Como começar uma introdução: 6 táticas para você desempacar no início do texto

Como começar uma introdução: 6 táticas para você desempacar no início do texto

Se você está empacado e não sabe como começar uma introdução para o seu conteúdo, precisa ler isso aqui antes de ficar dando murro em ponta de faca.

É o seguinte.

Existem várias razões pelas quais isso pode estar acontecendo.

Pode ser porque você acredita que nunca mais terá uma segunda chance de causar uma boa impressão com o seu leitor.

Ou por medo de falhar e saber que seu texto será apenas mais um desses conteúdos na internet que nunca são lidos por não começarem de um jeito suficientemente interessante.

Eu de verdade não sei qual é o seu caso.

Mas o fato é que esse tipo de coisa faz qualquer pessoa pensar que deve fazer algo muito elaborado na hora de começar um texto.

Acha que pra fazer uma introdução matadora, precisa fazer algo complexo…

E, cara… Quando você coloca na cabeça que algo é muito complexo, você simplesmente paralisa.

É exatamente por isso que eu quero compartilhar uma sacada com você.

O lance é focar no básico. Fazer algo simples.

É. Eu sei que o simples não é tão sexy quanto a parada mais avançada.

Que um bolo de festa, daqueles com várias camadas de recheio, salta bem mais os olhos do que um tradicional bolo de milho, por exemplo.

E, por isso mesmo, essa coisa mais avançada é o que os “iniciantes” querem fazer logo de cara.

Só que a real é que as pessoas mais avançadas, ao contrário, tendem cada vez mais a focar no básico.

A verdade é que nada substitui o simples bem feito. Porque o básico bem feito tem muito mais resultado do que o avançado que não é bem desenvolvido.

É aquela velha história: um arroz com feijão bem feito é bem melhor do que um risoto meia boca.

E é por isso que eu trouxe aqui 6 táticas para você focar no simples e saber como criar uma introdução que convence o seu leitor a ficar com você até o final.

Além disso eu te conto o que você deve evitar na hora de começar o seu texto e ainda 4 técnicas mais avançadas para você aplicar depois que já tiver masterizado a parada.

Mas, antes, vamos começar pelo começo e (por que não?) pelo básico.

O que é uma introdução de texto e por que fazer uma?

O que é uma introdução e por que fazer uma?

A introdução é a parte que abre o seu texto. É o início: são as primeiras linhas de um artigo, de uma carta de vendas ou de qualquer outro conteúdo que você produza dentro da sua estratégia.

Como o próprio nome sugere, ela serve para introduzir o assunto que será abordado ao longo do texto.

É o que ajuda o seu público a se situar melhor antes de aprofundar no seu conteúdo, na sua ideia.

Além de trazer uma informação relevante que mostre o valor que você quer entregar para o seu público e instigá-lo a continuar contigo até o final.

Acontece assim… Todo texto tem uma estrutura básica que é composta de três partes principais: a introdução, o desenvolvimento e a conclusão, nesta ordem.

Quando você pula uma dessas etapas, o seu texto tende a ficar incompleto, já que cada uma dessas partes tem a sua importância na hora de envolver o leitor.

E a introdução é, acima de tudo, o responsável por prender a atenção do seu público.

Para você ter noção do quanto isso é importante, o ser humano tem hoje a capacidade de concentração menor do que a de um peixinho dourado.

Nós só conseguimos focar totalmente em alguma por cerca de 8 segundos.

E é por isso que a sua introdução tem a missão de fazer com que seu leitor queira ficar desde as primeiras linhas.

Já pensou trabalhar no seu material com tanta dedicação, se esforçar ao fazer as pesquisas e oferecer o melhor conteúdo possível para o seu público, e ser ignorado no fim das contas? Pois é.

Agora, se você ainda está se perguntando por que você precisa aprender a fazer uma boa introdução…

Simples: porque dentro da sua estratégia de conteúdo, um dos objetivos deve ser captar e manter a atenção da sua audiência.

Quando você conquista o interesse logo no início da “conversa”, as coisas tendem a ir por um caminho excelente para o seu negócio, onde a pessoa fica mais propensa a comprar sua ideia e (por que não?) o seu produto ou serviço..

