz de fazer você se solidarizar com causas que nunca pensou em sentir um pingo de simpatia.

Veja um exemplo:

O especialista em marketing digital Érico Rocha conta da vez em que se sentiu conectado com a marca de um banco.

Convenhamos, instituições financeiras não são as marcas que costumamos simpatizar e nutrir muito carinho.

Em vez de vender produtos de capitalização, falar que pratica os menores juros do mercado, o banco preferiu fazer diferente.

Fez um vídeo em que educa o consumidor sobre um tema complicado. No caso, a inflação.

Erico resume: “Isso me fez dar um passo para perto da marca deles”

Me senti conectado com um banco. Antigamente era: abra uma conta.

Agora ele me deu valor, explicou de uma maneira simples uma questão complicada. E no final não vendeu absolutamente nada.

Porque aumentar o número de visitas não é considerado um objetivo do marketing de conteúdo?

Você pode passar anos produzindo conteúdo. Quem sabe até conteúdo diário. Mas se você não seguir as dicas desse texto, não vai adiantar muita coisa.

Digamos que você fez uma chamada interessante, uma foto de impacto. Gerou curiosidade e atraiu muitos cliques.

Mas poucos segundos depois a pessoa fechou a janela e foi embora. Provavelmente não voltará nunca mais.

Aí sua taxa de rejeição vai nas alturas.

O consumidor precisa perceber um valor no conteúdo que você oferece. Se a única mensagem é a intenção de vender, não existe engajamento. E sem engajamento, não há vendas.

Fonte da imagem

Lembre que você tem que produzir um conteúdo que a sua audiência quer ouvir. Quanto mais a sua audiência se identificar, mais impacto você vai conseguir.

Quem percebe isso, deixa os concorrentes para trás.

Um político argentino já falecido era famoso por possuir excelente oratória. Fazia o povo chorar durante horas enquanto discursava para uma multidão.

Uma vez, um secretário próximo perguntou a ele qual o segredo para mexer tanto com a emoção dos argentinos.

“Fale muito das coisas, pouco das pessoas e nada sobre você”

Crie um conteúdo que fale bastante do que interessa ao seu público, e não do que você tem a oferecer.

Vou dar um exemplo da casa. Este blog que você está agora é puro conteúdo. É o relato de tudo que aprendi em muitos anos trabalhando com marketing digital. Esse conhecimento está disponível 100% gratuito para você.

Com material de qualidade que interessa o nosso público-alvo, chamamos a atenção dos potenciais clientes.

A nossa plataforma, o Klickpages, é o produto. Mas o blog é a engrenagem principal desse sistema, fundamental para o futuro da nossa empresa.

5 mil mensagens por dia

Ainda não se convenceu da importância do marketing de conteúdo?

Joe Pulizzi é um dos maiores mentores dessa estratégia no mundo, fundador da Content Market Institute.

Ele estima que recebemos 5 mil mensagens de marketing por dia.

A maior parte delas é marketing tradicional, que aborda o preço ou as vantagens do produto.

Você quer ser apenas mais um no mercado?

Sem o marketing de conteúdo você passará despercebido entre tanta informação.

Agora que você já se convenceu da importância do marketing de conteúdo, vou contar os principais objetivos que você pode alcançar com essa tática.

Vamos lá?

9 objetivos principais do marketing de conteúdo

Ok, conteúdo é o poder. Mas saber apenas isso não te leva para lugar algum.

Toda estratégia de marketing de conteúdo começa com a seguinte pergunta:

“Isso me aproxima do meu objetivo?”

Definir suas metas é o primeiro passo do seu planejamento.

Leia esses 10 objetivos de marketing de conteúdo. Eles vão acabar com qualquer falta de direção no seu planejamento.

1.  Reconhecimento de marca

Vamos fazer um pequeno exercício?

Diga a primeira marca de sabão em pó que vier na sua cabeça.

Aposto que se eu perguntar para outras dez pessoas a resposta será provavelmente a mesma da sua.

No jargão publicitário, esse objetivo tem um nome bonito: Brand Awareness. Quem não sonha em ser a primeira lembrança que o consumidor?

É como se a sua marca ganhasse uma grife. Ao produzir conteúdo de qualidade, as pessoas passam a enxergar você como referência na área.

Colocamos este objetivo em primeiro pois ele é o maior foco de quem trabalha na área: 82% dos marqueteiros no Brasil querem gerar reconhecimento de marca.

2.  Lealdade à marca

Agora imagine que você após ler esse texto, com uma estratégia de marketing de conteúdo bem definida e criativa.

O seu consumidor começa a compartilhar seus posts nas redes sociais. Ele adora o seu conteúdo, comenta com os pais, chega até a contar para os amigos na mesa do bar.

Você o fidelizou, é a primeira lembrança que ele tem no mercado.

Quando esse cliente decidir entrar no processo de compra, quem você acha que ele vai procurar?

Hoje o empreendedor tem dois caminhos: ou produz marketing de conteúdo ou será esquecido pelo público.

3.  Gerar e informar leads

Eu não sei qual é o seu ramo de negócios, o que você quer vender, em qual cidade você mora.

Só tenha uma coisa em mente: gerar leads deve ser fundamental, não importa a estratégia que você adote.

O marketing de conteúdo produz o triplo de leads por dólar investido e 2,2 vezes mais visitas nas páginas das empresas.

