Briefing: o que é, porque é importante, como fazer e exemplos

O que acha de fazer de um bom briefing um verdadeiro guia para seus projetos?

Seja qual for o objetivo da sua ação, como lançar um produto ou posicionar melhor sua marca no mercado, fazer isso a partir de etapas bem estruturadas eleva a chance de sucesso.

E é disso que se trata um briefing.

Mas se você ainda não domina o conceito, não se preocupe.

Neste artigo, vamos explicar o que é briefing, como fazer e suas aplicações em campanhas de marketing e ações publicitárias.

Também iremos apresentar um exemplo passo a passo para você colocar em prática hoje mesmo mesmo.

É hora de aproveitar esse conhecimento para fazer seu negócio decolar.

Interessado?

Então, boa leitura!

O que é um briefing?

Briefing é o documento elaborado para guiar um projeto específico, contendo orientações passadas de um ponto para outro.

Ele traz informações claras e sucintas para embasar as melhores estratégias para o momento certo, a fim de alcançar os objetivos estipulados.

Funciona como uma descrição do trabalho a ser realizado.

Por suas características, é bastante utilizado pelas agências de publicidade.

Isso acontece, por exemplo, no momento no qual o cliente fornece as informações necessárias para que seja desenvolvido um trabalho que atenda ao desejado por ele.

No entanto, um briefing pode ser aplicado em qualquer projeto, inclusive em operações militares.

Se isso o fez lembrar de planejamento estratégico, está no caminho certo para entender o conceito, embora seja muito mais objetivo e direto ao ponto.

Trazendo para o campo do marketing, um briefing precisa conter algumas informações necessárias para que seja útil, como:

  • Detalhes sobre o produto ou serviço

  • Mercado em que atua

  • Perfil do consumidor

  • Objetivos tanto da empresa quanto do cliente.

Lembrando que, para que ele seja eficiente e cumprir com sua proposta, o briefing não pode ser muito extenso.

É necessário que ele traga informações sucintas e que tenham real relevância para o projeto.

Além disso, precisa ser de fácil acesso a qualquer momento para todos os envolvidos.

Por que um briefing é importante?

Ter um briefing bem estruturado é o pontapé inicial para garantir o sucesso de qualquer planejamento.

E isso acontece porque ele traz uma série de vantagens.

Vamos relacionar agora alguns dos motivos pelos quais você precisa de um briefing hoje mesmo no seu negócio.

Confira!

Informações centralizadas e organizadas

Como mencionado, o briefing serve para agrupar em um lugar só as informações relevantes para o desenrolar do projeto.

Geralmente, o conteúdo é separado em blocos, o que facilita a missão aos vários departamentos de uma agência, como criação, mídia e planejamento, por exemplo.

Fica mais simples para todos eles acessarem as informações.

Por isso, é recomendável que elas sejam claras.

Isso assegura que a equipe não irá se perder na execução, deixando de dar a atenção necessária para pontos importantes.

Aumenta a assertividade do trabalho

Imagine criar estratégias e ações sem conhecer nada sobre a história do cliente?

Com certeza, seria o mesmo que dar vários tiros no escuro, não concorda?

É por isso que o briefing se mostra bastante útil para atender às expectativas com precisão.

Ele fornece um breve histórico da empresa e um panorama do mercado em que ela atua, facilitando o trabalho da equipe de marketing.

Tudo no caminho certo

Além de ajudar a entender a empresa, seus objetivos e desafios, o briefing possibilita seguir o caminho certo estipulado no planejamento para que os resultados sejam alcançados.

Com um plano bem estruturado em mãos, contendo todas as etapas do processo claramente definidas, fica difícil registrar falhas de comunicação entre os envolvidos, o que poderia levar o projeto a sair do foco.

Isso ajuda a aumentar a credibilidade da pessoa ou empresa que irá fazer o trabalho.

Afinal, é um indicador de que ela sabe realmente o que está fazendo.

Equipe focada e engajada

Com o briefing pronto, fica muito mais fácil manter a equipe engajada e inspirada, já que ela conhece o cliente e o motivo por trás daquele projeto no qual ela está trabalhando.

