Saiba como fazer uma introdução que conquiste seu leitor em até 8 segundos

Saiba como fazer uma introdução que conquiste seu leitor em até 8 segundos

Se você não souber como fazer uma introdução capaz de prender o seu leitor em até 8 segundos, já era. Ele já vai ter fechado a aba do navegador.

Eu estou te falando isso porque hoje nossa capacidade de concentração é igual à de um peixinho dourado.

8 segundos é o tempo máximo que conseguimos focar em alguma coisa.

Pode parecer pouco, mas deixa eu te dar uns exemplos do que dá para fazer nesse tempo.

Para você ter uma ideia, em 8 segundos 600 hambúrgueres são vendidos no McDonalds.

Em 8 segundos, o Bolt, maior corredor do mundo, faz aproximadamente 90 metros.

Em 8 segundos, mais de 506.666,7 buscas são feitas no Google.

Pois é.

O que eu estou querendo te dizer é que 8 segundos parece ser pouquíssimo tempo.

Mas se você souber aproveitar bem, vai ver que não precisa de muito mais do que isso para convencer alguém com o poder da sua introdução.

Se você quer saber como prender a atenção do seu leitor em até 8 segundos, fica aqui comigo que eu te mostro como fazer isso com uma introdução bem poderosa.

Além disso, vou te dar oito dicas de como fazer uma introdução convincente que atraia mais leitores para seu conteúdo e te ajude a converter mais clientes para o seu negócio.

Você também vai ver como otimizar seu conteúdo para que ele fique lá no topo dos mecanismos de busca, o que também te ajuda a atrair mais clientes.

Se ler até o final, verá 6 tipos de introdução poderosos que impactam o leitor de formas diferentes.

E não é só isso. Também vou mostrar alguns erros comuns que você deve evitar na hora de fazer sua introdução.

Mas vamos começar do início: o que, afinal, é uma introdução?

O que é uma introdução?

O que é uma introdução?

Bom, antes de saber como fazer, você precisa saber o que é uma introdução.

Introduzir significa apresentar algo pela primeira vez.

E isso significa abordar com atenção.

Porque a primeira impressão é a que fica.

Deixa eu te dar um exemplo.

Você está prestes a entrar em uma reunião em que as pessoas não te conhecem.

Você vai precisar se introduzir.

E para provar para aquelas pessoas que você sabe do que está falando, você precisa falar com propriedade.

Provar que você vale o tempo que elas estão te dando, porque você tem algo importante e útil para elas.

Caso contrário, elas provavelmente nem vão te escutar.

A mesma coisa vale para o seu texto.

A introdução é o primeiro contato do leitor com seu conteúdo.

Ele precisa sentir que você se importa com ele.

E, mais do que isso, que você tem algo que ele precisa saber.

A sua introdução convence o leitor de que você tem uma informação valiosa que ele pode perder se não ler o resto do texto até o final.

Sua introdução precisa convencer o leitor a ficar.

Porque você precisa de uma introdução forte

Porque você precisa de uma introdução forte

Existem introduções e existem ótimas introduções.

Você precisa de uma ótima introdução. Porque uma ótima introdução motiva o leitor a fazer o que você quer que ele faça.

Mas calma, você não precisa ser um escritor renomado para escrever uma ótima introdução.

É como diz uma das referências da escrita persuasiva, Mark Ford: “Boa escrita é um bom pensamento expressado de forma clara.”

Simples assim.

Quando digo “bom pensamento”, quero dizer uma grande ideia que faça o leitor pensar “Caramba! Isso é interessante” ou “não tinha pensado nisso!” ou até mesmo “eita, preciso lembrar disso”.

Independente de qual seja o seu objetivo com seu texto, é importante que sua introdução deixe o leitor muito envolvido para que ele chegue até o final preparado para realizar a ação que você quer.

Esse é o momento da chamada para ação (call to action, ou CTA).

A melhor maneira de convencer uma pessoa a tomar uma ação é tocar no emocional dela.

Ou seja, o importante é que sua introdução:

  1. Engaje o leitor emocionalmente para que

  2. Você consiga motivá-lo a fazer o que você quer que ele faça (comprar seu produto ou serviço).

Talvez você ainda acredite que é o raciocínio lógico que convence as pessoas.

