Como escrever um email: veja os 14 passos que eu aplico no meu negócio

Como escrever um email: 14 dicas essenciais para campanhas de sucesso

Antes de você sacar como escrever um email que prenda a atenção do leitor, deixa eu bater um papo contigo sobre por que usar o e-mail.

Durante um evento com empreendedores no ano passado, me fizeram a seguinte pergunta:

"Por que o seu foco ainda está no e-mail e não em outra mídia como o WhatsApp ou as redes sociais?"

Não foi a primeira nem a última vez que eu ouvi essa pergunta.

O fato é que tem muita gente que não acredita na força do e-mail porque acha que ele está acabando, que ninguém lê, que é coisa do passado.

Pior: tem gente que desacredita do e-mail porque não sabe como fazer direito.

Mas minha resposta já estava na ponta da língua.

Meu foco ainda está no e-mail porque e-mail vende. Na minha empresa, é o canal que mais vende disparadamente.

A minha lista de e-mails é, de longe, o maior ativo do meu negócio.

Só para te dar um exemplo, em uma campanha para capturar leads eu paguei 3 reais na lead e ela me deu 15 reais de retorno. A matemática fecha, eu faço o que dá certo.

Mas não é o único motivo.

E-mail é o canal que você tem controle da situação.

As pessoas usam redes sociais? Muito. Inclusive eu uso e invisto pesado em anúncios nas redes sociais.

Mas se você só constrói sua audiência no Facebook, por exemplo, está construindo sua casa em terreno alugado.

Nada de errado com isso, é só que aquele terreno não é seu, é do Facebook (o que inclui Instagram e WhatsApp também, caso você não saiba).

Se o Facebook decidir tirar sua audiência de você, ele tira. Assim, do dia para a noite.

Por isso eu defendo tanto o e-mail. Porque e-mail é o seu terreno próprio.

Ter uma estratégia para levar seu público para o e-mail é interessante porque é o ativo que você tem controle.

Ninguém tira sua lista de e-mails de você num estalar de dedos. Você pode até mudar de ferramenta de e-mail marketing, mas a lista sempre será sua.  

Sinceramente, até hoje eu ainda não vi uma escala que chegue aos pés do e-mail (e olha que a gente testa bastante coisa aqui).

Por que eu estou te falando tudo isso?

Porque só quando você saca a real importância do e-mail é que sabe escrever de uma forma que realmente prenda a atenção dos leitores e venda.

Nas próximas linhas, eu vou te mostrar 14 dicas que funcionam. São os exatos passos que eu uso no meu negócio para escrever e-mails para minha lista.

Continua aqui comigo para estar pronto para escrever e-mails que tendem a vender mais do que qualquer outro canal de marketing.

Começando com…

#1 Defenda uma única ideia

Defenda uma única ideia

Você pode escrever um e-mail para enviar um conteúdo novo para sua lista, chamar para um webinário, abrir as inscrições para sua turma, vender ingressos para algum evento, enfim.

O essencial é ter um motivo para apertar “enviar”.

Uma vez que seu objetivo está definido, fica mais fácil seguir para o próximo passo: encontrar a sua ideia única ou grande ideia.  

A ideia única (ou big idea, em inglês) deixa seu texto mais forte e facilita a escrita. Olha o que o David Ogilvy, um dos maiores nomes da publicidade e marketing do mundo, falou sobre a ideia única:

"A não ser que sua publicidade seja construída com base em uma grande ideia, ela passará batida. Uma grande ideia é necessária para tirar o consumidor da sua indiferença"

Suponha que você está escrevendo um e-mail para avisar que as inscrições para sua nova turma de culinária para iniciantes está aberta. Como encontrar uma grande ideia?

Uma boa ideia única…

  • Desperta uma emoção essencial (por exemplo: "isso parece tão simples e fácil!")

  • Tem um benefício desejável (por exemplo: "vou finalmente aprender a cozinhar!")

  • Uma reação inevitável (por exemplo: "preciso me inscrever agora!").

Mas, por que ter uma grande ideia?

O fato é que as pessoas não têm nem foco e nem interesse de ouvir tudo sobre determinado tema de uma vez.

Ou seja, abordar uma ideia intensamente e escrever sobre uma coisa de cada vez ajuda a prender a atenção do leitor.

Foque o seu e-mail em apenas uma grande ideia que leva o seu prospecto a apenas um objetivo: OU ver seu conteúdo, OU assistir o webinário, OU se inscrever para sua turma.

Nunca duas coisas ao mesmo tempo.

Só escreva o que defender a sua grande ideia. Não coloque nenhuma palavra que não leve de volta para a ideia única e que não ajude a conquistar o objetivo que você quer para aquele e-mail. Ok?