Referência em Marketing Digital no Brasil, Erico Rocha compara que fazer negócios online sem leads é como construir uma casa em um terreno alugado.

É com ele que você pode criar campanhas mais direcionadas, com foco específico em parte do seu público-alvo. É um contato direto com o cliente, sem depender de outras plataformas.

Para fisgar esse contato de um potencial cliente, o marketing de conteúdo é o melhor caminho. Seja com oferta de e-books, webinários, cursos, infográficos, e outras formas de gerar leads.

É fácil de entender porque as empresas que adotam marketing de conteúdo geram cinco vezes mais leads em relação às que não usam.

4. Aumentar vendas

Você sabe porque o consumidor acaba comprando de quem fornece de conteúdo de qualidade para ele?

A resposta está com a Psicologia. É um comportamento natural do ser humano.

O gatilho mental da reciprocidade é um dos mais poderosos que você pode usar.

Essa regra afirma que retribuímos da mesma forma que a outra pessoa nos ofereceu.

Quando a sua base de clientes tem acesso a conteúdo de qualidade, na hora de concluir o processo de compra eles vão lembrar de quem esteve ao lado deles.

5. Criar apaixonados da sua marca

Fonte da imagem

Eu tenho impressão que eu vejo essa imagem se repetir todo ano.

Uma fila quilométrica de pessoas que dormiram na porta de uma loja para comprar um celular que acaba de ser lançado.

Isso ocorre quando a empresa cria propagadores, pessoas apaixonadas pela marca.

Um público que atinge um nível de satisfação muito alto e cria uma relação de fidelidade com a sua marca.

Um patamar difícil de alcançar, é verdade. Mas que só é possível com as técnicas de engajamento para o marketing de conteúdo.

E adivinha? A Apple planeja investir mais de US$ 1 bilhão em conteúdo original.

6. Oportunidade de pós-venda

O marketing de conteúdo é o primeiro aperto de mão neste longo namoro entre você e o cliente.

Uma vez ele já te conhece, fica bem mais fácil conquistá-lo de vez.

Essas três estatísticas vão derrubar o seu queixo:

  • É 50% mais fácil fazer negócios com clientes fidelizados em comparação aos novos clientes.

  • Conquistar novos clientes pode custar até 7 vezes mais caro a uma empresa do que manter seus clientes já existentes.

  • De acordo com previsões do Gartner Group, 80% dos lucros futuros das empresas devem vir de apenas 20% de seus clientes já existentes.

7. Reduz custo de aquisição de clientes

Essa métrica indica quanto uma empresa gasta para a aquisição de um novo cliente.

Quem investe em marketing de conteúdo também aumenta o volume de tráfego orgânico. Isso se traduz em novos consumidores que vêm até você sem demandar mais esforços.

Impacto direto com a economia em gastos com o marketing e aumento da base de clientes.

8. Educar o consumidor

Se você é novo no mercado ou traz uma solução inovadora, o seu trabalho ainda é desconhecido do público em geral.

Trazer conteúdo de qualidade é a melhor alternativa para “educar” sobre o seu serviço e as soluções que você está trazendo para o mercado.

9. Liderança de mercado

O marketing de conteúdo entrega a uma marca as credenciais de autoridade.

Ao procurar por uma questão específica, o consumidor procura por informações que possam ajudá-lo a resolver problemas e tomar decisões de compra.

Para as marcas que oferecem conteúdo de valor, os consumidores sempre aparecem.

Planejamento

Não sei se você gosta de jogar dinheiro fora.

Se não for o seu caso, eu vou te mostrar a importância do planejamento para o marketing de conteúdo.

Com tantas ferramentas e possibilidades, é fácil perder a mão e acabar trazendo prejuízos para sua imagem.

Não seja aquela página que irrita a audiência com conteúdos repetitivos. Ou tantas outras que publicam fora do horário correto e deixam de ganhar engajamento.

Vamos juntos que vou te mostrar alguns critérios essenciais para deixar o seu planejamento estruturado.

Defina KPIs

Se você está aqui estudando e investindo seu tempo para aprender sobre marketing de conteúdo, é porque está pensando no sucesso da sua empresa.

Mas o que é sucesso para você?

As metas de uma corporação multinacional são bem diferentes de um empreendedor que está começando agora.

Você deve primeiro definir objetivos plausíveis e alcançáveis. Esse objetivo será a sua bússola que vai guiar todo o seu planejamento e definir o futuro do seu negócio.

Por isso os KPIs são fundamentais.

KPIs (Key Performance Indicator, em inglês) são os Indicadores-Chave de Desempenho. Eles avaliam o sucesso de um projeto em relação aos objetivos estabelecidos.

Se você tem os KPIs, sabe exatamente o que está funcionando e o que não está te ajudando a alcançar seus objetivos.

Veja como esse passo define o destino da sua empresa:

Uma empresa pode focar seu trabalho no Custo de Aquisição de Clientes. Ou entender que diminuir o índice de cancelamento de clientes é mais importante para o momento.

Confira alguns exemplos de KPIs que você pode seguir para mensurar seus resultados:

  • Taxa de conversão de leads

  • Leads qualificados

  • Taxa de Churn

  • Origem do tráfego

Lembre que o KPI depende do objetivo da sua empresa. O que é importante medir para uma, pode não ser para outra.