E olha só… Eu não estou falando aqui apenas de conteúdo escrito, ok?

Mas para todo e qualquer conteúdo que você produza aí na sua empresa. Seja ele em formato de vídeo, podcasts, infográfico

E até mesmo abas explicativas dentro do seu site, blog ou landing page.

(Inclusive, o longo deste artigo, pode ser que eu me refira a essa galera como "leitor" porque é o mais comum. Mas lembre-se que pode ser a sua audiência no geral, dependendo do tipo de conteúdo que você esteja produzindo.)

Enfim, o importante é ter um início matador para conquistar a atenção do seu público logo de cara.

Ah! Além do mais, isso pode te ajudar até mesmo a desenvolver o restante do seu conteúdo.

Particularmente, comigo acontece assim: o resto do texto não flui bem se eu não desenvolvi bem a ideia do título e da introdução dos meus textos.

Porque é isso que me norteia em todo o resto.

Então, se esse também for o seu caso, é mais um motivo pelo qual você precisa saber criar uma introdução massa.

Até mesmo para desempacar, como eu falei no início desse texto.

Sendo assim, vamos para o que realmente faz a parada acontecer.

Como começar uma introdução de texto: 6 táticas que prendem a atenção

Como começar uma introdução: 6 táticas que prendem a atenção

Saber como começar uma introdução da melhor maneira possível não é questão de sorte. Nem de dom. Ou ainda de inspiração.

Sabe aquela frase do Thomas Edison que diz que “talento é 1% inspiração e 99% transpiração”?

É tipo isso. Ficar craque em começar bem um texto, seja ele qual for, é questão de treino.

Para que você encontre as melhores estratégias, eu separei para você 6 táticas que vão te ajudar a prender verdadeiramente a atenção do seu leitor (ou ouvinte, ou telespectador…).

Você verá que é possível aplicar qualquer uma delas ainda hoje.

Anota aí:

1 – Histórias

Por que você acha que as pessoas pagam para ficar cerca de duas horas em uma sala escura, totalmente desconectadas do mundo, apenas para prestar atenção em uma história?

Pois eu te digo. A verdade é que ninguém resiste a uma história bem contada.

Elas têm um enorme poder de conexão e é capaz de alcançar o nível mais profundo das emoções do ser humano.

E isso não sou eu que estou falando, é a ciência.

A história afeta o cérebro humano em um nível hormonal, além de sincronizar a atividade cerebral de quem está ouvindo de quem conta, ativando exatamente as mesmas áreas.

Ou seja, contar uma boa história na sua introdução te ajuda a estabelecer uma conexão profunda com o seu leitor.

Você faz com que ele se coloque no lugar do personagem e anseie pelas próximas linhas para saber o desfecho do enredo.

O segredo para estabelecer esse envolvimento está nos nossos sentimentos mais marcantes, principalmente curiosidade e medo.

A sacada é conhecer muito bem a sua persona para saber exatamente qual impacto é interessante causar com as histórias na sua introdução.

Se você contar a história certa do jeito certo, as chances são que você vai gerar empatia e será capaz de influenciar quem está consumindo o seu conteúdo.

Logo, você tem nas mãos a ferramenta necessária para fazer toda a diferença em como a audiência recebe o seu texto e em sua decisão de continuar ou não lendo.

2 – Citações

Essa tática é uma poderosa carta na manga.

Dependendo do contexto e do significado, algumas poucas palavras podem ter muito impacto no seu texto.

Quando você começa a sua introdução com uma citação, principalmente de alguma autoridade no assunto que você está abordando, você associa o peso e a importância daquelas palavras para o seu texto.

E, assim, desperta a atenção do seu público para o que está por vir no seu conteúdo.

Uma sacada simples mas que faz toda a diferença.

3 – Estatísticas

Outra forma de começar uma introdução é apresentar informações sobre o tema, podendo ser estudos, levantamentos ou pesquisas que agreguem valor ao seu material.

Quando você apresenta dados coerentes, você só reforça a sua credibilidade e autoridade em relação ao assunto.

E o leitor leva mais a sério o que você está dizendo.