(Eu encontrei essas informações no meu livro de cabeceira chamado Great Leads. Infelizmente, até onde eu sei, ele não está disponível para compra).

#2 Dedique 90% do seu tempo ao início do email

Um e-mail, assim como uma redação, tem início, meio e fim.

Mas o início é o mais importante de todos, disparado. Já já você vai entender por quê.

O início do texto também é chamado de lead, mas não confunda com o e-mail de um potencial cliente – são dois tipos diferentes de lead.

O lead-início-de-texto compreende o assunto + os primeiros parágrafos do seu e-mail.

Mas por que eu preciso dedicar 90% do meu tempo para escrever o lead, sendo que tem um e-mail inteiro pela frente?

Simples: porque é a primeira coisa que seus leitores vão ler. Se o começo do seu e-mail não for matador, o leitor em potencial simplesmente não vai ver o resto do texto.

Não sei se você já ouviu falar no Princípio de Pareto. Funciona assim: 80% dos efeitos vêm de 20% das causas.

Você pode aplicar isso em qualquer aspecto da sua vida. Nesse caso aqui, significa que 20% do seu e-mail é responsável por 80% do impacto que vai fazer a pessoa ler o texto inteiro ou não.

E quais são os 20% do seu e-mail? Pois é, o lead. Então, o lead é o 80/20 da parada. Por isso merece 90% da sua atenção.

Essas primeiras palavras são a única chance que você tem de persuadir emocionalmente o seu leitor.

E não sei se você sabe, mas na maioria das vezes nós tomamos decisões baseados na nossa emoção, não na razão.

Portanto, foco no lead.

#3 O tamanho importa?

O tamanho importa?

Se você se der ao trabalho de pesquisar por aí, vai ver que a galera sugere que você mantenha seus e-mails curtos.

Mas, se você me permite ser bem sincero aqui…

Não existe e-mail longo, existe e-mail chato.

Digo isso por experiência própria.

Por exemplo, minha equipe já disparou um e-mail com mais de 2300 palavras (que é um pouco menor que alguns artigos aqui do blog).

Esse e-mail teve uma taxa de cliques cerca de 6 vezes maior que a média das nossas campanhas. Ou seja, mais pessoas leram o e-mail até o final e ainda clicaram no link que estava nas últimas linhas.

Por isso, para mim, não existe esse negócio de e-mail tem que ser curto. E-mail tem que ser bom!

#4 Seja claro e objetivo

Sabe o que eu acabei de falar sobre e-mail tem que ser bom?

Então, masterizar o que eu vou falar agora é essencial para escrever bons e-mails: você precisa ser extremamente claro e objetivo no seu texto.

Estou falando isso porque ninguém vai ler se você escrever uma campanha com 2300 palavras de lero lero. Aí sim seu e-mail será chato e longo.

Por isso, não seja prolixo, não fique "abrindo parênteses" o tempo todo, não encha linguiça.

Se você enrolar demais, pode gerar confusão na cabeça de quem está lendo. Aí, sua mensagem não será passada de modo efetivo.

Se você não for claro, pode dar margem para interpretações erradas sobre seu texto.

Nos dois casos, pode esquecer o objetivo que você traçou lá na dica #1.

Porque, ao faltar objetividade e clareza, você perdeu seu tempo escrevendo um e-mail que ninguém vai ler.

E pior: ninguém vai clicar no link do final.

De quebra, você ainda corre o risco de prejudicar a imagem da marca para os destinatários porque só envia e-mails confusos e chatos. Aí, meu caro, é spam na certa.

#5 Escolha uma linguagem adequada ao seu público

Escolha uma linguagem adequada ao seu público

O fato é que cada empreendedor tem um nicho, um avatar, enfim. E saber exatamente que palavras usar para se comunicar com seu público é uma consequência positiva de conhecê-lo a fundo.

Vou dar um exemplo que provavelmente você já presenciou.

Adolescente tem esse negócio de ser rebelde e tal. Uma das formas de expressar essa rebeldia é falar palavrão perto dos amigos, especialmente quando não é permitido dentro de casa.

Era até engraçado de ver. Meus amigos mais boca suja quando estavam com a galera, não soltavam nem um "porcaria" perto dos pais.

Porque eles sacaram como se comunicar com cada grupo, em cada situação.

É a mesma coisa no seu negócio. Quando você saca como se comunicar com seu público, torna a conversa muito mais eficaz.

Pensa comigo. Se você usa gírias de rua ou palavrões para falar com advogados, é bem provável que saiam faíscas da comunicação.

Por outro lado, não precisa ser formal se o seu público não ligar para isso.

Cuidado com os extremos. Uma linguagem rebuscada demais e com muitos rodeios demonstra insegurança e necessidade de ser aprovado por quem está lendo.