E não deixe para depois. Para obter melhores resultados, analise seus KPIs desde o início da sua empreitada.

Frequência

Regularidade é um ponto fundamental para o meu blog, e eu quero te mostrar porque ele também vai te ajudar a otimizar o seu conteúdo.

Uma memória forte que tenho da minha infância é a minha mãe assistindo novela à noite.

Minha família não tinha muitos recursos, e uma das diversões da minha mãe era acompanhar de maneira religiosa os capítulos.

Todo dia, no mesmo horário, ela ligaria a TV e um capítulo novo estaria à espera dela.

Entende o tanto que isso é forte para o seu consumidor? Quando você cria essa relação de confiança, o cliente se fideliza com o seu conteúdo.

Hoje eu tenho dias e horários definidos para todos os artigos do blog Klickpages. A minha audiência sabe quando vai encontrar a minha postagem.

Ter regularidade ajuda o consumidor a consumir o seu conteúdo.

Segundo a HubSpot, quem publica mais de 16 posts por mês tem retorno de tráfego 3,5 vezes maior que as empresas que publicaram 0 a 4 postagens no mesmo período.

Mas não force a barra. Poste a quantidade de materiais que você possa manter o controle de qualidade.

Eu produzo artigos de acordo com o meu tempo destinado para essa tarefa, o tamanho da minha equipe e a qualidade do material.

Eu não faço vinte artigos por dia porque não poderia garantir a qualidade de todos os textos.

Tenha isso em mente. Muitas empresas preferem fazer número e perdem clientes por não prezar pela qualidade.

Dica: Estudiosos de marketing digital criaram a “Regra 4-1-1”. É um método de compartilhamentos para redes sociais que tem como objetivo a empresa ganhar visibilidade sem ser invasiva.

Originalmente cunhado por Andrew Davis, o método diz que a cada seis postagens:

  • Quatro devem ser conteúdos de influenciador da sua área que também são importantes para o seu público.

  • Uma peça original sua, que você criou

  • Uma peça relacionada à venda. Um cupom ou anúncio de produto, por exemplo.

Persona

Antes de começar a criar o seu conteúdo, tem uma pergunta que você não pode deixar de fazer:

Qual o meu cliente ideal para receber tudo que eu produzir?

Não confunda com público-alvo! Persona é um jargão marketeiro para definir o cliente perfeito entre todos aqueles que compõe o seu público-alvo.

Já conversamos aqui no blog sobre como criar a sua persona e a importância para a sua estratégia.

O seu planejamento deve focar na persona e no tipo de conteúdo que ela gostaria de receber.

Entender os problemas, as dores e como a sua empresa pode tornar a vida dela melhor. Como e porquê essa pessoa precisa de você.

Não se esqueça de mensurar resultados

Existem diversos tipos de métricas que podem ser utilizadas para medir o sucesso da sua estratégia.

O Google Analitycs é um dos mais utilizados. Ele informa por exemplo a localização do visitante e a forma que ele chegou na página.

Um bom termômetro é ficar de olho nas métricas de relacionamento. Comentários, curtidas, interações e perguntas que os usuários fizeram nos seus canais de comunicação.

Como fazer marketing de conteúdo?

Se você chegou até aqui preocupado com os gastos que isso pode gerar para a sua empresa, fique despreocupado.

Referência mundial em marketing digital, Neil Patel escreveu até um guia explicando como fazer marketing de conteúdo com R$ 0.

Mas qual a melhor plataforma para fazer marketing de conteúdo?

Eu vou mostrar agora as formas que mais entregam resultados e comentar como você pode usar cada uma delas.

Antes, eu preciso que você tenha uma coisa em mente. Porque mesmo apaixonado por marketing de conteúdo eu bati cabeça por muito tempo até aprender isso.

O ingrediente que não pode faltar na receita do seu conteúdo é empatia.

Integrante do conselho de mídia da Forbes, Josh Ritchie define:

“Quando você está pensando em conteúdo, considere o inferno que seus clientes estão tentando escapar, e o paraíso ao qual deseja liberá-los”

Soa dramático, eu sei. Mas é uma boa visão. Você tem que entender a luta do seu público para a ajudar a resolver um problema.

O público vê na sua marca alguém que realmente se importa com os problemas dele e criam um laço de empatia.

Veja quais desses tipos pode encaixar no seu produto.

Vídeos

Você já chegou a um restaurante e viu crianças hipnotizadas na frente do celular?

Fica até estranho aquele silêncio no ambiente.

Isso acontece porque o vídeo é a maneira mais fácil de consumir conteúdo, acessível em tablets e celulares.

O vídeo se consolidou como a maneira que as pessoas mais consomem conteúdo online.

Em 2019, 80% de todo o tráfego na internet será gerado por vídeos.

Para quem pensa em alavancar vendas, é uma ferramenta implacável.

De acordo com pesquisa da Media Button, 85% das pessoas que assistem vídeos sobre um produto ficam propensas a finalizar a compra.

Veja esse exemplo da BlendTec, fabricante norte-americana de liquidificadores.

Eles arrumaram um jeito muito criativo para mostrar que vendem os aparelhos mais resistentes e eficientes do mercado.

A empresa produziu uma série de vídeos em que o liquidificador tritura completamente objetos como celulares, video games e até DVD’s da saga Crepúsculo.