Mas se você parar para pensar, a maioria das pessoas que faz textos super racionais, sem nada de emoção, podem até escrever um conteúdo de qualidade, mas dificilmente vão conseguir fazer a conexão com o leitor.

Você pode também estar pensando “e o jornalismo? É um texto racional e muita gente lê”.

Bom, é verdade. Mas por mais importante que seja um texto jornalístico, você não guarda o fato que está na notícia.

Você guarda a história por trás do fato. E principalmente, como esse fato te afeta.

Inclusive, se a notícia não afetar nada na sua vida, você provavelmente nem vai ler.

Nossa parte racional só entra em ação depois que nosso emocional está envolvido.

Eu li isso no Agora’s Big Black Book, um livro que reúne dicas maravilhosas de marketing, negócios e de como escrever de forma persuasiva.

É aquela velha história: se a gente se importa, a gente presta atenção.

E, como já te falei, essa atenção está cada vez menor.

Por isso você precisa de uma ótima introdução que toque em pontos emocionais do leitor de forma rápida.

Do menor para o maior: Princípio de Pareto

Do menor para o maior: Princípio de Pareto

Até aqui você já deve ter percebido que saber como fazer uma introdução atrativa em pouco tempo faz toda diferença para o seu negócio.

Mas e se eu te disser que tem uma explicação matemática por trás disso?

Existe um princípio que ajuda a colocar em perspectiva a importância que uma pequena parte tem sobre o todo.

É o Princípio de Pareto.

Basicamente, esse princípio matemático diz que aproximadamente 80% dos efeitos vêm de 20% das causas.

Você provavelmente já deve ter percebido que 80% das vendas do seu negócio vêm de 20% dos seus clientes, por exemplo.

Também é verdade que 80% dos resultados do seu negócio vem de 20% do que você faz.

Isso quer dizer que o conteúdo que você escreve pode parecer pouca coisa, mas tem um impacto gigantesco para o seu negócio.

Inclusive, 80% do impacto emocional do seu conteúdo é determinado pelos primeiros 20% do seu texto.

E adivinha o que são esses 20%?

Isso mesmo. Sua introdução.

Então não subestime a capacidade que uma introdução tem de te ajudar a conquistar mais clientes e de melhorar seu negócio.

A introdução pode ser o início de um relacionamento duradouro entre você e seu potencial cliente.

Desde que você alimente esse relacionamento com um conteúdo de qualidade ao longo do tempo.

Como otimizar sua introdução para o Google

Como otimizar sua introdução para o Google

Por mais importante que seja sua introdução, ela não é a única coisa que você precisa para conseguir mais clientes.

Pensa assim: é como se a introdução fosse a ignição do motor.

Quando o motor finalmente pega, significa que seu conteúdo consegue conversão e geração de leads, isto é, ele é capaz de atrair clientes em potencial (aqueles que se interessam pelo seu produto).

Mas nada disso vai acontecer se seu conteúdo não chegar até as pessoas de alguma forma.

Não adianta nada ter uma introdução matadora e um conteúdo sensacional se ninguém vê.

E o Google é o grande canal que se responsabiliza por isso.

Ele faz a ponte entre o conteúdo que você oferece e as pessoas que estão procurando o que você vende.

Além de uma introdução forte, estar no topo das pesquisas do Google te ajuda muito a ganhar visibilidade.

Até porque, em média, o tempo de busca das pessoas no Google não passa de um minuto.

Se seu conteúdo estiver nas primeiras opções de busca, as chances são muito maiores da pessoa escolher o seu site, blog ou página.

Se você faz um marketing de conteúdo com qualidade, mais pessoas correm atrás do que você está dizendo, ou seja, você consegue mais alcance e visibilidade.

Quanto mais pessoas confiam no seu conteúdo, mais credibilidade você ganha.

Quanto mais credibilidade, mais leads você gera e maiores são suas chances de conversão. Ou seja, mais clientes você ganha.

Quanto mais clientes, mais dinheiro.

E aí você tem uma estratégia de marketing eficiente.

Mas como o Google te ajuda com isso?

Por meio de um processo chamado Search Engine Optimization (SEO).

SEO é o mecanismo que ajuda (ou dificulta) sua página a rankear entre as primeiras opções de mecanismos de busca.

Basicamente, as técnicas de SEO atraem seu público sem que você precise pagar por isso, em anúncios, por exemplo.