Só que é o seguinte. Não adianta apenas jogar dados a torto e a direito, sem relacionar com nenhuma conclusão lógica sobre aquilo.

É preciso que esses números façam sentido. A interpretação deles é que faz toda a diferença.

Até porque senão ficaria bem chato e difícil de ler.

4 – Perguntas

Perguntas

Fazer perguntas é um dos jeitos mais eficientes de captar a atenção do seu leitor.

É outra possibilidade de "entrar na mente das pessoas", já que perguntas também provocam sentimentos e emoções.

Ao fazer perguntas na sua introdução, você desperta alguns gatilhos mentais, como antecipação e curiosidade.

Se feitas do jeito certo, elas abrem uma janela de possibilidades que precisam ser fechadas futuramente, despertando ainda mais interesse na continuidade do seu texto.

Porque o seu público não vai conseguir ignorar o fato de que existe uma informação incompleta e que precisa ser respondida.

Assim, a pessoa continua lendo sem nem perceber que está tomando essa decisão com o seu inconsciente.

Mas, olha só… Não dá para simplesmente encher a introdução de perguntas, viu?

A parada é fazer os questionamentos certos, que deem um gostinho de quero mais na sua audiência.

E também não é qualquer tipo de pergunta. Aquelas perguntas que limitam a resposta ao “sim” ou “não”, por exemplo, devem ser evitadas, senão o papo acaba ali mesmo.

Ah! E lembre-se de não dar a resposta logo em seguida. Aproveite para instigar e mostre que a resposta para a questão está no decorrer do seu texto. 😉

5 – Problemas

Apresentar um problema na sua introdução pode ser exatamente o que vai fisgar o seu público.

Afinal de contas, quando uma pessoa pessoa faz uma pesquisa na internet, ela provavelmente está em busca de uma solução para um problema específico.

Você mesmo pode ter sido uma das pessoas que veio parar neste artigo ao pesquisar "Como começar uma introdução?" ou algo do tipo.

E abordar o problema de “estar empacado” na minha introdução foi a tática que eu escolhi para instigar que você chegasse até aqui na leitura.

É natural do ser humano essa vontade de encontrar soluções para o que aparece na sua frente. Logo, essa estratégia também é poderosa na conexão com seu leitor.

Aproveite para atiçar a curiosidade, dando a entender que a resposta para o problema apresentado será revelado nas próximas linhas.

E, claro, não deixe de entregar o que você está prometendo.

6 – Justificativa

Para finalizar, outra tática que você pode aderir é a de explicar por que você resolveu escrever sobre aquele determinado tema ou assunto.

Fale das vantagens para o seu leitor de investir seu tempo no seu conteúdo. E também das suas motivações ao agregar valor para a sua audiência.

O gatilho mental que você desperta nesse caso é a reciprocidade. Porque o seu público tende a levar em consideração a sua preocupação em oferecer um material rico em informações para ele.

Obs.: Em todas essas estratégias que eu acabei de mostrar para você, tem um detalhe que pode otimizar bastante o seu conteúdo.

Eu estou falando do famoso SEO (Search Engine Optimization ou, em bom português, otimização para mecanismos de busca).

São estratégias que, bem aplicadas, fazem com que seu material seja visto por muito mais pessoas sem que você precise pagar por isso.

Quero destacar aqui o uso de palavras-chave no começo da sua introdução, por exemplo, para ajudar o seu texto a ser mais relevante para os mecanismos de busca, como o Google.

Se você quiser saber mais sobre essa e outras estratégias, pode conferir o artigo Técnicas de Redação para SEO aqui do blog do KP.

Então, agora que você tem as sacadas que precisa colocar em prática para um bom começo de introdução, dá uma olhada nisso aqui:

O que não fazer na hora de começar uma introdução

O que não fazer na hora de começar uma introdução

O que eu vou te mostrar agora são coisas que provavelmente já te deixaram com tédio em algum texto que você se deparou na internet.

Textos que já começam com aqueles famosos clichês, que não deveriam ser usados nem em redação do ENEM, como:

“Desde a antiguidade…”

“De uns tempos pra cá…”

“Atualmente..”

Desapega disso aí.