Diverte a audiência mas mostra o poder do produto. É difícil não se impressionar.

O canal da marca no YouTube acumula mais de 285 milhões de visualizações.

Não subestime o poder de um vídeo.

A Tubular Insights descobriu que 71% dos empresários viram melhores conversões em conteúdo de vídeo do que outras formas de conteúdo em seus sites:

O vídeo no marketing de conteúdo é um coringa que pode ser usado em diversas plataformas.

Seja em pequenos vídeos que complementam um artigo no seu blog.

Ou em conteúdos para as suas redes sociais, com vídeos explicativos que engajem o seu público ou até transmissões ao vivo.

Agora que você sabe disso, está proibido de ignorar o vídeo da sua estratégia de comunicação.

Dica: se quiser fugir das dores de cabeça, o Klickpages tem todas as ferramentas para incorporar qualquer vídeo na sua página em segundos, sem complicação.

Blog

O blog é considerado por muitos a opção principal para qualquer estratégia de marketing de conteúdo.

E com a experiência que acumulei em mais de uma década como empreendedor digital, confirmo que essas pessoas estão corretas.

É um canal bem completo para trocar informações com o consumidor e ser encontrado na primeira página do Google (conversaremos sobre isso logo abaixo).

Que profissionais precisam de um blog?

Essa é uma dúvida muito comum entre os nossos clientes.

Muitos profissionais não entendem a importância de trazer o marketing de conteúdo para o seu negócio.

“Hugo, mas eu sou médico, meu conteúdo é muito complexo, o público não entenderia. Como eu posso fazer isso?”

Veja o exemplo desse centro médico localizado em Cleveland, Ohio:

É um hospital que te ensina uma receita super saudável de sopa de quinoa, “perfeita para uma noite gelada”.

E explica porque o açúcar faz tão mal para a saúde do seu filho.

Eles optaram por essa alternativa, em vez daquelas chatices de quantas especialidades oferecem, ou esbravejar que eles têm os melhores médicos da região.

Otimizar texto para Google (SEO)

Seja sincero: qual a última vez que você clicou para ver a segunda página da sua busca no Google?

Já ouvi alguns colegas brincando que o melhor lugar para você esconder um corpo é na segunda página, pois ninguém nunca vai lá.

Pesquisas indicam que a primeira página representa até 95% do tráfego das ferramentas de busca.

Por isso você precisa utilizar as técnicas de SEO no seu blog. Essa estratégia vai permitir que você esteja sempre no topo das buscas.

Já conversei por aqui sobre como o SEO aumenta o número de visitas do seu site, e também o passo a passo para você utilizá-lo.

Recomendo a leitura desses artigos para se aprofundar no assunto.

Agora com você eu irei resumir os pontos principais dessa técnica fundamental:

  • Defina uma palavra-chave:

Para escolher esse termo, tente pensar qual é o seu foco principal e sobre o que a sua audiência estaria procurando.

Quando você digita a palavra no campo de busca, o mecanismo procura o termo em toda a internet e filtra os resultados para mostrar as páginas que falem dessa palavra

  • Título é MUITO importante

É o texto azul que aparece em destaque quando você faz uma busca.

Pense muito bem no título que você escolher para a sua página. Ele é fundamental para o mecanismo encontrar o seu site mais rápido.

Escreva um título curto (não pode passar de 68 caracteres) e que contenha a palavra-chave.

Dica: Coloque o nome do seu site no fim do título. Isso ajuda o usuário a te achar mais fácil entre os resultados.

Uma pessoa que goste do conteúdo do Klickpages, por exemplo (espero que você seja uma dessas pessoas).

Quando ela procurar por conteúdos de marketing e ler o nosso nome, vai se sentir mais inclinada a clicar no nosso link.

  • URL

URL é o endereço do seu site. O segredo aqui é a simplicidade.

Quanto mais simples, os mecanismos de busca encontram mais rapidamente. Lembre, sempre contendo a sua palavra-chave definida.

Olhe ali em cima. No caso dessa página, a URL é:

https://klickpages.com.br/blog/o-que-e-marketing-de-conteudo/

Contém a palavra mais importante que condensa o meu conteúdo.

Redes Sociais

Essa é uma das principais portas de entrada do seu conteúdo.

Basta olhar os números de usuários mensais no mundo de cada uma delas:

Essas plataformas permitem uma infinito de possibilidades e têm boas vantagens para as empresas.

Pesquisas indicam que 72% afirmam que os posts nas redes sociais são o principal formato de conteúdo consumido na estratégia de Marketing de Conteúdo.

É um número muito relevante para se ignorar.

Para o marketing de conteúdo, é um prato cheio. Elas permitem publicação de conteúdo multimídia, misturando texto, vídeos, infográficos, fotos e gifs.

Poucas formas permitem tanta interação com o consumidor, reforçando o relacionamento e a credibilidade da sua marca.

E são meios que rendem tráfego até mesmo para quem não impulsiona o conteúdo.

Dica: Fique atento para produzir conteúdos diferentes para cada uma das redes sociais. Por serem plataformas diferentes, o que vale para o Youtube pode não servir para o Facebook.

Música

Marketing de conteúdo é mais do que palavras.

É também um contexto.

A Solé Bicycles vendeu 15 mil bicicletas em 2017 (aumento de 100% nas vendas) porque criou um conteúdo alinhado com o cotidiano do cliente.