Por isso, é preciso reservar um tempo para se reunir com o cliente e tentar extrair o máximo de informações relevantes possíveis.

Como você sabe bem, ninguém melhor para conhecer seu negócio que ele mesmo.

Tópicos

Agora que você sabe da importância de um briefing para o sucesso de um projeto e como ele é uma peça fundamental para todas as etapas do trabalho, é hora de conhecer mais um pouco sobre seus componentes.

Vale lembrar que cada agência ou empresa possui seu próprio modelo de negócio, logo, pode existir uma infinidade de modelos de briefing.

Porém, independentemente disso, é interessante que o briefing contenha os tópicos abaixo.

Histórico

Esse é o momento de conhecer o cliente.

Isto é, colher informações dadas por ele mesmo sobre a trajetória da empresa, o que vem acontecendo no mercado onde atua, entre outros pontos.

A partir daí, o desafio é montar um cenário mercadológico.

O problema de marketing

Esse é um dos principais tópicos, que deve estar presente em qualquer briefing.

Podemos dizer que o problema de marketing é o background para a necessidade que o cliente encontrou.

Ou seja, estamos falando do real problema que ele está passando no momento, aquilo que o motivou a procurar ajuda para solucioná-lo.

Objetivo(s) da pesquisa

Seu cliente pode ter um ou vários problemas, mas o que realmente importa é que esses objetivos reflitam o problema de marketing definido anteriormente.

Além disso, que sejam breves e claros.

Não se esqueça de manter todos os envolvidos no projeto a par dos objetivos.

Aliás, quando se sabe o porquê de estar fazendo um trabalho, é muito mais fácil manter o foco e engajamento, como já relatado.

E isso se reflete na produtividade.

Padrão de ação

Esse é um daqueles tópicos muito importantes, mas que por vezes acabam esquecidos pelos clientes.

Afinal, o que ele vai fazer quando tiver os resultados em mãos? Qual decisão que será tomada?

Definir esse padrão de ação ajuda a guiar mais facilmente a pesquisa, a selecionar os responsáveis por cada ação e a avaliar os resultados obtidos.

Questões específicas

Levando em consideração o problema de marketing e os objetivos estabelecidos, esse é um tópico no qual o cliente acrescenta todas as questões e informações que deseja saber.

Como o nome sugere, vai mais diretamente na especificidade do seu negócio.

Público-alvo

Como tudo que envolve marketing, chegamos ao componente de ouro do seu planejamento.

De nada adianta propor as ações se elas não dizem nada para quem for atingido, não é mesmo?

Por isso, além de informações básicas de cunho social, demográfico e econômico, é interessante saber mais sobre os comportamentos e atitudes do público-alvo.

Só assim para tudo fazer sentido.

Aproveitando o tópico, talvez seja interessante definir a buyer persona do seu cliente nessa etapa do processo.

Ela corresponde ao perfil de cliente ideal, reunindo características em comum como hábitos e interesses.

Áreas geográficas

Agora, chegamos no momento de definir os locais nos quais o planejamento irá tomar forma ou onde a pesquisa de mercado vai ser aplicada, por exemplo.

Se você trabalhou com atenção na etapa anterior, do público-alvo, já tem a resposta que precisa para este tópico.

Materiais anexos

Este item também é conhecido como material de apoio, pois é justamente isso que é para ser feito.

Você deve definir os materiais que serão necessários para a execução do planejamento junto com o cliente.

Não se esqueça de perguntar se existem trabalhos anteriores.

Afinal, eles podem servir de referência para o atual.

Limitações de prazo e custo

Nesta etapa, o cliente deve definir um prazo para a finalização do projeto.

Além disso, não tenha vergonha de perguntar o orçamento disponível para a execução.

Todas essas informações servem para gerir melhor o projeto e adaptar as necessidades com a realidade do cliente.

Melhor ser informado sobre uma limitação do que identificá-la em meio à execução de um projeto.

Como fazer um bom briefing em 6 passos simples

Agora que você sabe o que um briefing precisa ter, está preparado para criar um na prática?

Selecionamos alguns passos simples, mas essenciais, para a elaboração de um bom briefing.

Vale lembrar que não se pode inundar o documento com inúmeras informações.