Já ir pelo caminho excessivamente informal pode demonstrar que você não se esforçou nem um pouquinho para iniciar o contato.

O importante é saber que tipo de linguagem usar e sempre manter o respeito pelo público para tornar o seu contato pessoal e aproximar os dois lados.

#6 Evite abreviações de palavras ou gírias de internet

Essa dica tem tudo a ver com a anterior, mas é tão importante evitar que eu resolvi fazer um tópico à parte.

Tudo bem que você precisa saber exatamente a linguagem ideal para se comunicar com seu público, mas até a pessoa mais informal pode se incomodar com um texto cheio de abreviações e gírias.

Coisas como "vc", "ñ", "pq", "é nois", podem tornar a leitura difícil, confusa e fazer com que o leitor perca o foco da mensagem que você quer passar.

Ele pode simplesmente cansar do seu e-mail e voltar para a caixa de entrada.

Por isso, evite encher o seu e-mail com abreviações e gírias.

#7 Use gatilhos mentais

Use gatilhos mentais

Gatilhos mentais são "botões" que você aperta na cabeça da pessoa para que ela:

  • Te dê atenção

  • Tome a ação que você quer

Curiosamente, são essas duas exatas coisas que você precisa que seu leitor em potencial faça quando você manda um e-mail para ele.

Sem atenção, ele vai largar seu e-mail para lá.

Sem ação, o objetivo do seu contato não será cumprido – ele não vai assistir seu webinário, comprar seu infoproduto, se inscrever no seu curso, enfim.

Você pode usar gatilhos em todo o texto, mas consegue dizer em qual parte do e-mail é simplesmente essencial que você use os gatilhos?

Acertou se disse o lead (ou início do e-mail, que compreende o assunto + os primeiros parágrafos, lembra?).

Você pode, por exemplo, ativar o gatilho mental da curiosidade no campo do assunto para instigar a pessoa a clicar no seu e-mail.

Durante o texto, pode ativar a especificidade, urgência, escassez, história, razão, autoridade, prova…

Nossa, você tem uma infinidade de gatilhos para ativar no seu leitor. Eu apenas citei alguns.

O importante do uso dos gatilhos é manter a integridade. Ao ativar a escassez, por exemplo, não diga que é uma oferta por tempo limitado se não for verdade.

Gatilho só funciona a longo prazo se você for íntegro, beleza?

#8 Use CTAs

Essa dica é bem simples.

Lembra, lá no início, quando eu te falei sobre definir o objetivo do seu e-mail?

Pois é.

Uma das formas de aumentar consideravelmente as chances de atingir o objetivo é deixando bem claro o que você quer que a pessoa faça.

É aí que entra a CTA (chamada para ação).

Por exemplo, se você quer que ela se inscreva no seu curso, precisa falar isso para ela. Como?

Com um comando direto: "para se inscrever, clique no botão abaixo" ou algo do tipo.

O fato é que, se você não der o comando claro, a pessoa vai ficar confusa sobre o que precisa fazer e pode acabar não fazendo nada mesmo.

#9 Escolha uma despedida que faça sentido

Escolha uma despedida que faça sentido

Se você acompanha o blog, sabe que eu escrevo com uma linguagem simples, estilo conversa mesmo.

Esse negócio de escrever difícil não é comigo.

Agora, pensa que esquisito seria receber um e-mail meu assinado assim:

"Cordialmente, Hugo Rocha"

Nada a ver.

Por isso você precisa pensar em como vai encerrar o contato.

Isso é algo bem particular. Eu gosto de mandar um abraço no final dos e-mails.

Não tem jeito certo – vai desde "atenciosamente" até "beijos amorosos", desde que faça sentido.

O que importa aqui é ter uma assinatura que é a sua cara e que se comunica bem com o público.

#10 Destaque informações importantes

Você provavelmente já disse ou já ouviu algo do tipo:

– Cara, você PRE-CI-SA ver esse filme.

A ênfase no "precisa" destaca essa informação no meio das outras.

No seu e-mail, você tem recursos que te ajudam nessa missão: usar negrito, itálico, caixa alta, enfim.

Só tome cuidado para não exagerar senão seu texto vai parecer um carnaval, o que tende a prejudicar que sua mensagem seja passada de modo eficaz.

#11 Formate seu e-mail

Formate seu e-mail

Um dos critérios para seu e-mail ser lido é que ele seja visualmente atraente.

Se não for, as chances de a pessoa ficar com preguiça de ler são altas.

E aí não importa quão bom seja o conteúdo, se a formatação não encher os olhos de vontade… praticamente ninguém vai ler (digo praticamente porque alguns guerreiros vão se esforçar muito para conseguir).