Eles não conseguiam alavancar as vendas com as táticas tradicionais de marketing. O Blog é útil em muitos casos, mas não é a única opção.

A equipe do CrazyEgg chega a ensinar até como fazer marketing de conteúdo sem ter um blog.

A empresa percebeu que ninguém estava gostando muito de ler sobre bicicleta. O assunto estava chato.

Eles chamaram DJ’s para criarem músicas que os clientes gostavam. Músicas que combinavam com um passeio de bicicleta.

Eles enviaram mensalmente para os e-mails dos clientes, disponibilizando a playlist em um serviço de nuvem.

Criaram um conteúdo de muito valor para audiência e o público criou empatia pela marca.

Marketing de conteúdo passa por redes sociais e blog, claro. Mas esteja atento para todas as formas de conteúdo.

Escute sua audiência para descobrir novos desejos que você possa resolver.

Ebooks

Esse é um dos meus preferidos. O eBook é o formato que mais transmite credibilidade à marca.

Afinal, concluir um livro demanda pesquisa, conteúdo denso e autoridade no assunto.

O ebook é muito utilizado por empreendedores digitais para ganhar espaço no mercado, pois oferece uma série de vantagens:

  • Baixo custo de desenvolvimento. Aqui no Klickpages você encontra templates prontos de ebooks para economizar o seu tempo

  • Aprofundar temas relevantes. Nem tudo cabe no post do blog

  • Alto poder de geração de leads.

  • Aumenta tráfego para o seu site

Mantenha esse pensamento com você enquanto olhamos outras formas de se fazer marketing de conteúdo.

Webinários

Imagine quantas palestras você queria ter assistido, quantos seminários poderiam mudar o seu negócio caso você assistisse.

Mas você não teve tempo ou dinheiro para se deslocar para outra cidade.

O webinário resolve essa questão de maneira simples. São conferências online em que o palestrante se conecta com o público para passar o conteúdo.

A tecnologia ainda permite que os ouvintes enviem perguntas com mensagens de texto ou até mesmo aparecendo também no vídeo. Tudo controlado pelo palestrante.

Imagine o poder dessa ferramenta. Você se conectar ao seu cliente em qualquer lugar que ele esteja e passar conteúdo de qualidade.

Infográficos

Eu amo infográficos. Eles explicam qualquer coisa de uma maneira simples.

A Pictoline é um exemplo ótimo de como a informação visual facilita o entendimento de um conteúdo.

Um assunto que poderia ser chato, como o pomo de adão, fica interessante. Além de exigir menos tempo de leitura.

Ainda mais no mar de informação que o seu público tem à disposição, rapidez é um fator determinante.

Eu aposto um real no que você está pensando agora: “Mas eu não sei fazer, não sei desenhar. E deve ser caro produzir esse conteúdo”.

Engano seu. Existem modelos gratuitos disponíveis na web, e até tutoriais que ensinam a fazer infográficos no Power Point.

Agora não tem desculpa.

Adicione essa ferramenta no seu planejamento de conteúdo e depois me conte os resultados.

Email Marketing

Simplesmente a melhor forma de comunicação entre as empresas e seus leads e clientes.

Redes sociais tem o seu protagonismo? Ok, mas não dependa delas apenas.

O email marketing tem uma vantagem enorme em relação ao Facebook e similares. A certeza que todos os seus seguidores vão receber a sua mensagem.

Estratégia boa é aquela que dá resultados. Se você pensa igual a mim, avalie imediatamente suas estratégias de email marketing para distribuição do seu conteúdo.

Com ele você consegue levar tráfego para o seu site, mensurar resultados, personalizar o conteúdo de acordo com a sua lista.

Se você quiser aprender mais sobre o assunto, recomendo a leitura desse guia definitivo sobre email marketing que o Klickpages preparou.

As 12 principais ferramentas para fazer marketing de conteúdo

Fazer marketing de conteúdo só é difícil para quem não usa as ferramentas certas.

Existem serviços gratuitos disponíveis na internet que vão fazer você economizar muito tempo e dinheiro.

É normal esse frio na barriga antes de começar a sua campanha. Ter a ajuda dessas ferramentas tornam o jogo muito mais fácil para você.

As dicas que vou dar agora são resultado de muitos trabalhos bem sucedidos que tive nos últimos anos, e cada serviço aí embaixo me ajudou bastante a otimizar meu tempo.

1- Canva

O Canva é daqueles serviços que mudam sua vida para sempre. Qualquer um pode fazer uma bela capa para Facebook, ou um convite de casamento. É voltado para designers profissionais ou para curiosos amadores.

Fiz um exemplo em cinco minutos para te mostrar. Esse é o layout para cartaz de filmes, peças e apresentações culturais.

 

2- Buzzsumo

Não tem um artigo do meu blog que vai ao ar sem antes eu olhar o Buzzsumo. Ele revira as redes sociais para mostrar quais postagens sobre determinado assunto estão bombando no momento.

Por exemplo, se você tem uma floricultura e quer saber as publicações com mais compartilhamentos sobre o assunto, o Buzzsumo entrega na hora.

Você pode tanto tomar como base esse conteúdo para produzir algo com mais profundidade, ou até ficar de olho nos posts com bom desempenho da concorrência.

3- Portent’s Content – Ideas Generator

Está sem ideia de conteúdo? Precisa apresentar cinco sugestões de pauta para o seu chefe e não consegue pensar em nada?