Aliás, não só dessas frases genéricas. Olha só outras coisas que você precisa evitar na hora de começar sua introdução:

  • Repetir o título: você tem mais criatividade que isso, vai!

  • Fazer um resumo seu texto: para que a pessoa continuaria lendo?

  • Gerar uma expectativa que você não pode cumpri no decorrer do texto.

Eu preciso dar destaque para esse último tópico.

Você precisa gerar valor de verdade para a sua audiência e não apenas “encher linguiça”, como dizem por aí.

Se você instigar o seu público para depois não ter o que é preciso para resolver o seu problema ou matar sua curiosidade, só vai conseguir despertar o sentimento de frustração.

E, assim, você vai perdendo cada vez mais (isso se não for de uma vez) a credibilidade com ele.

Até porque se você caprichar na introdução e não der a devida atenção para o desenvolvimento e a conclusão da sua ideia, seu conteúdo vai acabar virando algo mais ou menos assim:

Exemplo

Hahaha.

Brincadeiras à parte, é realmente muito importante manter o nível do seu texto alto do início ao fim. =)

Ótimo. Sabendo o que você deve evitar na hora de criar sua introdução, é hora de ver as…

4 dicas de como começar uma introdução com maestria

4 dicas de como começar uma introdução com maestria

Nos tópicos anteriores, eu te mostrei táticas que você pode usar para desempacar na hora de começar uma introdução e o que você precisa evitar, se quer conquistar a atenção do seu público.

Isso é o básico para esse momento da sua produção de conteúdo.

Mas, quando você começa a masterizar a parada, dá para ir além e usar algumas táticas mais avançadas para levar sua introdução a outro patamar.

E, para te ajudar com isso, eu separei 4 delas para você.

1. Repetição

Quando você repete uma palavra em frases seguidas, você destaca uma ideia e a reforça na cabeça do leitor.

E ainda cria um ritmo de leitura interessante.

Algo do tipo…

Talvez você tenha perdido as esperanças com aquela pessoa.

Talvez tenha se sentido enganado.

Talvez você não confie mais.

Eu não sei…”

Apesar de ser uma estratégia poderosa, você precisa usá-la com cuidado para não pecar por falta nem por excesso.

O ideal é que você repita a mesma palavra ou expressão apenas 3 vezes.

Se for menos que isso, o cérebro não percebe o padrão. Mais do que isso, só vai parecer que você não foi criativo o suficiente.

Por que exatamente 3 vezes, Suse?

Por causa da…

2. Regra do três

Já se perguntou o que os Três Porquinhos, os Três Mosqueteiros, os Três Ratos Cegos, Cachinhos Dourados e os Três Ursos, os Três Reis Magos e os Três Patetas têm em comum?

Eles usam a mesma estratégia para fazer com que suas histórias sejam memoráveis.

A sequência de três é uma tática usada para gravar uma ideia na cabeça de uma pessoa, dar sonoridade e transmitir harmonia.

Isso tem a ver com a maneira como nós processamos uma informação: 3 é o número mínimo de elementos necessários para criar um padrão no nosso cérebro.

Logo, se você quiser gravar algo na cabeça do seu leitor logo no começo da sua introdução, faça isso usando a regra do três.

3. Metáforas, comparações e analogias

O uso de metáforas, analogias e comparações é, na minha opinião, uma das melhores maneiras de manter o foco do leitor no seu conteúdo.

Porque são elementos que facilitam o entendimento de um assunto, até mesmo os mais complexos.

E, quando a pessoa entende o que você está dizendo, você tem mais chances de manter a conversa por mais tempo.

Então, quando você perceber que um tema ou conceito não soa tão atrativo na hora de começar a sua introdução, tente ilustrar com alguma dessas táticas.

4. AIDA

Essa última dica aqui tem a ver com a relação entre a sua introdução e todo o resto do texto.

É o seguinte: AIDA é uma sigla para atenção, interesse, desejo e ação. E é um método relacionado ao comportamento do consumidor para conduzi-lo por uma jornada de compras.

Mas esse método não precisa ser aplicado somente em um processo de vendas tradicional.

Até porque, mesmo ao produzir e divulgar um conteúdo, você já está guiando o seu potencial cliente pelo funil de vendas, certo?