Em outras palavras, o SEO gera tráfego orgânico para seu conteúdo.

E você precisa estar atento a isso, já que 50.1% da visibilidade da sua página vem do tráfego orgânico.

As pessoas clicam e acessam o que você produz por vontade própria devido a uma combinação de fatores que incluem: um título impactante e o fato de o Google ter selecionado o seu conteúdo para ficar no topo das buscas.

E o que você precisa fazer para rankear bem?

Bom, existem várias técnicas de SEO que você pode aplicar para melhorar o desempenho do seu conteúdo. Eu já fiz um artigo bem completo sobre isso, que você pode conferir aqui.

Mas não se engane. Apesar de o Google avaliar essas técnicas, a qualidade do conteúdo também conta.

E qualquer que seja o assunto, ele tem que ter uma introdução.

E, como você já viu, essa introdução tem que ser ótima.

Afinal, você não quer ninguém fugindo da sua página, blog ou site. 😉

Como fazer uma introdução: 8 dicas para converter mais

Como fazer uma introdução: 8 dicas para converter mais

Até aqui você entendeu que a introdução do seu texto precisa ser atrativa.

E precisa convencer seu leitor rápido, porque, como te disse, a gente só consegue se concentrar em alguma coisa por 8 segundos.

Mas e aí, o que sua introdução tem que ter para conseguir fisgar o leitor em tão pouco tempo?

Lembre-se que “boa escrita é um bom pensamento expressado de forma clara.”

Aqui eu vou te dar 8 dicas para te ajudar com isso.

  1. Uma única ideia

Evite informações desnecessárias ou informações demais.

Antes de começar a escrever sua introdução, pare e pense: “qual é a ideia que estou tentando passar?”

“O que eu quero extrair do leitor?”

Foque em uma ideia e só nessa ideia.

Trabalhar com uma ideia central dá mais força para o que vocês está falando.

Também fica mais fácil para o seu leitor se concentrar e entender sua introdução.

E fica mais fácil para você continuar escrevendo seu texto, porque você escolhe no que vai focar.

Isso mostra que você sabe do que está falando, e sabe o que vai interessar seu leitor.

Escolha uma única boa ideia e trabalhe em cima dela.

Alguns dos slogans da Coca-Cola por exemplo são:

“A pausa que refresca”.

“Sempre refrescante”.

E não “A pausa que refresca e sempre refrescante”.

O segredo aqui é foco.

Menos é mais!

  1. Apresentar o tema

Afinal, sobre o que você vai falar?

Diga logo na introdução qual o tema do seu texto. Viagem? Seguros? Software?

Em outras palavras, seja claro.

A menos que você esteja fazendo um lead de segredo (mais para frente te explico o que é isso), seu leitor precisa entender o assunto nas primeiras linhas.

Assunto é diferente de oferta, ok?

Você pode falar de viagem sem oferecer o pacote que você quer vender nas primeiras linhas.

  1. Instigar o leitor a querer mais informação

A introdução é o gostinho de “quero mais”.

Pense na introdução como a primeira mordida da sua comida preferida.

Precisa deixar o leitor com água na boca.

Isso significa apresentar o assunto, mas sem entregar o ouro logo de cara.

Desperte a curiosidade do seu leitor fazendo uma promessa, por exemplo.

Ou entregando só parte da informação, dizendo que vai contar o resto no final.

Todo mundo é curioso.

Mas seu leitor só vai continuar curioso se você fizer uma promessa que atinja um desejo dele.

  1. Fazer uma afirmação poderosa

Diga algo inusitado (mas não impossível).

Faça uma afirmação impactante, inesperada, que faça o leitor questionar como aquilo é possível.

E então, no desenvolvimento do texto, prove a ele que você consegue tornar aquilo realidade.

Depoimentos de clientes, gráficos e dados numéricos são ótimas formas de provar que você entrega o que promete.

Mas lembra que a sua afirmação poderosa não pode ser mentira!

Tem que ser íntegro, senão a pessoa perde a confiança em você.

E sem credibilidade, você não vende.

O objetivo é fisgar a pessoa rápido, e não enganá-la.

  1. Contextualizar

Situe seu leitor.

Não deixe ele se sentir perdido.

Lembra do exemplo da reunião com desconhecidos? Não dá pra chegar falando algo do nada.