Esse serviço ajuda a esclarecer a cabeça nos dias mais nebulosos. Ele te entrega centenas de títulos sobre o tema que você quiser. Os textos seguem o molde daquelas frases que são responsáveis por viralizar um conteúdo, provocando o leitor.

Por exemplo, se você é empresário no ramo da dança, que tal usar: “O que a wikipedia não pode te contar sobre quem dança” ou “Se você leu o artigo sobre dança, agora leia este”.

Pode ser usado em conjunto com o Link Bait Generator, um gerador daqueles títulos caça-clique que podem instigar o seu público.

Mas use com sabedoria e lembre que o seu conteúdo tem que estar à altura do título. Se você prometer que a pessoa vai se aposentar em uma semana, assuma essas consequências.

4- Bigvu Teleprompter

Eu já encontrei empreendedores incríveis em todos esses anos que ofereço ajuda a quem deseja alavancar um negócio.

Pessoas inteligentes que pensavam em cada ponto da estratégia da empresa. Mas não conseguiam uma coisa: se comunicar com clareza quando a câmera ligava.

Manter um diálogo com o seu público é fundamental para o sucesso. Cria empatia com a marca e fideliza o cliente.

Mas o que fazer quando você engasga e se enrola todo na hora de fazer um vídeo para a sua rede social?

Um programa que ajudou muita gente é esse Teleprompter, aquele aparelho que o apresentador do jornal usa para ler o texto sem errar uma vírgula, enquanto olha para a câmera.

Aqui você pode ler um texto sem preocupação de errar, enquanto a câmera do celular continua gravando. Faça um teste e depois coloca aqui nos comentários o que achou!

5- Animaker

Ótima opção para criar vídeos animados. O site oferece mais de 40 modelos prontos para você montar um vídeo que vai impressionar o seu público.

6- Almighty

Descobrir um viral antes mesmo dele ser um viral. Não deixe de conferir o Almighty, que indica um conteúdo com potencial para viralizar mas que ainda não caiu nas graças dos usuários.

Você pode definir palavras-chave e monitorar os conteúdos do seu ramo. É uma boa ideia usar essa ferramenta em conjunto com o Buzzsumo.

7- Stencil

Sabe aquela foto bonita com uma citação em cima que rende vários likes nas redes sociais? O Stencil faz isso em menos de um minuto.

Use para dar destaque a frases de efeito e marcantes sobre o seu mercado, opiniões fortes e que credenciem a sua marca como autoridade no assunto.

8- Hubspot

Uma das ferramentas mais completas do mercado. Por ser fácil de usar, é utilizada por profissionais experientes e iniciantes.

O serviço do Hubspot ajuda a otimizar diversas etapas da sua estratégia de marketing, como SEO, geração de leads, email marketing e landing pages.

9- Piktochart

Já falamos do quanto infográficos são poderosos. E você tem uma maneira fácil e sem custos de publicar um conteúdo visual de qualidade para a sua audiência.

O Piktochart é uma das ferramentas mais populares de infografia da internet. Você pode escolher entre mais de 4 mil modelos diferentes, todos gratuitos.

10- Trello

Não adianta ter muitas ideias. Se você não se organizar, não vai demorar muito para a sua empresa sair dos trilhos.

Esse é o queridinho entre profissionais de marketing. Ele permite gerenciar tarefas, distribuir funções e acompanhar o ritmo de produção para não deixar escapar nada.

11- Gifs

Uma tendência que já se estabeleceu na internet, o GIF é aquela sequência de fotos que forma um mini-vídeo animado. Muitas marcas utilizam para fazer um conteúdo descontraído e com uma linguagem mais despojada.

12- Buffer

Digamos que você está usando todos os programas listados aí em cima e anotou todas as dicas deste artigo. Vão surgir várias ideias e muitos posts para diferentes redes sociais.

Para você não se perder e planejar tudo com antencedência, use o Buffer. Ele é uma plataforma que centraliza todo o conteúdo que você vai publicar nas redes sociais.

Ou seja, não precisa entrar no Twitter para publicar algo, depois entrar no Facebook e no Instagram para disseminar conteúdo. Basta agendar nessa ferramenta que ele publica para você.

Uma dica é analisar suas métricas para observar o horário de maior audiência na sua rede social. O Buffer te ajuda a publicar nesse horário, para melhorar seu alcance e engajamento.

Exemplos: os 8 mais brilhantes de marketing de conteúdo

Milhões de empresas estão produzindo marketing de conteúdo dos os dias.

Pode ser difícil se destacar entre tantas ideias.

Você vai conferir agora uma lista de ótimos exemplos de marketing de conteúdo.

Tomei o cuidado de selecionar empresas grandes e pequenas. Todas podem servir de inspiração para o seu negócio.

São os casos que mais me marcaram nos últimos tempos. Todas essas ideias muitas vezes deram outros rumos e até salvaram algumas empresas da falência.

Muitos exemplos aqui demandaram pouco orçamento, ou precisaram apenas de alguém atento para perceber o potencial da ideia.

Com certeza você pode adaptar um desses casos para a sua estratégia.

1- Match.com

Esse site de relacionamentos produz um relatório anual chamado “Solteiros na América”.