Blocos enormes de texto, linhas muito juntas ou muito separadas ou que vão de ponta a ponta na tela são fatores que prejudicam a legibilidade do seu texto e a experiência do leitor.

Quer um exemplo de texto cheio de conteúdo bom, mas que é visualmente difícil de gostar?

Texto acadêmico. Só quem é do meio tem mais paciência, mas se você não for dessa galera, vai ficar difícil degustar as palavras.

Por isso, pare um momento para avaliar se o seu e-mail dá vontade de ler só de olhar para ele e ajuste o que for necessário.

#12 Revise o email antes de enviá-lo

Ok, até aqui você seguiu todos os passos anteriores. Massa.

O problema é que tem gente que para por aí e esquece completamente da revisão.

Eu sei que revisar não é a atividade favorita de muita gente, nem mesmo de quem escreve. Mas é o tipo de coisa que você não pode ignorar.

Porque é na revisão que você verifica erros de digitação e de ortografia, e evita que sua mensagem fique confusa.

Além disso, é nesse passo que você repassa todas as informações que estão escritas no e-mail e percebe se elas estão bem fluidas, encaixadinhas e, principalmente, corretas.

É sério, não aperte "enviar" antes de rever cada palavra do e-mail, combinado?

#13 Mande quantos e-mails quiser

Mande quantos e-mails quiser

Uma pergunta que eu recebo bastante é qual a frequência ideal de envios de e-mails por semana.

Tem gente que defende que você não deve ultrapassar um por dia para não encher o saco da sua lista, mas eu discordo.

Não existe frequência ideal. Você pode literalmente mandar quantos e-mails quiser.

Dois, três, quatro por dia?

Beleza, tudo certo. Desde que cada um desses e-mails seja de extremo valor para quem os recebe, não tem problema enviar vários por dia.

Uma empresa que faz bastante isso é a Empiricus. E nesse vídeo um dos sócios explica mais detalhes de por que disparar vários e-mails é ótimo para manter sua lista aquecida.

#14 Tenha um bom serviço de email

Eu não sei quantas pessoas você tem na sua lista hoje, mas vou jogar baixo. Imagine que você tem cem contatos e vai enviar um e-mail para todos.

Se você usa um serviço comum, como um Gmail da vida, vai ter que adicionar destinatário por destinatário.

Numa lista com cem contatos já é complicado. Agora, pensa numa lista de mil, dez mil, cinquenta mil e-mails.

Um trabalho desnecessário.

Não estou criticando serviços como Gmail, mas o fato é que eles funcionam muito bem para uso pessoal, para quem não precisa disparar campanhas para uma lista inteira.

Existem ferramentas de e-mail marketing que otimizam o seu trabalho e abrem um leque de possibilidades.

Como é o caso do Klicksend, uma ferramenta 100% desenvolvida pela equipe do Klickpages.

O Klicksend é integrado ao Klickpages, uma ferramenta de criação de landing pages incríveis.

Como funciona?

Olha que massa.

Como Klickpages, você cria sua landing page personalizada para capturar o e-mail do seu potencial cliente, monta a sua lista e usa o Klicksend para disparar sua campanhas de forma fácil e rápida.

Tudo em um lugar só.

Ou seja, você não precisa assinar mil serviços diferentes e pagar mais caro para construir e nutrir sua lista de e-mails. 😉

Conclusão

Conclusão como escrever um email

Nas últimas linhas, eu te mostrei os 14 passos para criar emails matadores que eu mesmo uso no meu negócio.

Agora você tem informações valiosas de como escrever um email poderoso que prende a atenção do leitor e aumenta consideravelmente as suas chances de vender mais.

Eu digo isso porque é o que acontece na minha empresa: a lista de e-mails é nosso maior ativo.

Mais do que isso, é o nosso terreno próprio. Eu não dependo de terrenos alugados como as redes sociais – e agora você também sabe por que não deve depender deles e como ter controle da sua audiência.

Você viu desde como defender uma única ideia e a importância das primeiras linhas, até que não existe e-mail longo, mas sim e-mail chato.

Eu também te apresentei alguns gatilhos mentais poderosos e te falei que você não precisa se preocupar com quantos e-mail manda por dia para a sua lista – desde que sejam de extremo valor.

Agora é com você. Não deixa de me contar nos comentários o que você achou do conteúdo e quais desses passos você já seguia. Abraço!

COMPARTILHE NAS REDES SOCIAIS!

Sobre o Autor

Hugo Rocha é co-fundador da Ignição Digital e do Klickpages. Já atuou diretamente nos bastidores dos maiores lançamentos digitais do Brasil. Atualmente está a frente da equipe de tráfego e crescimento da Ignição Digital e Klickpages liderando pessoalmente mais de R$ 4 milhões de reais em investimento em tráfego nos últimos 12 meses com ROI acima de 300%.