Então, tente ser o mais sucinto possível e filtrar o que for mais relevante para aquele projeto.

Vamos lá?

1. Escolha as pessoas certas

Para que o briefing contenha informações valiosas e relevantes, em primeiro lugar, é preciso escolher a melhor pessoa que represente seu cliente e que forneça a você informações precisas.

Geralmente, os gestores e até mesmo os proprietários do negócio são os mais indicados para explicar a situação atual da empresa.

Eles são capazes de fornecer informações como ticket médio, faturamento anual do da empresa, número de funcionários, dentre outros dados específicos, que ajudam a tomar o caminho certo.

2. Organize as reuniões

Após definir quem irá representar a empresa e transmitir essas informações, é chegada a hora de marcar reuniões para coletar os dados.

Lembrando que cada pessoa tem suas obrigações e sua rotina.

Assim, essas reuniões devem ser como o próprio briefing, ou seja, rápidas e objetivas.

Ao mesmo tempo, é necessário que o encontro seja valioso, contribuindo realmente para a elaboração do plano de marketing.

O ideal é que sejam presenciais, se isso for possível.

Caso tenha alguma dificuldade nesse sentido, pode marcar uma reunião via Skype com os responsáveis.

De fato, é uma boa saída para esse tipo de problema.

3. Centralize as informações

Quanto mais sucinto for o briefing, melhor.

Isso soa um tanto como repetitivo, mas não é por acaso.

O excesso de informações pode fazer com que a equipe de distraia do foco principal.

E isso seria terrível para a precisão do briefing a ser elaborado.

Por isso, a hora de o colocar no papel também é o momento de sintetizar e centralizar as informações em um mesmo lugar.

Tente filtrar tudo aquilo que não seja necessário. Privilegia o que é mais relevante.

4. Seja simples

Se ninguém conseguir entender o que o briefing quer dizer, será difícil chegar a algum lugar e entregar um bom trabalho.

Parece óbvio para você?

Mas acredite: esse ainda é um erro comum na condução do trabalho.

Por isso, tente evitar ao máximo termos técnicos durante a elaboração do briefing.

Além de dificultar o entendimento por parte daqueles que não conhecem a linguagem, o texto fica cansativo.

Agora, se uma linguagem mais específica é realmente necessária, você pode reservar um espaço no seu documento justamente para explicar os termos técnicos presentes no texto.

Uma espécie de glossário, entende?

5. Entenda o processo

Nada de ficar parado durante a elaboração do briefing.

Mas o que isso quer dizer?

É preciso aproveitar ao máximo os encontros com o cliente.

Eles representam a oportunidade perfeita para perguntar, questionar, entender o que cliente quer transmitir e extrair tudo o deseja saber sobre o funcionamento do seu negócio.

Tente adotar uma posição ativa, ou seja, sempre que possível, ofereça sugestões para o cliente.

Isso tem um impacto positivo na sua imagem e mostra conhecimento sobre o que está se propondo a fazer.

Além disso, entender como o processo de vendas do cliente funciona é essencial para que as estratégias certas sejam escolhidas.

No fim das contas, faz uma diferença abissal.

6. Não se apegue ao roteiro

Você já entendeu que o briefing funciona como um roteiro, trazendo as atividades que precisam ser desenvolvidas para que o projeto alcance os seus objetivos.

Mas isso não significa que ele deva ser engessado, bem pelo contrário.

Ajustes e melhorias devem ser feitos sempre que se mostrarem necessários, adaptando o projeto para diferentes situações.

Por isso, acompanhar o desenvolvimento e desempenho das estratégias é interessante para evitar problemas ou desperdício de tempo e dinheiro.

E não se esqueça de deixar um lugar reservado para que o cliente possa preencher com algo que não consta no briefing e que ele gostaria de acrescentar.

A opinião final dele precisa aparecer no documento.

Exemplo: modelo de um briefing

Quase dominando o assunto?

Como mencionamos antes, existem diferentes modelos de briefing.

Tudo irá depender do negócio e do objetivo do cliente.

No início, podem ser testados vários modelos até identificar o que mais se encaixa nas suas rotinas.

Mas o ideal é que, com o tempo, seja estabelecido um modelo próprio para todos os clientes.