Olha o começo desse artigo na revista Forbes:

Contextualizar

O verão está no auge.

Seu ar condicionado está quebrado.

Excluindo páginas AdWord, você quer perder tempo com sites sobre HVAC (heating, ventilation and air conditioning) lotados de palavras-chave e bem rankeados que repetem a mesma informação o tempo inteiro?

Não. Você quer abrir uma página que diga que a companhia oferece manutenção de ar condicionado na sua área e ligar para esse número agora mesmo.

Essa introdução cria um possível cenário para o leitor.

Além de chamar a atenção e despertar a curiosidade, isso deixa o leitor mais confortável.

  1. Estabelecer o tom e a linguagem do resto do texto

Usar palavras grandes e “falar difícil”, por exemplo, intimida as pessoas.

Usar uma linguagem informal e um tom coloquial ajuda o leitor a se sentir mais à vontade.

Escreva como se estivesse mesmo conversando com um amigo, frente a frente.

Ser simples não significa enfraquecer sua introdução, pelo contrário: só a potencializa!

  1. Evocar emoções

Quando terminamos um bom livro ou um bom filme, nos sentimos inspirados, até mesmo mudados.

Eu não sei se isso acontece muito com você, mas comigo sim.

Isso acontece porque nos envolvemos emocionalmente.

De forma geral, seres humanos são mais propensos a tomar decisões com base no que sentem.

Tendemos a desenvolver um vínculo emocional quando nos identificamos com o sentimento do outro e nos colocamos no lugar dele.

É a chamada empatia.

Pense nas suas histórias favoritas.

Elas te prenderam pela emoção, não pelos fatos.

O personagem do livro que você leu pode ser parecido com você. A história contada no filme pode ser a sua.

Nós que trabalhamos com marketing devemos explorar esse vínculo emocional a nosso favor.

Mesmo que a pessoa desenvolva um argumento lógico para justificar comprar seu produto, ela só vai chegar nesse ponto se antes você apelar para os sentimentos dela.

Quais são as dores do seu cliente?

O que ele teme ou deseja?

Se tocar a pessoa, ela passa a se importar. E aí você tem a atenção dela.

  1. Conhecer seu público-alvo

Escrever uma introdução se torna muito mais fácil quando você conhece seu público-alvo.

E, mais importante ainda, o que seu público-alvo já sabe sobre você.

Porque o que seu cliente já sabe sobre você antes de ler seu conteúdo (o nível de consciência dele) vai te dizer qual abordagem é melhor para chamar a atenção dele.

Existem pelo menos cinco níveis de consciência de um potencial cliente:

  1. Mais consciente (most aware);

  2. Consciente do produto (product aware);

  3. Consciente da solução (solution aware);

  4. Consciente do problema (problem aware);

  5. Inconsciente (unaware).

No livro Breakthrough Advertising, o copywriter Gene Schwartz desenvolve melhor essa ideia.

Aqui eu vou resumir os conceitos do Gene.

Mais consciente

Se seu cliente já conhece sua marca, produto ou serviço ou já comprou algo de você, ele está no nível mais consciente.

Isso quer dizer que ele já possui o vínculo emocional necessário e que não precisa de muito convencimento para fechar a venda.

Com clientes mais conscientes, geralmente sua introdução pode ser mais direta ao ponto.

Consciente de produto

Se seu cliente sabe o que você vende, mas não tem certeza se o seu produto resolve o problema dele, ele está no nível consciente de produto.

Consciente de solução

Se seu cliente não ouviu falar do seu produto, marca ou serviço, mas sabe que existe alguma coisa que possa resolver o problema dele, ele está no nível consciente de solução.

Consciente de problema

Se seu cliente está insatisfeito, mas não sabe o que poderia resolver o problema dele, nem nunca ouviu falar do seu produto, ele está no nível consciente de problema.

Inconsciente

Se seu cliente sequer sabe que tem um problema e que existe um produto para resolvê-lo, ele está no nível inconsciente.

Com clientes no espectro menos consciente, sua introdução deve ser menos direta ao ponto.

Isso não significa enrolar o cliente.

Significa demorar mais para apresentar a oferta e focar mais no que seu produto tem a oferecer a ele.

E como esses benefícios resolvem o seu problema.