Com base nos dados dos usuários do aplicativo, eles constroem um retrato de como os norte-americanos se relacionam e o que buscam em um parceiro.

Uma mudança de comportamento notada pela empresa chocou muitos estudiosos e foi na contra-mão do que a sociedade acreditava. Eles descobriram o “efeito George Clooney”.

O galã de Hollywood, aos 56 anos, casou com a advogada Amal Alamuddin, 17 anos mais jovem.

Ela é uma das advogadas mais requisitadas e bem pagas do mundo, e já atuou em casos de repercussão global, como na defesa da extradição do fundador do WikiLeaks, Julian Assange.

O que isso significa? Que o homem está perdendo o medo da mulher independente. A pesquisa realizada com os usuários do Match.com indica uma mudança significativa nos relacionamentos modernos: atualmente eles procuram por parceiras que ganham mais.

Segundo os dados coletados no estudo, que contou com a participação de 5.600 pessoas solteiras, a grande maioria dos homens (87%) disseram que sairiam com uma mulher que ganhasse mais.

O conteúdo foi notícia em grandes jornais mundo afora e serviu de base para estudos na área de Psicologia.

2- General Mills

Uma das maiores empresas alimentícias do mundo não se contentou em falar do seu alcance ou da qualidade dos seus produtos.

Eles fizeram um dos melhores blogs de receitas que eu já vi, o Tablespoon.

Separam em categorias em alta entre os usuários, como “Dia de Jogo”, para fazer quando o seu time vai jogar uma partida, ou uma sessão só para festas entre amigos.

Os títulos são criativos e criam intimidade com o público. “30 receitas para você se sentir como uma rainha da saúde”, brinca um dos textos.

E eles entendem os pontos fracos e a dor do público. Toda semana você encontra um artigo com o título “O que fazer para jantar nessa semana”.

Entendendo as demandas do público, produz um conteúdo direcionado.

3- Fidelity

Esse fundo de investimentos sabe como poucas marcas conversar sobre as angústias e inquietações do cliente.

Eles poderiam empurrar na cara do usuário soluções financeiras, opções de investimentos e outras formas para sair do vermelho.

Mas eles conversam sobre dúvidas que aparecem com todos nós em situações de conflito.

Por exemplo: o que fazer após receber uma oferta de emprego. Ou os 7 passos para seguir antes de comprar uma casa.

Eles também mostram os principais tipos de acordos pré-nupciais para jovens casais, e cuidados financeiros para se ter durante ou após um divórcio.

Eles criam conteúdos que te ajudam em momentos difíceis que todos nós passamos. Cria empatia com o consumidor.

4- Morgan Stanley


É um excelente caso de uma empresa que poderia produzir um conteúdo chato, mas conseguiu inovar e agradar os clientes.

A Morgan Stanley é um dos maiores bancos de investimentos do mundo, com ativos na casa dos trilhões de dólares.

Em vez de se contentar em falar de investimentos ou poupança, criou vídeos, artigos e podcasts que falam de polêmicas e inquietações do mundo moderno.

Um dos episódios trata de pessoas que fizeram fortunas e perderam tudo. Eles apresentam uma entrevista com Antoine Walker, ex-jogador de basquete que ficou milionário e faliu depois que aposentou.

Outros temas tratados sequer existem respostas. Por exemplo: se um carro autônomo causa um acidente, quem é o responsável pelos danos?

Fica claro que não importa qual o seu mercado. Não importa se à primeira vista os clientes poderiam bocejar só de ouvir o que a sua empresa faz.

O importante é o quanto você produz de conteúdo criativo. Cativar o público é possível e pode alavancar as suas vendas.

5- Samsung

Em 2013 a empresa sul-coreana lançou um celular com um tecnologia que mantinha o celular ligado enquanto o usuário olhasse para a tela.

A empresa desafiou pessoas no meio da rua a olharem para a tela por 60 minutos sem desviar o olhar. Quem conseguisse, ganharia o aparelho.

A campanha causou um alvoroço nas ruas e entrou para o hall dos grandes cases de sucesso de marketing de conteúdo.

6- Mr. Porter

Entrevistas de tirar o fôlego, fotos impecáveis. Essa loja de roupas masculinas disponibiliza gratuitamente conteúdos relevantes para o público.

Mas a sacada deles vai além: a entrevistas apresentam uma seção para o usuário comprar as fotos utilizadas pelo personagem em cada foto.

Na entrevista com o ator Christoph Waltz, a loja online disponibiliza para o cliente as mesmas roupas usadas pelo ator na fotografia.

Se a pessoa quiser continuar a leitura sem consumir nada, consegue perfeitamente. Mas de maneira discreta a empresa coloca à disposição o seu produto.

 

7- General Eletric

Essa empresa gigante mostra como é possível fazer marketing de conteúdo sem gastar muito. Fique atento neste exemplo porque a sua empresa pode usar algo nessa linha.

O Labracadabra é um canal no YouTube que mostra receitas para fazer experimentos simples e seguros na cozinha de casa.

É possível fazer uma pilha líquida, ou ver arco-íris saltando de um vulcão de limão.

8 – Airbnb

O Airbnb oferece o serviço de aluguel de casas por temporada. Mas eles querem entregar uma experiência única criada por uma comunidade global de usuários.

No Instagram a empresa coloca fotos e vídeos das casas dos anfitriões. Descrevem histórias pessoais e tudo que o usuário pode viver de diferente se escolher o Airbnb e não uma rede de hotéis convencionais.