Isso é importante no dia a dia, para que não confunda a cabeça da sua equipe.

Claro que não será uma regra, pois existem clientes com particularidades diferentes.

Por isso, esteja sempre aberto a fazer adaptações. Essa maleabilidade é uma característica comum aos melhores profissionais.

Para exemplificar melhor, vamos imaginar que uma determinada empresa procurou os serviços de uma agência de publicidade.

Abaixo, segue um roteiro contendo perguntas diretas e objetivas que o atendimento poderá fazer em uma reunião.

Veja que elas irão ajudar na elaboração de um plano de ação para atender às expectativas daquele cliente.

O exemplo a seguir segue os tópicos já apresentados anteriormente neste artigo.

Histórico

  • Qual a trajetória da sua empresa?

  • Quem é matéria-prima utilizada pelo seu produto?

  • É você mesmo quem fabrica ou a produção é terceirizada?

  • Onde e como as pessoas podem encontrar o seu produto?

Problema de marketing e objetivos

  • Existem objeções para o lançamento de um novo produto?

  • Os clientes conhecem os demais produtos da sua marca?

  • Qual o seu objetivo principal com o lançamento? É vender pelo menos 50% do estoque ou outro?

Mercado

  • Qual a recepção do produto no mercado?

  • Quais as vantagens que o produto oferece para os consumidores?

  • Quais os diferenciais em relação ao produto oferecido pela concorrência?

Público-alvo

  • Qual o perfil ideal do seu cliente?

  • Qual a faixa etária?

  • Qual o seu poder aquisitivo?

Questões específicas

  • O produto já possui alguma forma de publicidade?

  • Em que momento ou ocasião o produto é mais vendido?

Limitações de prazo e custo

  • Quando pretende lançar o produto?

  • Qual o prazo estipulado para que o objetivo seja alcançado?

  • Qual a verba disponível para o lançamento?

Como dissemos antes, este não é um modelo engessado.

Veja como um exemplo de briefing e, se gostar, use como um ponto de partida para criar o documento de acordo com sua necessidade.

Comece a capturar leads hoje mesmo com o Klickpages

No meio digital, todo e qualquer projeto precisa saber conversar com seu público-alvo.

Afinal, sem ser notado e despertar nele o interesse por aquilo que oferece, fica difícil ter um negócio rentável na internet.

Por isso, está mais do que na hora de usar seu site ou blog para capturar leads.

Pode fazer isso a partir de um convite para assinar uma newsletter, receber novidades por e-mail, baixar um e-book ou se inscrever em um curso gratuito.

Não importa ação: capriche na landing page para elevar as chances de confirmar as conversões desejadas.

E, para isso, o Klickpages é a ferramenta ideal.

Veja os três passos para criar a sua:

  1. Escolha seu modelo: opções de alta conversão comprovada por testes.

  2. Customize a página: edite textos, cores e imagens e oculte elementos que pouco agregam.

  3. Publique: publique no seu domínio, sem custos adicionais de hospedagem.

Conclusão

Vimos neste artigo que um briefing é uma ferramenta muito importante para planejar a execução de um determinado trabalho, como uma ação de publicidade ou campanha de marketing.

Sem esse tipo de pesquisa, a elaboração da estratégia e a previsão das ações a executar podem ser prejudicadas.

Embora estejamos falando de um documento curto, que vai direto ao ponto, não caia no erro de menosprezar a sua relevância.

Dedicar total atenção ao briefing ajuda a manter o foco e se aproximar dos objetivos desejados para uma determinada ação.

Agora, você tem boas dicas para começar.

E se precisar de ajuda, conte sempre com o Klickpages, uma verdadeira solução para criar landing pages de sucesso.

 

COMPARTILHE NAS REDES SOCIAIS!

Sobre o Autor

Hugo Rocha é co-fundador da Ignição Digital e do Klickpages. Já atuou diretamente nos bastidores dos maiores lançamentos digitais do Brasil. Atualmente está a frente da equipe de tráfego e crescimento da Ignição Digital e Klickpages liderando pessoalmente mais de R$ 4 milhões de reais em investimento em tráfego nos últimos 12 meses com ROI acima de 300%.