Níveis de consciência

Fonte da imagem

6 tipos de introdução

6 tipos de introdução

Dependendo do seu objetivo e do seu público-alvo, você pode usar diferentes tipos de introdução.

Cada tipo tem um efeito diferente nos seus clientes.

Separei seis tipos de lead que estão no livro Great Leads.

Eu mencionei lá em cima que leads são aqueles clientes em potencial para seu produto ou serviço, mas lead também pode significar outra coisa: a introdução do seu texto.

Esse termo é usado no copywriting e no jornalismo.

O Great Leads é como se fosse uma bíblia do marketing para mim.

Sério, ele é um guia bem completo de como escrever leads persuasivos.

(Falo para todo mundo aqui da equipe ler, e sugiro que você faça o mesmo).

Lead de oferta

O lead de oferta é sem rodeios: vai direto à oferta. Funciona bem com clientes mais conscientes, porque eles já conhecem e consomem sua marca, produto ou serviço.

Lead de promessa

O lead de promessa não revela o produto ou serviço tão cedo, mas começa citando a melhor característica do que você está vendendo.

Você precisa identificar os benefícios do seu produto, escolher o que mais impactaria seu cliente e traduzir isso da melhor forma. É um tipo de lead bem famoso.

Lead de solução

O lead de solução de problemas explora mais a questão emocional do cliente.

Quais são as dores dele? O que o incomoda?

Depois de identificar isso e falar para seu leitor, você entra com a promessa de que seu produto tem a solução.

Produtos da área de saúde costumam usar leads de solução.

Uma estrutura clássica de leads de solução é a frase “se isso, então aquilo”.

Tipo: “Se você se sente cansado, desmotivado, sem energias, tome o produto x”.

Lead do grande segredo

O lead do grande segredo é uma informação que você segura ao máximo, prometendo que ela vai resolver o problema do seu cliente.

Essa informação deve, claro, ser verdadeira para que seu cliente confie em você.

Normalmente o segredo é revelado no final do texto, quando o leitor já está tão envolvido com sua promessa de resolver um desejo dele que está praticamente pronto para fechar a venda.

A revelação do segredo pode estar em um link no final do texto também, que redirecione para outra página.

Lead de revelação

O lead de revelação desarma o cliente com uma informação surpreendente ou chamativa.

O objetivo é que ele fique curioso e queira saber mais sobre o que você está oferecendo.

Você vai envolvendo o cliente aos poucos.

Funciona melhor com clientes menos conscientes, porque tem uma abordagem menos direta.

Lead de história

Por fim, o lead de história é uma forma poderosíssima de abordar clientes, porque todos amamos uma boa história.

Se bem contada, o cliente esquece por um momento que você está tentando vender um produto e  se envolve tanto que quer descobrir o final da história.

A gente guarda a história por trás do fato. E principalmente, como esse fato nos afeta.

Inclusive, se a notícia não afetar nada na sua vida, você provavelmente nem vai ler.

Nossa parte racional só entra em ação depois que nosso emocional está envolvido.

É esse envolvimento que você tem que aproveitar para convencer seu leitor.

Funciona com clientes menos conscientes, porque também é menos direto.

Como NÃO fazer uma introdução

Como NÃO fazer uma introdução

Mesmo sabendo como fazer uma introdução mais atrativa, de vez em quando a gente continua errando.

Mas se você souber quais são os erros mais comuns da hora de fazer uma introdução, você fica mais atento na hora de escrever e consegue evitá-los.

Então vou te dizer o que não fazer na hora de escrever uma boa introdução.

Apenas repetir o título

Explicar o título do seu texto na introdução inteira não traz nenhuma novidade para o leitor.

O título tem que ser chamativo, mas sua introdução tem que complementar o que você disse no lá.

A combinação de título forte e introdução atrativa é matadora.

Se você não tiver isso, a pessoa simplesmente vai embora.

Resumir o texto inteiro

Se você coloca tudo na introdução, quem acessa sua página não tem motivo para ler até o final.

Uma maneira de manter a pessoa lendo é ir despertando a curiosidade dela com novas informações antes de chegar no final.

Por exemplo, “antes de te explicar isso, vou te falar sobre…”

Ou reforçar a promessa: “até o final do texto, você vai aprender como…”

Isso faz com o que o seu leitor fique atento por muito mais tempo.