Por isso, o modelo AIDA é totalmente aconselhável aqui.

Aproveite a atenção que você desperta no seu público na introdução para mantê-lo nessa linha de interesse até o momento de realizar uma ação, nem que seja uma ação futura.

Para saber mais sobre esse método, é só clicar aqui para ver um artigo bem completo sobre o assunto. 😉

Falando em atrair o seu leitor e guiá-lo para um objetivo específico…

Crie uma introdução irresistível para sua landing page

Crie uma introdução irresistível para sua landing page

Agora que você tem nas mãos as melhores táticas e sacadas de como começar uma introdução digna de leitura completa, hora de usar isso para ter mais mais vendas na sua empresa.

É simples: aplique o que você aprendeu e crie uma introdução irresistível para a sua landing page.

Dessa forma, você capta a atenção da sua audiência para o seu conteúdo de extremo valor e consegue converter mais pessoas em leads qualificadas.

O que isso quer dizer?

Quer dizer que quando você tem atenção de mais pessoas, maiores as chances delas se conectarem com o que você está oferecendo e deixarem o contato delas em troca do seu conteúdo.

Aí você terá uma boa base de leads, ou seja, pessoas verdadeiramente interessadas no que você tem a dizer sobre o seu produto ou serviço.

A partir desse contato (e eu sugiro que você peça o email), você consegue promover uma abordagem mais direcionada, educar e nutrir essa pessoa até que ela esteja pronta para se tornar um cliente de fato.

Além de que, com uma introdução poderosa, você tem uma landing page ainda mais caprichada e otimizada.

E, para que tudo isso aconteça no seu negócio, o Klickpages é o seu melhor aliado.

Com ele, é muito simples criar a sua landing page personalizada.

São apenas 3 passos, olha só:

  • Escolha seu modelo: veja opções de alta conversão comprovada através de testes.

  • Customize a página: edite os textos, as cores e as imagens, além de ocultar elementos que pouco agregam.

  • Publique: por fim, é só publicar no seu próprio domínio, sem custos adicionais de hospedagem.

Conclusão

Conclusão Como começar uma introdução

O primeiro passo para desempacar na hora de começar a sua introdução você já deu ao ler este artigo.

Porque agora você sabe que começar pelo básico é a melhor coisa que você faz para conseguir alcançar o seu principal objetivo, que é instigar o seu leitor a continuar a leitura até o final.

Aqui, você viu que a sua introdução é a responsável por prender a atenção do seu público, e que o desafio está no fato do ser humano ter uma capacidade de concentração de cerca de 8 segundos.

Mas que isso não é uma missão impossível e que, na verdade, existem 6 táticas simples que você pode colocar em prática hoje mesmo, como contar histórias para alcançar o nível mais profundo das emoções do ser humano…

Ou usar dados estatísticos para reforçar a sua credibilidade e autoridade em relação ao assunto abordado.

Eu te falei também do que você precisa evitar para que o seu público não caia no tédio logo nas primeiras linhas do seu conteúdo.

E ainda dei 4 dicas mais avançadas, como a regra do três, para você aplicar depois que tiver masterizado a parada (ou paralelamente mesmo, aí é contigo).

Agora é sua vez.

E não deixa de me contar aqui nos comentários como era esse processo para você e se você já conhecia ou usava alguma dessas técnicas! Vou adorar saber.

Até mais e um abraço! =)

COMPARTILHE NAS REDES SOCIAIS!

Sobre o Autor

Meu nome é Susanne, mas pode me chamar de Suse. Faço parte do time de conteúdo do Klickpages e amo aprender coisas novas, principalmente relacionadas a tecnologia e marketing. Sou brasiliense, mãe de gato, curto muito cultura pop, ler nas horas vagas e gosto de escrever ouvindo rock ou música clássica ou funk (ou...), enfim, sou bem eclética. Tudo depende do meu humor no dia. Me comunico basicamente usando gifs e memes, e gosto de conversar com pessoas que entendem as referências (pelo menos as principais, né? QUEM É QUE AINDA NÃO VIU FRIENDS?!). Ah, também sou uma pessoa muito intensa, como podem perceber. :D