A cada postagem, a empresa mostra ao cliente o benefício de explorar lados únicos de cada cultura, proporcionando uma viagem mais próxima da realidade de cada país.

7 erros mais comuns no marketing de conteúdo

Quando eu comecei a empreender, ficava aterrorizado de perder credibilidade com o público.

Me sentia dentro de um quarto escuro buscando direção. Como saber se não estou cometendo um erro que pode destruir a minha imagem?

Ou ainda tomar atitudes que me façam perder dinheiro e todo o meu tempo.

Vou listar os principais erros ao se produzir marketing de conteúdo. Muitos deles eu passei, e outros eu aprendi conversando com empresários nos últimos anos.

Antes de cometer os seus próprios erros, aprenda com as pessoas que já erraram antes.0

1- O seu umbigo não é o centro do mundo

Isso é fundamental. O conteúdo deve ser pensado nas preferências e na relevância para o público.

Não adianta um banco falar sobre carteiras de investimentos e taxas de juros. Isso causaria sono na maioria dos clientes.

Escreva para o seu público, e não para você.

Você vai gastar tempo e dinheiro se concentrar suas publicações em assuntos de interesse da empresa, sem pensar no que a audiência gostaria de consumir.

2- Ser tudo ao mesmo tempo

Segmentar o conteúdo de acordo com o seu público-alvo é uma boa tática. Ainda mais se a sua empresa atuar em vários mercados com diferentes produtos.

Se você falar de culinária, cultura, esportes e estilo de vida, pode perder parte da base de fãs. A receita da sopa de quinoa pode não interessar a quem procura por caiaques para remar.

3- Feito é melhor que perfeito

Muitas empresas esperam para elaborar a estratégia perfeita de marketing de conteúdo. O mercado é muito dinâmico, e enquanto você pensa demais, o seu concorrente pode sair na sua frente com uma ideia parecida.

O ótimo é inimigo do bom. Concentre-se em metas alcançáveis e vá aprimorando suas estratégias nos conteúdos seguintes.

4- Não criar lista de email

Uma lista de emails relevante e com segmentação de público é a maior riqueza que o seu negócio pode ter.

Construir seu empreendimento digital sem gerar leads é como construir a sua casa em um terreno alugado.

É a certeza de que todos os seus clientes receberão diretamente a sua comunicação. Sem você pagar a mais por isso.

Divida os emails em listas de interesse para personalizar o conteúdo que cada cliente vai receber. Depois perceba os resultados.

5- Quantidade não é melhor que qualidade

Produzir conteúdo pode alavancar o seu negócio e trazer benefícios magníficos para a sua empresa.

Muitos empresários morrendo de vontade de ganhar espaço, começam a produzir conteúdo sem parar, de uma hora para a outra. É certo que não vai dar certo.

Saiba que produzir cinco conteúdos por semana com relevância para o seu público é mais efetivo que publicar vinte conteúdos no mesmo espaço de tempo.

O foco do seu trabalho deve ser a conexão com o consumidor. Os lucros serão resultado.

6- Se preocupar com a venda

O principal objetivo do marketing de conteúdo é informar a sua audiência.

Empurrar a todo instante uma ação para um processo de venda não é parte desse processo.

Lembre que essa é uma estratégia a longo prazo. Não queira ser visto como uma empresa que visa em excesso o lucro e não se importa com o bem-estar do cliente.

7- Ignorar o Google

Os mecanismos de busca deixam pistas do que a sua audiência quer saber.

O seu conteúdo deve tornar a vida das pessoas mais simples, resolver problemas e medos.

Pesquise as dificuldades que os clientes enfrentam no seu mercado, e pense em todas as maneiras que você pode ajudar a resolver cada caso.

As pessoas contam diariamente o que precisam. Basta encontrar esse caminho.

Conclusão

Você ainda não apostou em conteúdo original e que possa ajudar a resolver problemas do seu público?

Pode apostar que o seu concorrente está planejando isso agora.

O marketing de conteúdo é uma forma maravilhosa de atingir o seu público de maneira orgânica.

Nós adoramos quem se prontifica a ajudar nos nossos problemas. Sua marca deve ser vista da mesma forma.

Mostre para o seu cliente que você pode tornar a vida dele mais fácil.

As marcas ainda encaram o marketing de conteúdo como uma publicidade. Falam apenas dos próprios serviços e esquecem o que a audiência quer ouvir de verdade.

Você vai rentabilizar o marketing de conteúdo ao criar uma autoridade no seu mercado. E não ao empurrar uma venda a cada segundo na cara do cliente.

Não dá mais para ficar sem o marketing de conteúdo na sua comunicação.


E na hora que você der o primeiro passo, conte com o Klickpages para criar landing pages matadoras que vão mostrar o seu conteúdo de maneira fácil e acessível.

COMPARTILHE NAS REDES SOCIAIS!

Sobre o Autor

Hugo Rocha é co-fundador da Ignição Digital e do Klickpages. Já atuou diretamente nos bastidores dos maiores lançamentos digitais do Brasil. Atualmente está a frente da equipe de tráfego e crescimento da Ignição Digital e Klickpages liderando pessoalmente mais de R$ 4 milhões de reais em investimento em tráfego nos últimos 12 meses com ROI acima de 300%.