Fazer uma contextualização longa

Vamos supor que seu texto seja sobre chocolate.

Você não precisar começar explicando como descobriram o cacau e o açúcar.

Ou quem inventou o chocolate.

Você precisa convencê-lo a desejar o seu chocolate.

E porque seu chocolate é a melhor opção.

Incluir várias informações diferentes

Muita informação diferente confunde o leitor.

Lembra da dica da única ideia?

Aqui, eu vou usar o exemplo do texto sobre chocolate de novo.

Não precisa citar todos os benefícios do seu chocolate de uma vez.

Escolha um que chame mais a atenção e use isso para persuadir o seu cliente.

Às vezes, quando sabemos muito sobre um assunto, queremos falar absolutamente tudo sobre aquilo.

Mas seu cliente muito provavelmente não sabe de tudo.

E muito provavelmente não quer saber de tudo.

Ele só precisa de um pedacinho de informação que resolva o problema dele para prestar atenção no que você está dizendo.

Assumir que a outra pessoa sabe tudo sobre o assunto que você vai falar também é um erro.

É a chamada maldição do conhecimento.

Eu sei que é difícil não falar demais sobre uma coisa que a gente sabe ou gosta muito, mas resista à tentação.

Comece a capturar leads hoje mesmo com o Klickpages

Comece a capturar leads hoje mesmo com o Klickpages

Agora você já entendeu como uma introdução é capaz de convencer seu público de que seu conteúdo é realmente incrível.

Se o que você escreve é de qualidade, você atrai gente para sua página e aumenta sua conversão e geração de leads.

Isso te dá autoridade e visibilidade.

Consequentemente, seu negócio lucra e a roda gira.

Uma maneira excelente de capturar clientes é criando uma landing page.

Landing page é uma página de conversão, ou seja, seu objetivo é justamente atrair usuários e convertê-los em leads.

Agora, criar uma página do zero dá bastante trabalho e toma muito tempo. Mesmo que você saque de programação.

Mas eu tenho uma ferramenta que permite criar sua landing page na hora, sem nenhuma dor de cabeça.

Com o Klickpages, você pode criar sua página agora mesmo e começar a converter clientes mais rápido.

Veja só os três passos básicos:

  1. Escolha o modelo: há opções de alta conversão comprovada através de testes.

  2. Customize a página: feita a escolha, é só editar os textos, as cores e as imagens, além de ocultar elementos que pouco agregam.

  3. Publique: com tudo pronto, é só publicar no seu próprio domínio, sem custos adicionais de hospedagem.

Saia na frente. Aumente agora sua conversão com o Klickpages!

Conclusão

Conclusão Como fazer uma introdução

Beleza. Então você aprendeu o que é uma introdução e porque ela precisa ser forte, atrativa.

Também viu como otimizar sua introdução para jogar seu conteúdo nas primeiras opções de mecanismos de busca.

Como 80% dos resultados do seu negócio vem de 20% do que você faz, a introdução do seu texto tem que ser convincente.

E tem que convencer rápido também, porque nossa capacidade de concentração hoje é de 8 segundos.

Isso significa que sua chance de conquistar clientes fica ainda mais difícil.

Mas não impossível.

Na hora de escrever conteúdo, a primeira coisa em que você precisa focar é na introdução do seu texto.

Porque é ela que vai convencer seu cliente a conhecer os benefícios que seu produto oferece.

E se sua introdução não conseguir captar a atenção do cliente rápido, já era.

Mas se conseguir, isso atrai pessoas para ler seu conteúdo, o que aumenta suas chances de fidelizar clientes e alavancar suas vendas.

Com as dicas que te dei aqui, você tem a faca e o queijo na mão para começar a fazer introduções bem mais poderosas e persuasivas.

Agora é colocar isso em prática.

Depois me conta nos comentários se esse artigo te ajudou!

COMPARTILHE NAS REDES SOCIAIS!

Sobre o Autor

Hugo Rocha é co-fundador da Ignição Digital e do Klickpages. Já atuou diretamente nos bastidores dos maiores lançamentos digitais do Brasil. Atualmente está a frente da equipe de tráfego e crescimento da Ignição Digital e Klickpages liderando pessoalmente mais de R$ 4 milhões de reais em investimento em tráfego nos últimos 12 meses com ROI acima de 300%.